APODI

SOU MOSSOROENSE DE NASCIMENTO E APODIENSE DE CORAÇÃO – STPM JOTA MARIA, JOTAEMESHON WHAKYSHON, JULLYETTH BEZERRA, JOTA JÚNIOR E JÚLIA MELISSA – MOSSORÓ-RN

HORA CERTA

BODEGA DO WHAKYSHON

BODEGA DO WHAKYSHON
#BOM PREÇO E ÓTIMO ATENDIMENTO # RUA LUIZ SULPINO. 48, PRÓXIMO A CAIXA D"ÁGUA - APODI-RN @ CEL.: 99614 - 3099 @ ORG.: WHAKYSHON E CLEIDINHA

MEU PRIMEIRO LIVRO

MEU PRIMEIRO LIVRO
VOCÊ APODIENSE TEM MOTIVOS, RAZÕES E CIRCUNSTÂNCIAS PARA ACESSAR O LINK “APODI”, PRINCIPALMENTE, SE ÉS INTELIGENTE E QUE REALMENTE, AMA DE VERDADE SUA TERRA NATAL. VOCÊ VAI ENCONTRAR A MAIOR FONTE DE PESQUISA REFERENTE AO MUNICÍPIO DE APODI

EQUIPE

http://img440.imageshack.us/img440/5965/anigif2ui.gif

SEGUIDORES DO LINK APODI

BLOGS DO PORTAL TERRAS POTIGUARES

sexta-feira, 27 de março de 2009

RELIGIÃO

JESUS CRISTO, NOSSO SALVADOR, FILHO DE DEUS, PAI TODO PODEROSO. TUDO QUE ESTÁ ACONTECENDO DE RUIM ATUALMENTE É POR ÚNICO MOTIVO, A FALTA DE DEUS NA MAIORIA DOS CORAÇÕES DE NOSSA GENTE. DEUS QUER QUE O SER HUMANO AME AO SEU PRÓXIMO COMO AMA A SI MESMO .


ASPECTOS RELIGIOSO

PARÓQUIA DE APODI
A paróquia de Apodi foi criada por provisão de 3 de fevereiro de 1766
A ORIGEM DO PADROEIRO
A Paróquia de Apodi foi criada por provisão de 3 de fevereiro de 1766 do Bispado de Olinda e Recife, por dom Francisco Xavier Aranha, graças aos esforços do padre João da Cunha Paiva, primeiro vigário do município.
A Paróquia de Apodi foi desmembrada da de Pau dos Ferros. O português Antonio da Mota Ribeiro, primeiro procurador da Paróquia de Apodi, casou-se com uma neta de Manoel Nogueira Ferreira, o fundador de Apodi, e exerceu grande influência, juntamente com o padre João da Cunha Paiva na criação da freguesia.
A eles, segundo os registros históricos, coube a elogiável missão de articular o movimento reivindicatório para a concretização da criação da freguesia do Apodi
TEMPLOS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE APODI

IGREJA CATÓLICA
ZONA URBANA
Matriz Centro 1740
Capela do Cemitério Cemitério São João Batista 1863
Capela de São Miguel Cemitério São João Batista 1866
Capela de São José Bairro do IPE 29/3/1997
Capela de São Francisco Água Mineral 2002
Capela de São Francisco Praça São Francisco 1994
Capela de Mãe Rainha Bairro Bico Torto 18/08/2002
Capela Cemitério Morada da Paz
ZONA RURAL

Capela de São Sebastião Vila de Melancias 20/1/1958
Capela de Santo Antonio Sítio Góis 13/6/1963
Capela de São Pedro Sítio Corrego 29/6/1982
Capela de Santo Antonio Sítio Barra 1994
Capela de São Francisco Sítio Córrego 3/10/1982
Capela de Nossa Senhora de Fátima Sítio Estreito 1º de maio de 1993
Capela de Nossa Senhora de Fátima Sítio Baixa Fechada 18/7/2004
Capela de São Francisco Sítio São Francisco 4/10/2003
Capela de São Miguel Assentamento Paraíso 02/09/2003
Capela de Nossa Senhora Aparecida Assentamento Portal da Chapada 12/09
Capela de Nossa Senhora Aparecida Sítio Lagoa Rasa 1997
Capela de São Lourenço Sítio São Lourenço 09/08//1998

ASSEMBLÉIA DE DEUS
ZONA URBANA
Igreja Central Rua 1º de Maio 20/11/1965
Igreja do Bairro IPE Bairro do IPE
Igreja do Bico Torto Bairro Bico Torto
Igreja Evangélica Congrecional Apodi 04/07/1999


ZONA RURAL
IGREJA DE CRISTO
ZONA URBANA

Casa de oração do IPE Conjunto do IPE 05/09/2003
OUTRAS IGREJAS
Igreja Betel Bairro Betel 15/11/1987
Igreja Quadrangular Bairro Lagoa Seca 1984
Cong. Presbiteriana Bairro Lagoa Seca 19/12/1999
A imagem de Nossa Senhora da Conceição das Várzeas do Apodi foi adquirida em Portugal, no ano de 1765, por Miguel Rodrigues da Silva e custou a importância de 100$000. O navio que trazia o vulto, naufragou nas costas de Touros, e o caixão entrou, pela barra do rio Assu, em Macau, aonde foi encontrado por um pescador, que o entregou ao vigário do Assu. Verificando-se o distrito – Várzea do Apody, dói dada ciência ao cura do Apodi, que a foi buscar em procissão e a conduziu até o lugar entre Cipó e Lagoa do CARRILHO, denominado depois, Juazeiro de Nossa Senhora, por ter ali descançado a comitiva. Levada até a Igreja, recebeu a imagem a benção litúrgica e foi colocada em seu altar; do acidente apenas resultara um ligeiro defeito nas cores do nariz da santa.
A dois de fevereiro de 1748, a imagem de Nossa Senhora da Conceição desabou do altar, causando um grande estrondo ouvido a 10 léguas, ou seja, na Serra de Portalegre.
Foi reconstruída depois no ano de 1855 por esforço do padre Florêncio Gomes de Oliveira.

ALTAR-MOR
O altar da matriz do Apodi foi construído em 1917, pelo padre Benedito Basílio Alves; reconstruído em 1921, pelo mesmo sacerdote e novamente reconstruído em 1997 pelo padre Theorodo. Com 5 altares: Nossa Senhora da Conceição, São João Batista, Bom Jesus dos Passos e São Vicente de Paulo.
IGREJA
Mede 33 metros de comprimento por 20 de largura e 25 de altura; tem dois corredores, pela baptimal, 12 arcadas. Existe na frente da igreja um cruzeiro que antes era cercado com cerca de madeira, atualmente é de alvenaria.
CEMITÉRIO PÚBLICO
O Cemitério São Batista foi construído no ano de 1863, pelo padre Agostinho Álvares Affonso.

CAPELAS
CAPELA DE SÃO MIGUEL, localizada no interior do Cemitério Público de São João Batista construída no ano de 1866 pelo padre Antonio Dias da Cunha. A imagem de São Miguel tem a sua tradição. Contam que o Capitão Leandro Bezerra, fundador de Caraúbas fez construir um oratório particular e ali colocou a imagem daquele santo, vinda do Recife. O CURA DO Apody, padre Faustino aconselhou-o a levar a imagem para a Matriz, visto que, pelo seu tamanho, não podia ela ser venerada com oratório privado. O Capitão Leandro obedeceu. Com “a criação da Freguezia de Caraúbas e entenderam os membros sobreviventes da família Cachueira” reaver essa imagem preciosa. Os apodienses opuzeram-se; os ânimos se exaltara, de parte a parte, ou sejam, apodienses e caraubenses, esperaNDO-SE O ENCONTRO DAS DUAS GENTES, FEZ-SE, PORÉM, A PAZ E A IMAGEM; MAS, TAMBÉM FICOU A VELHA MPÁGUA ENTRE UNS E OUTROS HABITANTES DA MESMA COMARCA, embora, sem outras conseqüências lastimáveis até agora

CAPELA DE SÃO JOSÉ
HISTÓRICO - Em 1996 Padre Theodoro celebrou a primeira missa no Conjunto do IPE numa residência de um morador. Naquele ato religioso um grupo de homens e mulheres se reuniram com o Padre Theodoro no sentido de ser construída uma capela naquela comunidade. Porém, faltava o dinheiro, mas padre Theodoro falou que iria viajar para a sua terra Natal, o país da Holanda e quando retornasse diria alguma coisa a respeito da construção de uma capela no IPE. Ao retornar Theodoro trouxe o dinheiro para a compra do material para erguer o templo religioso. Ivan da Farmácia fez a doação do terreno e o mestre da obra foi o pedreiro Manuel Bento Fernandes, natural de Tangará, nascido em 27 de novembro de 1935 e falecido em 5 de maio de 2000, filho de Luiz Bento Fernandes e de Rira Maria da Conceição, que juntamente com os pedreiros: Antonio Cícero, Moacir e seu Benedito e vários serventes de pedreiros iniciaram a construção da capela no dia 20 de janeiro de 1997 e no dia 9 de março do mesmo ano a mesma foi benzida pelo padre Theodoro. O santo escolhido pelos habitantes daquele comunidade para ser o padroeiro do bairro foi SÃO JOSÉ, cuja imagem foi doada pelo Dr. José Pinheiro Bezerra.
RESPONSÁVEL PELA CAPELA
Dona Maria Rita Diniz Fernandes, natural de São Paulo do Potengi-RN, nascida em 1º de junho de 1937, filha de José Braz Diniz e de Ana F. Diniz, esposa do saudoso Manoel Bento Fernandes.

CAPELA DE MÃE RAINHA, situada nas margens esquerda da BR 405 – saída para Pau dos Ferros, no bairro Bico Torto. A construção desse templo religioso teve início no dia 22 de agosto de 2002. Nesse dia foi realizada a primeira festa de Mãe Rainha, cujo evento foi realizado na sede do Conselho Comunitário do bairro, com a finalidade de angariar recursos financeiros para dá início a construção da capela, o que se deu no dia 22 de agosto de 2002.
Mãe Rainha, Senhora da Fé do Perdão, festa realizada anualmente no período de 11 a 18 de agosto de cada ano. A segunda festa realizou-se no ano de 2003, cuja comissão era assim constituída: FRANCISCO PAYTÍCIO DE FREITAS – PRESIDENTE; GILDEVAN OLIVEIRA – VICE PRESIDENTE e PADRE THEODORO – COORDENADOR.
A capela 20 de dezembro de 2003 e benzida pelo padre Theodoro.
Padre Theoodoro fez a doação da imagem de Mãe Rainha e Maria Nilton fez a doação do oterreio.
A matriz de Mãe Rainha é em Recife-Pe. Nenhuma cidade do Rio Grande do Norte, Ceará e Paraíba possui Mãe Rainha como padroeira.

CAPELA DE SÃO FRANCISCO – Praça do mesmo nome
CAPELA DE SÃO FRANCISCO – Água Mineral.


VISITAS
A Paróquia de Apodi tem sido muito visitadas desde a sua criação, assim vejamos as principais visitas:
9/10/1839 – Visita do ilustre bispo João da Purificação Marques Perdigão.
01/10/1768 – Padre Ignácio de Araújo Gondim
22/07/1788 – Padre Dr. Joaquim Monteiro da Rocha
23/02/1887 – Padre Dr. Manoel Vieira de Almeida Castro
19/05/1792 - Pedre Dionysio de Souza Bandeira
21/05/1795 - Frei José Maria de Jesus
03/02/1801 – Pedre José Feio de Brito Tavares
10/11/1806 – Pedre Antonio José Alves de Carvalho
24/06/1809 – Padre Ignácio Pinto de Almeida Castro
23/8/1816 – Padre Manoel da Costa Palmerio
09/03/1838 – Padre Francisco de Brito Guerra
09/10/1839 – Bispo D. João da Purificação Marques Perdigão
16/02/1849 – Padre Manoel José Fernandes
21/05/1854 – Frei Serafim de Catania, italiano Missionário no norte do Brasil
06/10/1859 – Padre Francisco Justino Pereira de Brito
15/10/1859 – Padre Manoel José Fernandes
16/05/1863 – Padre Agostinho Álvares Afonso, cearense
26/11/1885 – Padre Pedro Soares de Freitas
29/8/1902 - Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques
02/08/1920 – Dom Antonio dos Santos, 2º bispo de Natal

CAPELAS DAS COMUNIDADES RURAIS

Acapela de São Francisco do SÍTIO São Francisco foi iniciada em 16 de setembro de 2001, quando as pessoas de Pedro de Freitas Cavalcante (Pedro Benigno) e Manoel Domingos ,,,,,,,, fizeram a doação do terreno: Vicente de Freitas Neto e Vicente de Pedro Terlécio A planta foi de autoria do senhor Dionísio, que também foi o pedreiro da obra. O material da construção foi doada pelo padre Theodoro e a Construção foi feita por pessoas da própria comunidade e a benção ocorreu aconteceu no dia 4 de outubro de 2003.
O sitio São Francisco foi fundado em 1932 pelo senhor Pedro Benigno e Manuem Domingos Torres
ALGUMAS COISAS DA DAQUELA COMUNIDADE
AGÚA – 20/7/2002
LUZ – 22*/6/200
ORELHÃO – 4/9/200ESCOLA 1992
CLUBE 3/10/2001
GRUPO DE JOVEM – 022/6/2000

No dia 15 de novembro de 1987 foi fundada a Igreja Beletl Brasileira sediada em Apodi, que chegou nesta cidade através da evangélica Salete Costa, sendo a primeira fundadora da igreja
CENTRO SOCIAL BOM SAMARITANO – Ação e Cidadania da Assembléia de Deus de Apodi
Rua 1º de Maio, s/nº - Lagoa Seca
Fundado em 13 de junho de 1998

LEGIÃO DE MARIA DE APODI – 1976
Presídium nossa senhora mãe Rainha –
Fundado em 18 de janeiro de 1997
GRUJAP – GRUPO DE JOVENS AMADOS DA PAZ
Fundado em 18 de outubro de 1983
PADRES QUE JÁ PASSARAM PELA PARÓQUIA DE APODI
De 1763 a 1852
Padre João da Cunha Paiva – 1763
Padre José de Jesus Barreto
Frei Antônio da Conceição
Padre Jerônimo Teixeira Ribeiro
Padre José Monteiro de Brito
Padre Francisco Xavier dos Santos
Padre José dos Santos Costa
Padre José dos Santos Nicola
Padre José Soares de Filgueira da Fonseca
Padre Manoel Correa Calheiros Pessoa – 1785 - 1808
Padre João da Conceição Correa
Padre João Rodrigues Correa
Padre Joaquim José Pereira
Padre Lourenço Xavier de Souza Carvalho
Padre Vicente de Santa Eufrásia
Padre Francisco Gomes da Rocha
Padre João Feliz de Santa Tereza
Padre Francisco Telles de Menezes
Padre Antonio Manoel de Souza
Padre Joaquim José de S. Anna
Padre Francisco de Santa Tereza
Padre João Manoel Machado
Padre Antonio Pinto da Cruz
Padre Faustino Gomes de Oliveira
Padre Francisco SERAFIM DE Assis
Padre Manoel Joaquim Pereira
Padre Pedro da Silva Lisboa
Padre Francisco da Costa Seixas
Padre Manuel Nunes Ferreira
Padre José Joaquim Borges Uchoa
Padre José Montes de Bulhões
Padre José Ferreira da Mota
Padre Chistovam de Holanda Cavalcante
Padre Bento Antonio Fernandes
Padre Manoel Esteves do Nascimento
Padre Pedro Leite Pinto
Padre Gonçalo Borges de Andrade
Padre Philipe José Pessoa
Padre Francisco Longino Guilherme de Melo
Padre João Chrisostomo de Oliveira Pinto Brasil
Padre Silvério Bezerra de Menezes
Padre José Ferreira do Rego Leite
Padre Pedro Tavares da Silva
Padre Florêncio Gomes de Oliveira
Padre João Crisostomo de Paiva Torres.

DE 1852 A 1901
Padre João Urbano de Oliveira
Padre Lino Deodato Rodrigues de Carvalho
Padre Manoel José Rodrigues da Silva
Padre Joaquim Manoel de Oliveira Costa
Padre Antonio Joaquim Rodrigues
Padre Leonardo de Freitas Costa
Padre Joaquim da Cunha Cavalcante
Padre Esteliano Xavier Bezerra
Padre Clementino José Fernandes
Padre Pedro Soares de Freitas
Padre Luiz Marinho de Freitas
Padre Vicente Giffpni
Padre Patrício Leonardo da Costa Cardoso
Padre Francisco Xavier Cabral
Padre Manoel Fernandes Pimenta
Padre Manoel Gonçalves da Fonte
Padre José Ferreira Nobre
Padre João Gualberto Ribeiro Pessoa
Padre Antonio José Machado
Padre Virgílio Rodrigues da Silva Campelo
Padre João de São João Capistrano
Padre João Monteiro de Brito
Padre Antonio da Silva Camello Pessoa
Padre Antonio Francisco da Silva GUSMÃO
Padre Manoel Vieira da Silva
Padre João Francisco Fernandes Pimenta
Padre Sebastião Joaquim da Cunha
Padre Manoel Teixeira da Fonseca
Padre Joaquim Nunes Vieira
Padre Francisco Correa de Menezes
Padre David Martins Gomes Delgado Freire
Padre Luiz José
Padre Joaquim Nunes Nogueira
Padre Joaquim de Paula Galvão
Padre Philipps Antonio de Gusmão Melo
Padre Joaquim José da Costa Caldas
Padre Noberto Madeira de Barros
Padre Francisco Antonio Lumachi de Melo
Padre José Antonio da Silva Pinto
Padre Cosme Damião Fernandes Pimenta
Padre Francisco Mendes Linhares
Padre Pedro José de Queiroz e Sá
Pedro Joaquim Gomes
Padre Ambrósio Rodrigues Machado e Silva
Padre Vitor Antonio de Freitas
Padre Manoel Bezerra Cavalcante
Padre Antonio Pimentel
Padre Estevam José da Costa Parambela
Padre Joaquim Cipriano Bezerra de Melo
Padre João Herculano da Silva
Padre Francisco de Menezes
Padre Luiz Ferreira da Fonseca
Padre Bernardino José da Rocha
Padre Braz de Melo Muniz
Padre José Pereira da Ponte
Padre Antonio de Souto-Maior Menezes
Padre Manoel Barroso
Padre José Moreira da Silva
Padre Gonçalo Bezerra de Brito
Padre Manoel Joaquim

DE 1902 A 2007

Padre Antonio Dias da Cunha
Padre Aristides Ferreira da Cruz
Padre Joaquim Manoel de Oliveira
Padre Manoel Nunes da Silva Cartaxo
Padre José Paulo Monteiro de Lima
Padre Abdon Odilon Melibeu de Lima
Padre Moisés Ferreira do Nascimento
Padre Leôncio Fernandes da Costa
Padre Elesbão Gurgel
Padre Lúcio Gambara – 1903 - 1906
Padre José Neves de Sá – 1907 – 1911
Padre Mizael de Carvalho – 1912 – 1914
Padre Esmerino Gomes – 1914 – 1916
Padre Benedito Basílio Alves – 1916 – 1928
Padre Furtunato Alves – 1929 – 1930
Padre José Gregório Júnior – 1931
Padre Natanael de Medeiros – 1932
Padre Raimundo Leão – 1933
Padre Benedito Sabóia – 1935/1936
Padre José Wagner – 1936
Padre Ismar Fernandes de Queiroz – 1951
Padre José Aires Neto – 1952
Padre Ismar Fernandes de Queiroz – 1953 – 1954
Padre José do Vale – 1955 – 1958
Padre José Sauer – 1958
Padre Militino Leite Cunha – 1958
Padre Flávio Jerônimo do Nascimento – 1959
Padre Militino Leite da Cunha– 1959
Padre Hamilcar Mota da Silveira – 1960/1964
Padre Adriano Hoogeboom s.c.j, - 1964 – 1965
Padre Manoel Balbino da Silva – 1965
Padre Pedro Neefs s.c.j – 1965/1969
Padre Andréas Alfhons Marie Demartelaire –
Padre Manoel Balbino da Silva – 1973
Padre Felipe Werter s.c.j – 1974 / 1977
Padre Cornélio Overgaag s.c.j – 1977
Padre Theodorus Johannes s.c.j - 22 de agosto de 1983

BIOGRAFIAS DE VÁRIOS PADRES QUE PASSARAM PELA PARÓQUIA DE APODI

PADRE MANOEL CORREIA CALHEIROS PESSOA, natural da Freguesia de Boa Vista do Recife, nascido em 6 de outubro de 1728 e falecido em Apodi no dia 13 de agosto de 18008. Foi sepultado na Capela de Santa Luzia na cidade de Mossoró. Foi nomeado Cura da Freguesia do Apodi no ano de 1885, permanecendo até 1808.

PADRE JOSÉ FERREIRADA MOTA, natural de Apodi.

PADRE ANTONIO DIAS CUNHA, natural de Martins, nascido em 15 de abril de 1825 e falecido em Apodi no dia 10 de julho de 1908, filho de Francisco Maximiminiano da Cunha e de Vicência Maria da Conceição. No seu paroquiano em Apodi ficou bem conhecida a questão de 1871 com o povo de Caraúbas, por motivo de sua insistência em não consentir a volta da imagem de São Miguel, que pertencia à matriz de Caraúbas, e que na matriz de Apodi se encontrava de modo provisório, havendo do padre Dias desobediência ao mandato do Vigário Capitular de Olinda, Cônego João Crisostimo de Paiva Torre.
Em 1900 deixou o governo da paróquia, por motivo de saúde, porém, ficou residindo em Apodi, tal o seu amor à cidade e ao seu povo, até o seu último dia de vida

PADRE JOSÉ AIRES NETO, natural de Pau dos Ferros, nascido em 28 de outubro de 1918, filho de Tertuliano Aires Primo e Romana Aires, e foi ordenado sacerdote em Martins, em 3 de dezembro de 1944, por Dom João Batista Portocarreiro Costa (7/7/1904 – 6/1/1958, 3º bispo da diocese de Santa Luzia de Mossoró (1943 – 1953). Foi vigário da Paróquia de S~~ao Miguel do Arcanjo, na cidade de São Miguel, de 1946 a 1951, quando foi transferido para a Paróquia de Apodi, onde esteve apenas nove meses, voltando a exercer novamente as funções de vigário em São Miguel. Faleceu em Natal em 21 de dezembro de 1982.
Obs.: Padre Aires no dia 22 de novembro de 1952 veio até a comunidade de Bom Lugar para dar benção ao local onde foi construída a capela de Nossa Senhora das Graças.

PADRE ISMAR FERNANDES DE QUEIROZ, natural de Pau dos Ferros, mas precisamente no povoado de Mundo Novo, atual cidade de Dr. Severiano Melo no dia 11 de abril de 1915, filho de Cristóvão Colombro de Queiroz e de Basília Fernandes de Queiroz. Cursou o Seminário de São Pedro, em Natal e, posteriormente, o Seminário Maior de Fortaleza, onde concluiu os seus estudos de Teologia. Ordenou-se padre na Catedral de Santa Luzia, em Mossoró, a 27 de abril de 1938, pelo Bispo Dom Jaime de Barros Câmara (3/7/1894 – 18/2/1971), e, aí mesmo, no dia seguinte, celebrou sua primeira. Foi viário da Paróquia de Apodi em dois períodos: em 1951 e de 1953 a 1954, posteriormente foi transferido para a Paróquia de Areia Branca, permanecendo naquela cidade até a sua morte, no dia 29 de março de 1979.

PADRE JOSÉ DO VALE, nasceu no dia 13 de março de 1927 e foi ordenado padre em 21 de fevereiro de 1952 pelo bispo diocesano Dom Eliseu Mendes (18/5/1915 – 2/3/2001). Em 1955 foi designado pela diocese de Santa Luzia para curar na Paróquia de Apodi, curando até o ano de 1958. É o atual pároco da Paróquia de São João Batista. O padre Vale é o primeiro e único pároco da Paróquia de São João Batista, o qual a instalou em 24 de junho de 1968 e nunca foi removido, totalizando atualmente mais de 38 anos


PADRE MILITINO LEITE DA CUNHA, natural de Martins, nascido em 15 de setembro de 1930, filho de Bonifácio Cândido da Cunha e de Márcia Lite da Cunha. Desde de criança já manifestava a sua vocação para a vida sacerdotal. E AASIM, Após a conclusão do curso primário feito no Grupo Escolar Almino Afonso, ingressou no Seminário Santa Terezinha de Mossoró, onde fez o curso ginasial de 1945 a 1950. Os estudos de Filosofia e Teologia foram feitos no Seminário Arquidiciosano de São José, no Rio de Janeiro, no período de 1951 a 1957. Sua ordenação sacerdotal realizou-se ma Matriz de Martins a 8 de dezembro de 1957. Foi oficiante D. Elizeu Simões Medes (18/5/1915 – 2/3/2001), 3º Bispo de Mossoró 91953 – 1959). No mesmo dia celebrou a sua primeira missa solene, na Matriz em que fora batizado. Foi a primeira ceromônia desta natureza em Martins.

MONSENHOR AMILCAR MOTA DA SILVEIRA, natural de Patu, nascido em 3 de outubro de 1933, filho de Pedro Leopoldo da Silveira e de Antonieta Mota da Silveira. Foi ordenado padre mo dia 13 de abril de 1958 pelo Caedeal Traglia. Recebeu o título de Monsehor no ano de 1979.

PADRE FLÁVIO JERÔNIMO DO NASCIMENTO, natural de Mamanguape-PB, nascido em 12 de novembro de 1926 . Estudou nos seminários de Fortaleza-CE, Natal-RN, São Leopoldo-RS e Mossoró-RN. Em Mossorpo ele foi ordenado no ano de 1954, pelo bispo Dom Elizey Simões Mendes. O Clérico concluiu doutorado em direito canônico na ´pPontifícia Universidade Gregoriana de Roma-Itália.
Padre Flavio exerceu vários cargos na diocese de Santa Luzia de Mossoró como o de vice-diretor do Colégio Diocesano, cooperador da Catedral de Pau dos Ferros, pároco de Apodi, Capelão da Igreja de São José, em Mossoró, cooperador da paróquia de São Sebastião em Governador Dix-sept Rosado. Em 7 de dezembro de 1952 candidatou-se para disputar uma Cadeira na Câmara de Apodi, mas não se elegeu, porém, no ano de 1956 assumiu a cadeira de vereador como suplente.
Padre Flávio faleceu às 13 horas do dia 2 de março de 2005, em Natal. O velório do sacerdote aconteceu no dia seguinte na Catedral de Santa Luzia, às 7 horas e o sepultamento registrou-se às 17 horas no Cemitério Público São João Batista, em Mossoró.

PADRE MANOEL BALBINO DA SILVA, nasceu na Colônia Leopoldina em Alagoas no dia 6 de março de 1920, conforme consta na sua certidão de Serviço Militar. Era filho de Balbino José da Costa e de Joana Maria da Conceição. Batizou-se aos oito anos de idade na sua cidade natal, na capela de São Bernardo aos 6 de novembro de 1920, pelo Reverendo Padre Francisco Geraldo, sendo seus padrinhos, Vespasiano José da Costa e Maria Rosa da Conceição. Perdeu seus pais aos 9 anos de idade; foi adotado por seus padrinhos que o encaminharam para a escola, como também o incentivaram a entrar na vida religiosa.
Media 1.51 (um metro e cinqüenta e um de altura), tinha cor branca, olhos castanhos, cabelos lisos e personalidade forte. Foi isento do Serviço Militar por desenvolvimento físico insuficiente – falta de altura regulamentar.
Foi incorporado por votos religiosos na Congregação dos Sacerdotes do Sagrado Coração de Jesus, no dia 3 de dezembro de 1943, gozando de todos os direitos da entidade. Dando continuidade aos seus estudos, com a graça do estado Sacerdotal.
O ex-pároco da cidade de Itaú e demais cidades vizinhas, bem como: Severiano Melo, Rodolfo Fernandes e os povoados de Santo Antônio, Malhada Vermelha e Boa Vista. Chegou no Itaú no dia 13 de fevereiro de 1965, onde curou durante 26 anos, vindo a falecer em 6 de março de 1990 na cidade do Recife.
O grande amor que mantém aceso da caridade nos corações dos santos e dos apóstolos, foi uma das características do humilde e pastor e servo de Deus – Padre Manoel Balbino, reconhecida por estas comunidades que por tanto anos, ou seja, 26 anos caminharam sempre juntos.

Padre PEDRO NEEF S.C.J, natural de Breda, Holanda, nascido em 3 de fevereiro de 1929. Ordenado em 1º de novembro de 1957 em Recife-PE. Foi pároco de Apodi e desde 5 de agosto de 1979 vem curando na Paróquia de Santana na cidade de Campo Grande.

PADRE ANDREAS ALFHONS MARIE DEMARTELAIRE, natural da Holanda, no período de 1970 a 1972 exerceu a função de vigário da Paróquia de Apodi. Posteriormente deixou a batina ao se casar-se com a jovem Gilva Maia Martins, passando a residir na cidade de Itaú, e ali residindo até a sua morte registrada em abril de 2006.

PADRE THEODORUS JOHANNES s.c.j natural de Helmonmd, Holanda, no dia 28 de novembro de 1934. Ele descobriu, na infância, sua vocação para o sacerdócio católico. Toda a sua formação foi na Holanda. Aos 12 anos, houve o primeiro contato com dogmas e influências filosóficas da cidade de Bergen op Zoon, onde estudou quatro anos. Fez o noviciado durante um ano na cidade de Asten, e começou a estudar Filosofia em Liesbosh, anos depois.
Estudou Teologia em Nijmegen, sendo ordenado padre em 1960. Começava api sua vida sacerdotal. Seguiu para Amsterdã, capital holandesa, onde passou um ano atuando como uma espécie de estagiário. Voltou para o seminário de sua cidade natal, agora como professor de Francês, Latim e Religião.
Também foi nomeado prefeito de Disciplina. Exerceu o cargo até 1964, quando foi designado como padre auxiliar da Paróquia de Rips, cidade de 1.500 habitantes na época. Foi transferido em seguida para a Paróquia de Boekel. Lá, permaneceu até 1976. Um ano antes veio visitar um irmão no Brasil. A viagem mudou sua vida. Apaixonou-se pelo País.
Naquele mesmo ano, em conversa com o então vigário de Campo Grande, seu conterrâneo Padre Pedro Nees (3/2/1929), demonstrou interesse em exercer o ministério sacerdotal em terras brasileiras. Pediu-lhe que, tão logo surgisse uma vaga na região, lhe comunicasse. Voltou para a Holanda e, em junho de 1977, chegou ao Brasil, Recife-PE foi a cidade escolhida para a sua adaptação ao clima e ao idioma. Permaneceu lá quatro quatro meses.
Foi transferido para Fortaleza-CE, onde morou de 1977 a 1983, ano em que foi transferido para Apodi. Padre Theodoro tomou posse na Paróquia de Nossa Senhora da Conceição e São João Batista, em Apodo, no dia 22 de agosto de 1983, substituindo o Padre Cornélio Overgaag, iniciando desde logo um processo de transformação do catolicismo na cidade, desenvolvendo uma série de trabalhos no município.
Com auxílio de amigos e conventos da Holanda, construiu seis capelas – duas na cidade – São José, no bairro do IPE e Nossa Senhora de Fátima, no bairro Bico Torto. Na zona rural foram erguidas capelas nos seguintes sítios: ESTREITO, em 1/5/1993, Baixa Fechada (8/2/2004), São Francisco (4/10/2003) Assentamento Moacir Lucena; três centros comunitários e três fábricas comunitárias. Quando foi empossado na paróquia de Apodi, a cidade tinha apenas um grupo de jovens. Hoje são mais de cinqüenta. O sacerdote sempre exerceu um importante papel social em Apodi, ajudando a população.
O padre Theodoro um sacerdote holandês apaixonado pelo Nordeste brasileiro, o qual conquistou a região Oeste Potiguar com postura serena e o senso de bondade. Chegou no Brasil no ano de 1977, a partir daí, construiu uma legião de amigos e administradores.
PADRES APODIENSES
TARCÍSIO PEREIRA DA SILVA, nascido em 2 de março de 1953, filçho de João Pereirta da Silva. poi ordenado em 1º de julho de 1997. Começou como auxiliar da paróquia de Campo Grande em 1º de novembro de 1997
DOM JOSÉ FREIRE
ASSEMBLEIA DE DEUS DE APODI
Rua 1º de Maio, s/nº - Lagoa Seca
A igreja foi construída pelo pastor FRANCISCO FELIX DA SILV e inaugurada no dia 20 de novembro de 1963, localizada na Rua 1º de Maio, nº 201, no bairro Lagoa Seca.
CONGREGAÇÃO PRESBITERIANA DE APODI
Foi construída pelo pastor Emanuel Borges de Medeiros, iniciada a 17 de janeiro de 1998 e inaugurada a 19 de dezembro de 1999

quarta-feira, 18 de março de 2009

SIMBOLOS


CRIAÇÃO DA BANDEIRA E DO ESCUDO MUNICIPAL DE APODI

LEI MUNICIPAL Nº 44, DE 16 DE AGOSTO DE 1982
Cria Bandeira e Escudo Municipais.

O PREFEITO MUNICIPAL DE APODI; Faço saber que o Poder Legislativo aprovou e Eu sanciono a seguinte LEI:

Art. 1º - Ficam criados a Bandeira e o Escudo do Município de Apodi, Estado do Rio Grande do Norte, com as seguintes características e constituições:
a) Bandeira: um Retângulo, tendo sua largura três quatros do seu comprimento, onde aparecem três Flexas verticais nas cores Verde junto ao Mastro, Branca no centro e Amarela na ponta, todas de iguais larguras, simbolizando as usadas pelos índios em seus instrumentos e indumentárias, e também as cores Nacionais, incrustando-se no centro da cor Branca e Escudo Municipal, com proporções de oito por sete de altura e largura, respectivamente.
b) ESCUDO ou BRASÃO, com proporções de oito por sete de altura e largura respectivamente, com uma configuração Oval, graficamente representado por dois Arcos em pé, três flexas em formato de cruz, sendo uma em pé e duas horizontais e confrontados, e uma Lança em posição vertical, com a ponta para baixo e em sentido de cor Amarela, passando pelo centro da cruz. No centro desta cruz, um papel em forma de Pergaminho, incrustando-se no seu centro os nomes, pela ordem, de cima para baixo, “Poty”, “Pody”, “Apodi”. Logo abaixo do Escudo, completando-o, duas mãos até a metade dos antes-braços, em aperto amigável, sendo a que vem do lado do Mastro. Em disposição fronteiriça.
c) No Escudo aparecem as cores:Amarela, o Pergaminho e as Hastes das flexas e dos Arcos; Verde, os Penachos das Flexas; Preto, a Lança, os nomes e os contornos das Armas índigeneas, do Pergaminho e das mãos, e das cordas dos Arcos; as mãos dadas e os ante-braços, da cor da raça branca.
d) As Armas indígenas que aparecem no Escudo caracterizam os primitivos habitantes que dominavam a Região; a cruz lembra a presença dos Jesuítas na catequese dos selvagens e o desenvolvimento econômico e sócio-cultural da terra; o papel em forma de pergaminho registra a concessão de Sesmarias feitas pelos irmãos Manoel Nogueira Ferreira e João Nogueira, descrevendo, também, o nome “Apodi”, derivação originária de ‘”Poty”’ ou “Pody”, Camarão, por causa da tribos de Paiacus, dominantes da área do Município; as mãos dadas representam o esforço simultâneo dos irmãos Nogueira, primeiros povoadores da Região, dedicados ao cultivo da terra e a criação de gado que, auxiliados pelos padres Jesuítas conseguiram dar os primeiros passos ao desenvolvimento do território conquistado.
Art. 2º A Bandeira e o Escudo Municipais, criados no artigo anterior, bem como o Hino do Apodi, com letras e música de autoria de José Martins Vasconcelos, constituem os Símbolos do Município de Apodi, usados de acordo com a permissividade das leis constitucionais do País.
Art. 3º - Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.
Gabinete do Prefeito Municipal de Apodi, em 16 de agosto de 1982, 159º da Independência e 92º da República.

VALDEMIRO PEDRO VIANA – Prefeito
Gilvan Viana de Souza – Secretário
BANDEIRA
Bandeira: um Retângulo, tendo sua largura três quatros do seu comprimento, onde aparecem três Flexas verticais nas cores Verde junto ao Mastro, Branca no centro e Amarela na ponta, todas de iguais larguras, simbolizando as usadas pelos índios em seus instrumentos e indumentárias, e também as cores Nacionais, incrustando-se no centro da cor Branca e Escudo Municipal, com proporções de oito por sete de altura e largura, respectivamente.

BRASÃO MUNICIPAL


BRASÃO, com proporções de oito por sete de altura e largura respectivamente, com uma configuração Oval, graficamente representado por dois Arcos em pé, três flexas em formato de cruz, sendo uma em pé e duas horizontais e confrontados, e uma Lança em posição vertical, com a ponta para baixo e em sentido de cor Amarela, passando pelo centro da cruz. No centro desta cruz, um papel em forma de Pergaminho, incrustando-se no seu centro os nomes, pela ordem, de cima para baixo, “Poty”, “Pody”, “Apodi”. Logo abaixo do Escudo, completando-o, duas mãos até a metade dos antes-braços, em aperto amigável, sendo a que vem do lado do Mastro. Em disposição fronteiriça.

HINO
No dia 3 de março de 1914, o professor Lourenço Gurgel de Oliveira, natural de Caraúbas (8/1/1876), filho de José Gurgel do Amaral e Oliveira e de Isabel Alexandrina de Oliveira, então diretpor do Grupo Escolar “Ferreira Pinto”, na cidade do Apodi, expede a Portaria de nº 22, adotando oficialmente o Hino Municipal do Apodi, com letra e música de autoria do apodiense José Martins de Vasconcelos (11/11/1874 – 1960)

Nestas plagas de campo ardentes
Onde o sol tem mais brilho e calor,
Vive um povo de heróis e valentes
Que não temem da vida o labor

Salve terra querida e pujante,
Salve filha do vasto sertão.
Que o progresso de cinja e levante
Na vanguarda da grande nação!

Apodi, Apodi, pátria amada
Como é lindo o luar que a prateia,
E a gigante lagoa adornada
De verduras que a margem rodeia

Salve terra querida e pujante,
Salve filha do vasto sertão.
Que o progresso de cinja e levante
Na vanguarda da grande nação!

Itaú teu herói legendário,
Vibra em nós como um eco acordado
A ternura sem par de um erário
De mil glórias que vamos herdando.

Salve terra querida e pujante,
Salve filha do vasto sertão.
Que o progresso te cinja e levante
Na vanguarda da grande nação
!

terça-feira, 17 de março de 2009

ESPORTE APODIENSE

HISTÓRIA DO FUTEBOL APODIENSE
O primeiro estádio de futebol de Apodi cercado com muro de tijolos foi construído No ano de 1952, e pertencia ao Centro Esportivo Apodiense, fundado em 14 de julho de 1952. Por falta de zelo e conservação, as paredes do estádio ruíram e o material (tijolos) sumiu do local. “Em 17 de junho de 1967 a FUNDAVEP-Fundação para o Desenvolvimento do Vale do Apodi, entidade fundada em1967, com o apoio da comunidade, construiu um novo estádio que tomou nome de Estádio Antônio Lopes Filho”, localizado na Rua Adrião Bezerra, bairro de Lagoa Seca, inaugurado a 16 DE JULHO DE 1967. Posteriormente, com a colaboração da Prefeitura Municipal de Apodi, na gestão de Simão Nogueira Neto, foram colocadas no estádio a grama, a iluminação, o alambrado e parte da arquibancada, porém. Não é digno para o porte de nossa cidade, perdendo para os estádios de pequeninhas cidades, como por exemplo: ANTONIO MARTINS e FELIPE GUERRA
Conforme o nosso saudoso historiador Walter Guerra, o futebol em Apodi surgiu no final da década de 1920. Não havia nenhuma organização. Os times eram improvisados para realizações de peladas. Somente em 14 de julho de 1952, o saudoso Robson Lopes fundou a primeira equipe de futebol de Apodi, estou me referindo ao Centro Esportivo Apodiense. No ano de 1959 foi realizado o primeiro campeonato de futebol na cidade de Apodi, com a participação de apenas três equipes: CENTRO ESPORTIVO APODIENSE,APODI FUTEBOL CLUBE e MOTO CLUBE. Este campeonato não chegou a seu final, devido que a seleção de Apodi foi participar de um pentagonal promovido pela Liga Desportiva Mossoroense, envolvendo as cidades de Mossoró, Apodi, Areia Branca, Assu e Martins. NÃO houve decisão entre as duas seleções. A LDM impôs que os jogos fossem realizados no estádio do Benjamim Constant na cidade de Mossoró, com que os diretores de Apodi não concordaram. Com a desistência da Seleção de Apodi, a Seleção de Mossoró foi considerada a campeã. Somente em 1967 foi realizado outro campeonato, desta, desta vez com três equipes da cidade: CENTRO ESPORTIVO APODIENSE, APODI FUTEBOL CLUBE e GRÊMIO ESPORTE CLUBE do povoado de Soledade, PALMEIRAS FUTEBOL CLUBE. Sagrou-se campeão, enquanto, o CENTRO ESPORTIVO, conquistou a segunda colocação e GRÊMIO ESPORTE CLUBE, a terceira posição.
A distância de um campeonato a outro, mostra o grande atraso do futebol apodiense, que infelizmente nunca participou de um campeonato estadual, promovido pela FNF, apenas participou por uma única vez, do Campeonato Estadual Sub 20, no ano de 2005. Apodi no que diz respeito de futebol profissional perde para cidades menores, como Pau dos Ferros, Areia Branca, Macau e Pau dos Ferros. A falta de apoio, ausência de renda, desinteresse do poderes Executivo e Legislativo, como também do próprio atleta, como também, do torcedor, a cidade de Apodi continua totalmente fora do futebol.
Em 11/12/1999 a seleção de Apodi conquista a Copa Oeste, promovida pela Liga Desportiva Apodiense, vencendo o Alto Esporte de Caraúbas, por 4x2, depôs de empatar no tempo normal em 3x3, e na prorrogação, 0x0. AABB - Apodi - Futebol de salão - Vice campeão do Brasil - 1979
AABB-Associação Atlética Banco do Brasil de Apodi (fundada a 18 de maio de 1976) no ano de 1979 conquistou um título inédito para o futebol de salão do Rio Grande do Norte, foi vice-campeão do Brasil. Em pé: Barros Neto, Lavôr, Fernando, Edivan, Luiz Anselmo, Wilson.Agachados: Agamenon, Gilson Couto, Junôt, Marcos Pitôco, João Caminhão. Conforme ver-se na foto acima e pela identificação dos atletas da AABB, nenhum apodiense fez parte dessa equipe, isto é, de meu conhecimento, porém, o importante foi o nome do Apodi em âmbito nacional
Somente no ano de 2007 foi que a cidade de Apodi participou pela primeira de um campeonato estadual de segunda divisão, promovida pela FNF, conquistando a 3º colocação. O Apodi Esporte Clube estreou na competição no dia 18 de julho de 2007, jogando contra o Potiguar de Currais Novos, empatando pelo placar de 0x0, jogo realizado no Estádio Coronel José Bezerra. Em 22 de julho de 2007 venceu a Seleção de Upanema por 3x1, partida realizada na cidade de Upanema; em 25 de julho o Apodi perdeu por 2x0, para o Cruzeiro, jogo realizado na cidade de Macaíba. No dia 27 de julho o Apodi empatou em 0x0 com o Mossoró esporte Clube, jogando no Estádio Antonio Lopes Filho; e encerrando sua participação na competição, derrotou o Parnamirim pelo placar de 2x0, jogo realizado a 01 de agosto, em Apodi.
O Apodi Esporte Clube, presidido pelo empresário José Maria da Silva e dirigido pelo treinador Francisco Gama conquistou 8 pontos, em cinco jogos, marcou cinco gols e sofreu três, apresentando um saldo de dois gols positivos
Em 2008, infelizmente o Apodi , por falta de condição financeira não participou do campeonato estadual. É uma vergonha para a cidade de Apodi de nunca ter participado de um campeonato estadual da primeira divisão do futebol norte-rio-grandense, perdendo para cidades menores, como: Areia Branca, Pau dos Ferros, Jardim de Piranhas e Pendências. O que falta ao futebol apodiense, é o mesmo que acontece na cultura, ambas tão importantes para o desenvolvimento de uma comunidade, porém, não recebe apoio da Prefeitura Municipal de Apodi. UM POVO SEM CULTURA É UM POVO SEM IDENTIDADE. A sociedade apodiense tem que reagir a favor de nossa cultura, fazendo movimento e exigindo que as verbas existentes para a cultura, se não buscadas por nossos políticos, que eles busquem, e se recebe, que não sejam desviados para outras áreas ou para si mesmos. Elas existem em montão, se não são requeridas, com certeza, por pura burrice de nossos legítimos representantes; se recebem e são desviadas, falta de competência uma sociedade organizada que fiscalize rigorosamente o dinheiro público. É DEVER DO ELEITOR DE VOTAR, PORÉM, É DIREITO DELE DE FISCALIZAR O DINHEIRO PÚBLICO PARA NÃO SER EMBOLSADO POR UMA PEQUENA QUANTIDADE DE GENTE QUE DA NOITE POR DIA FICAM SUPER RICOS, COM CARROS NOVOS, MANSÕES, FAZENDAS, APARTAMENTOS NA CAPITAL E MUITA FESTA. RECENTEMENTE O JORNAL NACIONAL MOSTROU UM CONGRESSO DE VEREADORES NO RIO GRANDE DO SUL, ONDE UM VEREADOR QUE NÃO ESTAVA FAZENDO PALESTRA E SIM, NA PRAIA, E SEM SABER QUE ESTAVA SENDO FILMADO PASSOU A GOZAR DOS ELEITORES DE SUA CIDADE, OS CHAMANDO DE OTÁRIOS.
APODI ESPORTE CLUBE
O APODI ESPORTE CLUBE, antigo AVAP, posteriormente, UNIVAP foi fundado no dia 13 de junho de 1983, que teve como primeiro presidente o comerciante Mário Marinho da Mota
A LDA-Liga Desportiva Apodiense foi fundada a 10 de novembro de 1985

segunda-feira, 9 de março de 2009

HISTÓRIA DO MUNICÍPIO DE APODI - Inédita

//////////





CLXXIV ANIVERSÁRIO DE APODI
Meu querido e amado Apodi completa 174 anos de emancipação política (XXIII - III - MDCCCXXXV - XXIII - III - MMIX).Não sou apodiense, porém, infelizmente aprendi a gostar tanta desta querida e amada terra. Falo infelizmente, e tenho meus motivos, PORQUE QUEM AMA, NÃO TRAI, NEM FICA SE APROVEITANDO FINANCEIRAMENTE, daí as razões de não ter conseguido um bom patrimônio, as custas do povo apodiense, como fez muitos forasteiros que aqui chegou e recebeu total apoio de quem de direito, diferentemente deste otário, que nunca quis receber um só centavo dos cofres da prefeitura, nem de nenhum apodiense, pelo contrário, aqui e acolá procuro a ajudar alguém de Apodi. Oportunidade não faltou, aqui exerci as funções de policial militar, escrivão ad-hoc de polícia, delegado de polícia, comandante do Destacamento Policial Militar, do Pelotão PM e Tesoureiro da Companhia de Polícia Militar, e felizmente nunca procurei desviar um centavo, pelo contrário, na época em que exerci o cargo de delegado de polícia, em 1989, por apenas oito meses, paguei caro para exercer tal função, não por falta de competência, e sim, pelo simples motivo de não aceitar nenhuma intervenção política na Delegacia de Polícia, daí nunca recebi da Prefeitura um centavo de gratificação. Porém, hoje posso gritar bem alto que fiz meu trabalho, do próprio pulso, cumprindo tão somente as leis aprovadas pelo PODER LEGISLATIVO e sancionadas pelo PODER EXECUTIVO, com elogios das autoridades judiciárias e do povo apodiense.






A seguir você vai conhecer um pouco da história política-administrativa de Apodi com fatos inéditos, como por exemplo: OS ADMINISTRADORES DE APODI NO PERÍODO DE 1835 A 1929, nunca dissecado por nenhum pesquisador apodiense. Pago caro se qualquer apodiense conseguir algum livro contendo a relação dos prefeitos nesse período, cujo resultado se deu de um documento conseguido por este pesquisador no IHGRN e de um livro de ATAS do Dr. Marcos Pinto, datado de 1850, aonde nele, através das atas pude conseguir completar (talvez) a relação dos prefeitos de Apodi, tendo em vista que nas atas sempre constava a presença do presidente da Câmara Municipal de Apodi. Confira





FUNDAÇÃO
Fundado em 19 de abril de 1680 por Manuel Nogueira Ferreira (15/5/1655 – 17/1/1715), quando o capitão-mor Geral de SUNY concedia aos irmãos Manoel e João Ferreira, as sesmarias, confirmadas pelo Governador Geral da Bahia, Roque da Costa Barreto, em 12 de fevereiro de 1682, e elevado à categoria de município em 23 de março de 1835 e instalado a 9 de outubro de 1835 e de cidade em 5 de março de 1887, pela Lei Provincial nº 988. Porém, antes já era sede de comarca, criada pela Lei Provincial nº 765, de 15 de setembro de 1875. É um município próspero e com vocação para desenvolvimento com o seu vale e sua rica chapada, o município de Apodi tem excelentes potencialidades agrícolas, culturais e turísticas.. A barragem de Santa Cruz e o lajedo de Soledade são as grandes referências do município e consciente dessa dimensão o governo municipal tem todo um conjunto de metas que viabilizarão o progresso ordenado e voltado para o bem estar-social.





APODI, ORIGEM E
CONTEMPORANEIDADE

MANOEL Ferreira Nobre, primeiro pesquisador do Estado do Rio Grande do Norte, na sua Breve Noticia, pág. 112 – 114, afirmava, em 1877, que “Alonso de Hojeda, acompanhado de Américo Vespucio e de João de La Cora, chegou a uma das Rocas do Rio Apodi, no dia 24 de junho de 1429, em virtude do que tomou o território o nome de – Missão de São João Batista do Apody. Apesar da resistência dos índios, o explorador Hojeda fundou os primeiros estabelecimentos da povoação. Em 1749, veio o capuchinho Frei Fidelis, verdadeiro apostolo, que, depois de catequizar os índios, levantou os marcos da civilização intelectual e material”.
Com esta opinião concorda Manoel Antonio Coriolano (almanaque do Rio Grande do Norte, 1895, e nas notas publicadas no Relatório do Governo. 1905) e Nonato Mota (Revista do Instituto, volume XVIII, pág. 45) parece admiti-la também.
“Coriolano, porém, vai mais adiante, apoiado na tradição, isto é, diz que ‘FREI FIDELIS”, capuchinho italiano, catequizou, em 1538, os índios payanazes, da grande raça tupy, e que, em 1580, o Missionário Frei Ângelo, o capuchinho, edificou a Igreja.
Contestam essa tradição, por inverossímil (que não parece verdadeiro, pouco provável), Antonio Bezerra de Menezes (Revista Trimensal do Instituto do Ceará, ano XV. 3º e 4º trimestres, pág. 183) e o coronel Elias Antonio Ferreira Souto (Assu, 25/11/1848 – Natal, 17/5/1906), (em notas que deixou a respeito, e publicou no Diário de Natal, em 1905).
As alegações destes últimos se fundam: 1º em que era impossível aos ditos exploradores terem, em 1499, subido o curso do rio Apodi, ou Jaguaribe, como era conhecido o rio Apody, nos mapas antigos; 2º que, só no ano seguinte, (1500), é que Pedro Álvares Cabral descobriu a nova terra; em 1530, Duarte Coelho fundou Iguarassú; João Tavares, em 1581, o presídio da Ilha da Gambôa (Parahyba) e Manuel Mascarenhas Homem, em 1598, explorou o Rio Grande do Norte, e não podia em 1538, Frei Fidelis ter catequizado os payanazes, nem Frei Ângelo, em 1580, portanto, só em 1710, chegaram ao Brasil capuchinhos que vieram substituir na catequese os padres franceses, cumprindo notar que, só em 1549, chegaram à nova terra os primeiros padres Jesuítas, em companhia de Thomé de Souza; 3º os índios não eram payanazes, mas, tapuyos da tribu dos payacús, consoante as datas de sesmaria; 4º que há engano quanto à missão de São João Batista do Apody, porque antes dela, houve a do Assu, que foi a primeira ao norte, a qual se seguiu a de Port’Alegre e só por fim a do Apodi.
Além da impossibilidade material de transporem o rio, quer nas enchentes do inverno, quer nas marés que só chegavam até Santa Luzia, hoje, cidade de Mossoró, era totalmente impossível, concluem os opositores, que os exploradores conseguissem penetrar no sertão, primeiramente sem não passar por Mossoró, e segundo, sem não serem dominado então pelo selvagem indomesticável.
Robert Southey, (na sua História do Brasil, trad. Brasileira do dr. Luiz Joaquim de Oliveira Castro e Anoot. do Cônego Fernandes Pinheiro), atribui, porém, que o ponto alagado em que Hojeda, La Cosa e Vespucio tocaram, fica na embocadura do Apody, porque é a esse ponto que correspondem os 5 graus ao sul da latitude equinocial, de que fala o Roteiro dos mesmos exploradores.
Entretanto, Varuhagem, firmado nas informações de Américo Vespúcio, no Diário das Quatro Viagens, afirma que os 5 graus ao sul da linha equacionar correspondem ao delta do rio Assu (Ver. Do nosso Instituto Histórico, vol. 1º, pág. 24).
Como quer que seja, porém, sobre o território do Apodi (nome derivado de Poty, ou Pody, camarão, por causa da tribo que ali dominava, isto é, Potyguares, ou, aliás, da herva-pitum, fumo, que lá era cultivada), o que é indubitável é que, só nas eras de 1670, foi descoberto e colonizado esse território por Manoel Nogueira Ferreira e outros, que requereram ao governo da então Capitania a concessão das sesmarias, declarando que haviam dado seus regastes aos Tapuyos, para os domar, e as queriam provar, ainda com risco de suas próprias vidas e fazendas, pois “eram paragens que nunca os antigos povoaram”.
Obtida do capitão-mor Geraldo de Suny a concessão, a 19 de abril de 1680, confirmada pelo governo geral da Bahia, Roque da Costa Barreto (12 de fevereiro de 1682) começaram os donos dela Manoel Nogueira Ferreira e João Nogueira a explorar as terras situando gados à margem da lagoa Itahum, que significa Pedra preta.
Voltaram eles mais tarde à Capela de Nossa Senhora das Neves (Parahyba), de onde eram naturais, e dali, em 1685, regressaram às suas terras no Podi (ou simplesmente Pody, como chamavam); isto é, Manoel Nogueira, sua mulher D. Maria de Oliveira Corrêa. Seus irmãos João Nogueira e Baltazar Nogueira, com alguns escravos.
Ali se estabeleceram, então, fundando fazendas à margem direita da Lagoa de Itahú (ou Itahum), atual cidade de Itaú e junto a outra lagoa chamada Apanha-Peixe (que hoje pertence ao município de Caraúbas), mais precisamente na divisa entre os dois municípios.
De 1960 a 1698, os Nogueira foram vítimas de assaltos por parte dos Paiacús, que furtavam gados e assaltavam, travando-se lulas sanguinolentas, em uma das quase morreu o bravo Baltazar Nogueira. Abatidos os Nogueira, fugiram para o Jaguaribe, Ceará e queixaram se ao Governador da Bahia. A 17 de novembro de 1698, o ouvidor Marinho, encarregado pelo Governo para este fim, vilou os tapuyos na margem esquerda da Lagoa do Itahú, em um córrego da mesma lagoa, que tomou mais tarde o nome de Córrego das Missões de São João Batista.
Foi Manoel Nogueira Ferreira, donatário das sesmarias nomeado capitão-mor da Ribeira o dito ajudante Manuel Nogueira Ferreira, donatário das sesmarias.
Seguiu-se a cathequitazação dos selvagens pelos religiosos de Santa Tereza o território foi sendo, pouco a pouco, conquistado e explorado.
Após a expansão dos jesuítas e conseqüente localização da catequese, deu-se a criação do aldeamento civil dos índios, por alvará de 1758; todavia, não foi a vila instalada, porque o Juiz de Fóra, dr. Miguel Carlos Caldeia de Pita Castello Branco, natural de Portalegre-Portugal, encarregado desse serviço, resolveu à vista dos pedidos dos moradores do Apody, em 1764, transferiu os índios dali para a Serra da Regente (Porta Alegre-RS) e ali cria a Vila; mas designou para patrimônio da nova Câmara, uma légua em quadro, as margens da lagoa do Apody, a qual fora doada aos índios pelo alvará régio de 23 de novembro de 1700 e confirmada pelo Juiz, Christovam Soares Reymão, em sentença de 3 de março de 1706, atual cidade do Apodi.
Em 3 de fevereiro de 1766 foi criada a Freguesia do Apodi, por Dom Francisco Xavier Aranha, do bospado de Olinda e Pernambuco.
O distrito de Apodi foi criado em 1766.
Só muitos depois, a 11 de abril de 1833, em sessão do Conselho Provincial, sob a presidência de Manoel Lobo de Miranda Henriques, foi criado o município e a vila do Apody, que foi confirmada a criação da Vila do Apodi pela lei provincial nº 23 de 23 de março de 1835, sancionada pelo então presidente Basílio Quaresma Torreão, que foi instalada no dia 9 de outubro de 1935, cuja instalação foi presidida pelo alferes Reinaldo Gaudêncio de Oliveira, vice-presidente da Câmara Municipal de Port’Alegre, os vereadores eleitos;
1 – João Nogueira da Silveira
2 – Padre Francisco Longino Guilherme de Melo
3 – Antonio Francisco de Oliveira
4 – Capitão Lourenço Alves de Oliveira
5 – Joaquim da Cunha Cavalcante, e
6 – João Freire da Silveira

Veja na íntegra o teor da Lei Provincial que elevou a categoria de Vila a Povoação de Apodi
LEI PROVINCIAL Nº 18, DE 23 DE MARÇO DE 1835
Eleva à categoria de Vila o Distrito de Paz do Apody, desmembrada do de Port”Alegre.
Basílio Quaresma, Presidente da Província do Rio Grande do Norte: Faço saber a todos os seus habitantes, que a Assembléia Legislativa Provincial Decretou e eu sanciono a Lei Seguinte.
Art. 1º - Fica desmembrada do município de Port”alegre e elevada a Vila, o Distrito de Paz de Apody
Art 2º - Os seus limites são pelo norte, com o de Mossoró, por uma linha que parte do cimo da Serra do Apody e chega ao sítio Pau do Tapuyo, inclusive, a leste, com o de Caraúbas, pelo riacho e Lagoa Apanha Peixe e riacho das capoeiras; ao sul, com o de Martins, pela fazenda dos Campos e Passagem de Onça, e toda a margem ocidental do Umary, e com o de Port’Alegre, pelo riacho da Gitarana; a oeste, com os de Iracema e Limoeiro (Ceará) pela chapada do Apody, nos lugares Figueiredo e Quebradas.
Mando, por tanto, a todas as autoridades, a quem o conhecimento e execução da referida lei pertencer que a cumpra e faça cumprir tão inteiramente como nela se contém. O Secrettário da Província a faça imprimir, publicar e correr. Cidade do Natal, 23 de março de 1835, décimo quarto da Independência e do Império.
Ass.: Basílio Quaresma Torreão.
OBS.: Projeto de Lei foi do deputado Elias Antonio, criava a vila e município de Apodi.

A sentença, confirmada pela Mesa de Lisboa, a 29 de junho de 1713, assegurou as datas de Manoel Nogueira e seus irmãos, dentro da taxa de três lagoas de comprido por uma de largura, fazendo reserva de uma legoa de terra em quadro, para aldeia dos índios Payacus e Payanazes, na terra da Lagoa do Apody.
Por ordem do Juiz Reymão foi levantado um grande marco triangular à margem da Lagoa do Apody, para divisão das terras dos Nogueiras com as dos Payacus.
A povoação do Oteiro foi então mudada para Córrego das Missões, onde se desenvolveu, aumentou e melhorou sucessivamente, até que foi elevado à vila a 11 de abril de 1833, confirmada pela Lei Provincial nº 18, de 23 de março de 1835.
Houve, no Apody, uma escola de instrução, em 1780, criada pelo vigário Manoel Correia Calheiro Pessoa, e um colégio de latim, em 1783, pelo cônego Joaquim José Pereira.
Só depois da Independência foram criadas as seguintes:
Para o sexo masculino, a lei de 15 de outubro de 1827, criou no Apody uma cadeira primária, que foi provida pelo cidadão Inácio Francisco Dantas (6 de outubro de 1835).
Foi criada também uma cadeira de meninas (lei 309, de 3 de agosto de 1855), para qual foi nomeada por concurso D. Anna Emilia Rosa, esta nossa primeira professora.
A igreja Paroquial do Apody foi sede do Colégio Eleitoral (1860).

A Lei Provincial nº 988, de 5 de março de 1877
elevou Apodi à categoria de cidade.
O coronel Antonio Ferreira Pinto foi o primeiro administrador do Apodi, na condição de cidade, já que antes dele, Apodi era uma Vila. Veja na íntegra o teor da Lei que elevou a categoria de cidade a Vila de Apodi

LEI PROVINCIAL Nº 988, 05 DE MARÇO DE 1887.
Eleva à cathegoria de cidade a Vila de Apody
ANTONIO FRANCISCO PEREIRA DE CARVALHO, bacharel, formado em Ciências Jurídicas e Sociais, pela Faculdade do Recife e Presidente da província do Rio Grande do Norte.
Faço saber a todos os seus habitantes que a Assembléia Legislativa Provincial decretou e eu sancionei a Lei seguinte:
Artigo Único - Fica elevada à cathegoria de Cidade a Vila de Mossoró, conservando a mesma denominação, revogadas as disposições em contrário.
Mando, portanto, a todas as autoridades a quem o conhecimento e execução da referida lei pertencer, que compra e facão cumprir tão inteiramente como nela se contém. O Secretário da Província a faça imprimir, publicar e correr.
O Secretário para Província o faça imprimir, publicar e correr.
Palácio da presidência do Rio Grande do Norte, 5 de março de 1887, 66º da Independência e do Império.
ANTONIO FRANCISCO PEREIRA DE CARVALHO.
Selada e publicada nesta Secretaria da Presidência. 5 de março de 1887. O Secretário PEDRO JORGE DE OLIVEITA PERNAMBUCO.

O povo do Apody aderiu, pelos seus vultos representativos, à resolução de 1817; embora, com a contra resolução, tivesse reconhecido o novo governo realista, razão por que não houve prisões aqui.
Nas campanhas de 1824 e 1832, contra os candidatos Tristão Gonçalves de Alencar Araripe, Coronel Joaquim Pinto Madeira, capitão-mór José Pereira Filgueira, Vigário Antonio Manuel de Souza, José Dantas Rotha e outros, o povo do Apody tomou parte, por seus filhos, major Manoel Fernandes Pimenta, Tenente Manoel José de Oliveira Ferraz, Caetano Gomes de Oliveira e outros.
A guerra do Paraguay forneceu a mocidade valorosa do Apody vários filhos.
A ribeira do Apody pegava desde a Serra Negra (divisa com Piancó, Paraíba), fazia extrema com a do Jaguaribe (Ceará), na serra de São João e na dos Santos Cosme e Damião, segundo o mesmo rumo, até Mossoró, e, para leste, até a Ponta do Mel, onde confinava com o Assu.
Mas, o município tem perdido a maior parte do seu território para ocupar os novos municípios;
1º - Caraúbas, criada pela Lei provincial nº 601, de 5 de março de 1868 e instalado em 27 de janeiro de 1869, que teve como primeiro administrador o padre Luiz Marinho de Freitas
2º - Itaú, criada pela nº 1.026, de 11 de dezembro de 1953, que teve como primeiro prefeito interino, o senhor Luiz Manoel de Oliveira, que o instalou em 11 de dezembro de 1954, constitucional, o saudoso Francisco Holanda Cvalcante (18/11/1918 – 11/5/2008).
3º - Felipe Guerra, criado pela Lei nº 2.926, de 18 de setembro de 1963 e instalado em 25 de outubro de 1964, que teve como primeiro prefeito interino, o Capitão PM José Antonio da Silva,
Estes são todos os filhos do Apodi, porém, o Apodi já tem dois netos, tratam-se de:
Severiano Melo, desmembrado do de Itaú, criado pela Lei nº 2.991, de 3 de dezembro de 1963, instalado em 2 de fevereiro de 1964, que teve como primeiro prefeito o senhor Geraldo de Freitas Melo.
Janduís, desmembrado de Caraúbas, criado pela Lei nº 2.746, de 7 de maio de 1962 e instalado em 15 de junho de 1962, que teve como primeiro prefeito o senhor Lourival Canuto de Araújo, natural de Caraúbas, nascido a 22 de outubro de 1917, filho de José Canuto de Araújo e de Amélia Maria de Queiroz.
Três comunidades rurais de Apodi lutam em prol de conquistar emancipação política, são elas: Soledade, Melancias e Góis.
LOCALIZAÇÃO
O município de Apodi, localizado na Mesorregião do Oeste Potiguar, mas precisamente na Microrregião da CHAPADA DO APODI, com uma área de territorial de 1.555,5 quilômetros quadrados, equivalente a 2,92% do estado do Rio Grande do Norte, com uma população de 31.154 habitantes, apresentando uma densidade demográfica de 20,08 pessoas por quilômetros quadrados. Com 22 mil eleitores e 72 secções eleitorais e 9 vereadores. É sede de Comarca, criada pela Lei Provincial nº 765, de 15 de setembro de 1875 e instalada em 11 de setembro de 1876, pelo Juiz de Direito Dr. Lodolfo Herculano Marinho Falcão, atualmente com duas Varas, a Criminal e a Cível; com duas Promotorias; e uma Zona Eleitoral.
Os apodienses dispõe de um Núcleo de Ensino Superior da UERN, Cartórios Judiciário, Zona Eleitoral, além de: Paróquia, Banda de Música, Biblioteca, Companhia de Polícia Militar, Delegacia de Polícia, Central do Cidadão, Casa de Cultura, Hospital Regional, Maternidade, Emissora AM, emissoras comunitária, um jornal mensal, várias escolas estaduais e municipais e brevemente contará com um CEFET. Como também é cortado pela BR 405 e banhado pelo Rio Apodi/Mossoró, cujo nome certo deveria ser LUÍS GOMES/MOSSORÓ, já que nasce em Luís Gomes, e com foz no município de Mossoró. Isto é, na época, hoje, no de Areia Branca.
Situa-se na região de transição do calcário da formação Jandaira e é cortada no sentido Sul/Norte pelo rio Apodi, tendo como destaque a tradicional Lagoa do Apodi, com quase 13 quilômetros de extensão, onde se localiza o Balneário; e a Barragem de Santa Cruz, construída nas administrações do presidente Fernando Henrique Cardoso e do governador Garibaldi Alves Filho, iniciada em 3 de junho de 1991 e inaugurada em 11 de março de 2002, com capacidade para armazenar cerca de 600 milhões de metros cúbicos d’água, que sangrou pela primeira vez em 8 de fevereiro de 2004, com uma lamina de 30 centímetros.
Em Apodi está localizado o Sítio Arqueológico do Lajedo de Soledade, localizado na Vila de Soledade, a maior constituição rochosa da bacia potiguar e onde processa o maior fluxo turístico do município, para visitação ao Museu e as grutas históricas onde estão as pinturas rupestres com milhares de anos.
CHAPADA DO APODI – RN: Apodi, Baraúna, Felipe Guerra e Governador Dix-sept Rosado. CEARÁ: Alto Santo, Taboleiro do Norte, Limoeiro do Norte, Quixeré e Jaguaruana.
PODER EXECUTIVO
O Poder Executivo nos municípios é exercido pelo Prefeito e o Vice-prefeito, auxiliados pelos Secretários Municipais e Assessores. O prefeito e o vice-prefeito são eleitos pelo mandato de quatro anos, devendo a eleição realizar-se até noventa dias antes do término do mandato, sempre marcada no primeiro domingo do mês de outubro, antes era uma data fixa, ou seja 15 de novembro. Os eleitos tomam posse no dia 1º de janeiro do ano subseqüente à eleição, em sessão solene de instalação do Poder Legislativo, representado nos municípios, pela Câmara Municipal, após a posse dos Vereadores. Assumem o compromisso de defender e cumprir a Constituição Federal, Estadual e a Lei Orgânica do Município.
O Vice-Prefeito substituirá o Prefeito em seus impedimentos ou ausências e suceder-lhe—a em caso de vaga. Havendo impedimento do Prefeito ou do Vice-Prefeito, ou vacância dos cargos, será chamado para ocupar a chefia do Executivo o Presidente da Câmara Municipal.
Compete às Secretarias Municipais orientar, coordenar e executar as atividades dos órgãos e entidades da administração municipal.
Considera-se a Prefeitura como o coração do Poder Executivo que desenvolve os seus programas de trabalho, através das Secretarias que estão divididas por área de atuação para melhor atender os seus habitantes. A seguir você vai ficar sabendo quais foram todos os prefeitos do Apodi, desde o primeiro, na pessoa de João Nogueira da Silveira, que tomou em 9 de outubro de 1835 até o atual, na pessoa do Dr. José Pinheiro Bezerra, empossado em 1º de janeiro de 2005, com mandato até 31 de dezembro de 2008, o único a ser eleito pelos apodienses através do voto secreto e popular em três eleições municipais, mesmo não sendo da terra, e sim, ele é de Santa Cruz-RN. Além dos vice-prefeitos, como também dos Secretários Municipais nas últimas administrações municipais, começando na gestão do prefeito Valdemiro Pedro Viana, em seu segundo mandato, de 1977 a 1983. Porém, antes vamos dissecar os donatários (colonizadores) do Apodi, começando pelo fundador Manuel Nogueira Ferreira e terminando com o Coronel da Guarda Nacional Vicente Ferreira Pinto.

ADMINISTRADORES DE APODI
ANTES DE SER VILA – 1688 a 1835
#MANOEL NOGUEIRA FERREIRA – 1688 - natural da cidade de Nossa Senhora das Neves, atualmente João Pessoa, capital do Estado da Paraíba nascido a 5 de maio de 1655 e faleceu em 17 de janeiro de 1715, filho de Mathias de Freitas Nogueira e Antonia Nogueira Ferreira. Casou-se com Antônia de Oliveira Correia, natural de Pernambuco. Era pai de Margarida de Freitas, mulher que ficou formosa e muito conhecida na Ribeira do Apodi, pela grande quantidade de terras que possuía na região, casada com o português Carlos Vidal Barromeu, que veio morar em Portalegre na primeira metade do século XVIII.
#CAPITÃO ANTONIO DA MOTA RIBEIRO – 1737 – natural na Freguesia de São Clemente, Arcebispado de Braga, Portugal, nascido a 13 de junho de 1710. Casou-se em Apodi-RN, no ano de 1729 com Josepha Ferreira de Araújo (1711– 17/10/1792), filha do português Carlos Vidal Barromeu (fundador de Portalegre) e da índia Isabel de Araújo (de Alagoas). Em 27 de setembro de 1781, ele recebe concessão de Carta de Data e Sesmaria dando-lhe três léguas de comprido por uma de largo, no sítio chamado “Santa Cruz”, Ribeira do Apodi. Faleceu em Apodi no dia 19 de agosto de 1796, depois de 4 anos acabrunhado devido a perda de sua cara esposa. Tronco inicial da família Mota na Região Oeste Potiguar, entrelaçada aos Marinhos, Morais, Duarte, Casado, Oliveira, etc.
# MANOEL ÁLVARES DE MORAIS – 1716, natural da cidade de Braga, Portugal, nascido a 13 de junho de 1710 e falecido em 19 de julho de 1796. Era casado com Dona Josepha Ferreira de Araújo, esta filha de Carlos Vidal Barromeu e de Isabel Araújo. Antonio Ribeiro foi um dos primeiros patriarcas de Apodi. Tronco familiar da família Mota, Ribeiro, Ferreira e Araújo.
#TENENTE JOSÉ DE GÓES NOGUEIRA – 1760 – Em 17 de outubro de 1817 ele recebe concessão de Carta de Data e Sesmaria, dando-lhe uma légua de terras situadas na “Picada do Apody” até contestar com terras das Datas do Boqueirão e do Rosário, de Lourenço D’Abreu.
#CORONEL VICENTE FERREIRA PINTO - 1821 - ver dados biográficos neste capítulo, deste trabalho.

COMO VILA – de 09/10/1835 a 05/03/1887

MONARQUIA:
# CORONEL JOÃO NOGUEIRA DA SILVEIRA - De 9/10/1833 a 31/12/1836
Natural de Apodi-RN, nascido a 28/04/1790 e falecido em 9/12/1854, filho de Manoel Carvalho de Lucena e de Ana Góis. Casou-se em 3//6/1873, com Joana Barbosa de Amorim, filha do português Capitão João Antonio de Amorim e Bonifácia Barbosa de Amorim.
# TENENTE CORONEL ELIAS ANTONIO CAVALCANTE DE ALBUQUERQUE – 01/01/1837 - Elias Antonio, natural de Assu, nascido no ano de 1805 e faleceu em 2/10/1860.
#CEL VICENTE FERREIRA PINTO – De 01/01/1841 a 31/12/1844
CORONEL VICENTE FERREIRA PINTO, natural de Apodi, nascido a 23 de julho de 1787 e faleceu a 15 de junho de 1847, filho de Alexandre Pinto Machado (tronco inicial da família Pinto em Apodi em região e de Francisca Barbosa de Amorim. Foi casado em primeiras núpcias em 7 de janeiro de 1806, com Joaquina Mariana de Jesus, filha do tenente Manoel João de Oliveira e de Antonia Maria de Jesus, com os seguintes filhos:
1 – Reverendo Vigário João Crisóstomo de Oliveira Pinto Brasil
2 – Maria Joaquina de Jesus, casada com Joaquim José de Carvalho.
3 – Tenente Vicente Ferreira Pinto Júnior, casado com Maria Clara Alves Ferreira Cavalcanti, filha de Domingos Alves Ferreira Cavalcante e de Maria Joana do Espírito Santo. Pai do Coronel Antonio Ferreira Pinto (25/05/1835 – 04/08/1909)
4 – Alexandre Magno de Oliveira Pinto, nascido a 17 de setembro de 1909 e faleceu em 18 de setembro de 1870 casado com Francisca Romana de Oliveira
5 – Sebastião Celino de Oliveira Pinto, casado com Josefina Zenóbia de Oliveira (faleceu em 25 de maio de 1869)
6 – Isabel Joaquina de Jesus, nascida a 16 de junho de 1820 e faleceu em 23 de agosto de 1865, casada com João Regis Cavalcante (1816 – 1899) filho de Domingos Alves Ferreira Cavalcante (18/09/1752 – 20/11/1830) e Maria Joaquina do Espírito Santo.
7 – Antonia Joaquina de Jesus, casado com Francisco de Paula Cavalcante de Albuquerque, filho de Antonio de F. Albuquerque Cavalcante e Maria Joana do Espírito Santo.
Casou-se em segundas núpcias em 1821 com Maria Gomes da Silveira, filha de Manoel João da Silveira e Bonifacia Barbosa de Lucena (16/12/1798 – 20/07/1853), com os seguintes filhos:
1 – José Ferreira Pinto, nascido em 1828
2 – Francisco Ferreira Pinto, nascido em 1827
3 – Vicente Ferreira Nobre Pinto, nascido em 1830
4 – Alexandre Ferreira Pinto, nascido em 19 de agosto de 1831
5 – Joaquina Gomes, nascido em 1832
6 – Maria Pinto, nascida 1834
7 – Francisca , nascida em 11 de fevereiro de 1835
8 – Luiz Ferreira Pinto, nascido 1836
9 – Alexandrina Pinto, nascida em 1840.
Vicente Ferreira Pinto, o primeiro, era coronel da Guarda Nacional.
# MANOEL FERREIRA DA SILVEIRA – 01/01/1845
VICENTE FERREIRA PINTO – 01/01/1847
LUIZ DO RÊGO LEITE – 01/01/1853
# TENENTE VICENTE FERREIRA PINTO JÚNIOR– 01/01/1857
Tenente Vicente Ferreira Pinto Júnior, filho do Coronel Vicente Ferreira Pinto (23/07/1787 – 15/06/18470, Joaquina Mariana de Jesus, casado com Maria Clara Alves Ferreira Cavalcanti, filha de Domingos Alves Ferreira Cavalcante e de Maria Joana do Espírito Santo. Pai do Coronel Antonio Ferreira Pinto (25/05/1835 – 04/08/1909), chefe político em Apodi e exerceu a presidência da Intendência Municipal de Apodi por vários anos. Vicente Ferreira Pinto Júnior além de ter exercido a presidência da Câmara Municipal, também exerceu a presidência do Juizado Municipal de Apodi.
# CAPITÃO JOAQUIM SULPINO PAES BOTÃO – 01/01/1864
Natural de Riacho do Sangue, atual cidade de Jaguaretama-CE, nascido a 17 de maio de 1792. Era casado com Dona Isabel Sabina de Oliveira, com dois filhos: FRANCISCO DIÓGENES PAES BOTÃO e ISABEL SABINA DE OLIVEIRA FILHA. Joaquim Sulpino, chefe do Partido Liberal, desfrutando de largo prestigio junto aos liberais, com respeitável e pacifica convivência com os componentes do Partido Conservador. Faleceu em Apodi no dia 30 de novembro de 1872. Esses dados biográficos de Joaquim Sulpino foi colhido no livro “DATAS E NOTAS PARA A HISTÓRIA DE APODI, do Dr. Marcos Pinto, Coleção Mossoroense.
# LUIZ MARINHO DE 0LIVEIRA COSTA - 01/01/1866
#JOAQUIM CORREIA DE OLIVEIRA LIMA - 29/01/1869
# JOAQUIM JOSÉ CARLOS DE NORONHA – 23/01/1870

Natural de Apodi-RN, nascido a 31 de julho de 1820 e faleceu em sua terra natal no dia 14 de setembro de 1909. Filho de Joaquim José de Noronha e de Maria Gomes da Silveira (16/12/177/1853). Casou-se em primeiras núpcias em 15/7/1840, com Maria da Conceição Nogueira, filha do major João Nogueira da Silveira e Joana Gomes Nogueira, a qual faleceu em 31 de outubro de 1855, deixando 12 filhos órfãos. Casou-se em segundas núpcias com JÚLIA DANTAS, de origem paraibana, que faleceu em 31 de agosto de 1884. Desse consórcio teve 16 filhos, dentre os quais destacamos a pessoa de Horácio Carlos Noronha. Joaquim casou-se em terceiras núpcias com dona MARIA DANTAS NORONHA, em 13 de janeiro de 1885, com quem teve seis filhos, atingindo assim 34 filhos.
# LUIZ DE FRANÇA RODRIGUES – 01/01/1873
VICE-PRESIDENTE – Francisco Sales de Carvalho
CEL ANTONIO FERREIRA PINTO - 01/01/1877
Natural de Apodi-RN, nascido no dia 25 de maio de 1835, filho do coronel VICENTE FERREIRA PINTO, este filho Alexandre Pinto Machado e Maria Clara Alves Ferreira. Casou-se em 5 de maio de 1860, com a jovem MARIA LUIZA DE SÃO BRAZ BELTRÃO, filha do professor Joaquim Manoel Carneiro da Cunha Beltrão (1810 – 29/11/1892) e Maria Angélica Bezerra Cavalcanti. Com o falecimento de Maria Luiza em 8 de dezembro de 1864, Antonio Ferreira casou-se em segundas núpcias em 10 de agosto de 1865, com sua prima Claudina Maria de Oliveira Neves, natural de Apodi, nascida em 5 de agosto de 1847 e falecida em 10 de agosto de 1902, filha de Sebastião Celino de Oliveira Pinto (18/6/1819 – 27/07/1901) e Josephina Zenóbia de Oliveira. Do primeiro casamento nasceu uma pequena prole de dois filhos: ANTONIO FERREITA PINTO FILHO, vulgo “TONICO”, falecido em 30 de julho de 1921. Era casado com Ester Soares. MIGUEL FERREIRA PINTO, nascido em 30 de maio de 18864 e falecido em 17 de novembro de 1937. Do segundo casamento teve a geração de 12 filhos, sendo os seguintes: LUIZ COLOMBO FERREIRA PINTO, nascido em 9 de junho de 1872 e falecido em Mossoró a 18 de setembro de 1953. Com o falecimento do Coronel Rodolfo Fernandes de Oliveira Martins (24/5/1872 – 11/10/1927), Luiz Colombo foi presidente da Câmara Municipal de Mossoró, eleito pelos seus pares, para governar Mossoró durante o restante do mandato interrompido, governando de 3/11/1927 a 01/01/1929, quando nessa data tomou posse o primeiro prefeito constitucional de Mossoró, Dr. Rafael Fernandes Gurjão (24/10/1891 – 11/06/1952, eleito em 2 de setembro de 1928; JOÃO BATISTA FERREIRA PINTO, comerciante em Apodi. OLINTO FERREIRA PINTO, nascido em 1876 e falecido em a 8 de novembro de 1924, era casado com sua parente Dioclecia Lopes, filha de Antonio Lopes Correia Pinto e Maria Olímpia de Oliveira. CORONEL JOÃO DE BRITO FERREIRA PINTO, nascido em 24 de junho de 1871 e faleceu a 15 de setembro de 1934. Casou-se com a professora Umbelina Salsona Souto, natural de Assu-RN, a qual veio de sua terra natal até Apodi, montada em cavalo, onde passou a lecionar no Grupo Ferreira Pinto. SEBASTIÃO FERREIRA PINTO, funcionário público federal. ELISIO FERREIRA PINTO, casou-se em 22 de dezembro de 1910, com MARIA RÉGIS DA SILVEIRA. No dia 19 de outubro de 1914, Elísio foi eleito presidente da Intendência Municipal de Apodi, para ocupar a vaga aberta com a renúncia de seu cunhado, na pessoa de FRANCISCO DIÓGENES PAES BOTÃO, cuja renúncia se deu em 25 de agosto de 1914, por motivo de doença, o qual governou até 1º de janeiro de 1921, quando passou o cargo para seu substituto legal, na pessoa do professor Antonio Dantas. Dr. EUCLIDES FERREIRA PINTO, bacharel em Direito pela Universidade de Olinda e Recife, expedido em 17 de dezembro de 1910. Foi promotor Público de Mossoró. Casou-se em 4 de fevereiro de 1911, com Francisca do Monte. Não teve descendência. Faleceu em Mossoró a 26 de junho de 1943, quando exercia o cargo de Promotor Público. VICENTE FERREIRA PINTO, bacharel em Direito. JOSEPHINA FERREIRA PINTO. Antonia Zenóbia Ferreira Pinto, casada com Francisco Diógenes Paes Botão, este fora Intendente Municipal de Apodi. Um filho de Antonia Ferreira, Francisco Diógenes Filho foi o primeiro prefeito de Felipe Guerra, criado pela Lei nº 1.027, de 11 de dezembro de 1953, o qual foi nomeado em 5 de fevereiro de 1954, assumindo o cargo e governando até 6 de outubro de 1954, véspera da realização do pleito eleitoral que escolheria o primeiro prefeito constitucional de Felipe Guerra. Ele havia mandado matar seis grandes bois para servir na alimentação dos eleitores no dia 7 de outubro, quando sem ninguém esperar o decreto de 6 de outubro, exonerou o mesmo, haja vista que o Tribunal Superior de Justiça achou que a Lei nº 1.027/53 era inconstitucional. ZULMIRA FERREIRA PINTO, casou-se em 11 de setembro de 1897, com Lucas Soares da Silveira, filho de Luís Soares da Silveira e Maria Benedicta Beltrão da Silveira (11/2/1845 – 03/03/1903, filha de JOAQUIM Manoel Carneiro da Cunha Beltrão e Maria Angélica Bezerra Cavalcante. MARIA CLARA FERREIRA PINTO.
Foi Intendente Municipal (atual cargo de prefeito) do APODI. Deputado estadual em cinco mandatos, o qual assinou duas Constituições Estaduais do Rio Grande do Norte, sendo as de 11 de julho de 1898( 3ª CONSTITUIÇÃO ESTADUAL, conhecida como ‘Constituição Chaves’ e a 4ª Constituição, promulgada no dia 25 de março de l907. Faleceu no dia 4 de agosto de 1909, em pleno 5º mandato de deputado estadual , o qual foi substituído pelo seu filho JOÃO BATISTA FERREIARA PINTO.
VICE-PRESIDENTE – LUIZ DO RÊGO LEITE
COMO CIDADE – de 05/03/1887 a 23/03/2009

# ANTONIO GOMES PINTO – 1889
# ANTONIO CARLOS FERNANDES PIMENTA – 1889
Antonio Carlos, natural de Martins, nascido a 3 de janeiro de 1857. Faleceu em sua casa, o casarão Sabe Muito, aos 42 anos de idade, no dia 25 de março de 1889. Homem de privilegiada inteligência, foi um dos grandes oradores de sua época, apesar de nunca ter freqüentado Colégios ou Faculdades. Advogado notável. Foi deputado em três biênios: 1882 a 1887. 0 Grupo Escolar de Caraúbas, situado na Praça Aproniano Martins de Sá, nº. 65, no Centro, criado em 15/3/1909 e inaugurado em 19/4/1909, tem como patrono o seu nome, mas, com a lei nº 5.692/71, passou a ser denominada de Escola Estadual “Antonio Carlos”.
R E P Ú B L I C A:
O regime denominado de REPÚBLICA, instalado no Brasil em 15/11/1889, através do marechal Manoel Deodoro da Fonseca (Alagoas, 5/8/1827 – RJ, em 23/8/1892), que governou até 25/2/1891; no RGN, em 17/11/1889, através de Pedro Velho de Albuquerque Maranhão (27/11/1856 – 9/12/1907); em Apodi somente foi instalado em 8/2/1890, quando foi procedida a substituição da Câmara Municipal pelo Conselho de Intendência presidido pelo coronel Luiz da Silveira e composto pelos cidadãos: João Régis Cavalcante (1816 – 1898), Florêncio Gomes de 0liveira e o capitão Tiburcio Valeriano Gurgel do Amaral (14/4/1843 – 10/2/1933). Eis os Administradores apodienses na República, de 1890 a 1929:
De 01/01/1886 a 8/2/1890
0bs.: Em 22/11/1889, o Dr. Leopoldo Herculano Marinho Falcão Marinho, primeiro Juiz de Direito da Comarca de Apodi (1876 a 1890), recebeu um telegrama do Governo Provisório do Rio Grande do Norte, Dr. Pedro Velho de Albuquerque Maranhão (27/11/1856 – 9/12/1907), fazendo a devida comunicação da Proclamação da República. Logo o apodiense confirmou seu civismo, com o ato solene na Câmara Municipal do Apodi, onde falaram o mesmo magistrado e o Coronel Antonio Carlos Fernandes Pimenta, este presidente da Câmara Municipal.

# TENENTE-CORONEL LUIZ SOARES DA SILVEIRA
De 8/2/1890 a 8/4/1890
# JOSÉ PRAXEDES BENEVIDES PIMENTA – 08/04/1890
# JOSÉ GURGEL DO AMARAL DE 0LIVEIRA – 1º período

José Gurgel do Amaral de Oliveira, natural de Apodi, nascido a 10 de abril de 1844 e falecido em 1919, filho do Coronel Antonio Francisco de Oliveira (1871 – 19/3/1871), este filho do tenente Manoel João de Oliveira e de Antonia Maria de Jesus; e de Quitéria Francisca de São Luiz. Esta da família Gurgel do Amaral de Aracati, Ceará. Casado com Isabel Alexandrina de Oliveira, natural de Apodi, filha de Alexandre Magno de Oliveira Pinto e de Francisca Romana de Oliveira e pai do professor LOURENÇO GURGEL DE OLIVEIRA, natural de Caraúbas, nascido em 8 de janeiro de 1876 e falecido em novembro de 1953.
De 17/6/1890 a 8/2/1891
# JOSÉ SULPINO PÁES BOTÃO
De 9/2/1891 a 31/12/1891
José Sulpino, natural de Apodi, casado com Maria Luiza da Silveira, com os seguintes filhos: FRANCISCO SULPINO (14/9/1894 – 23/12/1943). LUIZ SULPINO, que também foi prefeito de Apodi, no período de 27 de maio de 1945 a 28 de novembro de 1945.
# 0CTAVIANO GOMES PINTO - De 01/01/1892 a 31/12/1895
Capitão Octaviano, natural de Apodi, nascido em 7 de setembro de 1862, filho de Antonio Gomes Pinto e de Aguida Zenóbia de Oliveira. Era casado com Antonia Gomes de Oliveira, com quem teve a seguinte prole: FRANCISCO OCTAVIANO GOMES PINTO, JOÃO OCTAVIANO GOMES PINTO, JOSEPHINA GOMES DE OLIVEIRA, CLÁUDINA GOMES PINTO, JOAQUIM GOMES PINTO e ANTONIA GOMES PINTO. Faleceu a 12 de junho de 1918.
# CORONEL ANTONIO FERREIRA PINTO – 2ª VEZ - De 01/01/1896 a 31/12/1899
# JOSÉ GURGEL DO AMARAL DE 0LIVEIRA – 2ª VEZ - De 01/01/1898 a 31/12/1899
# JOSÉ GURGEL DO AMARAL DE 0LIVEIRA – 3ª VEZ (REELEITO) - 01/01/1900 a 31/12/1901
# JOSÉ GURGEL DO AMARAL DE 0LIVEIRA – 4ª VEZ (REELEITO) - 01/01/1902 a 31/12/1903
# FRANCISCO DIÓGENES PAES BOTÃO - De 01/01/1904 a 31/12/1906
# PROFESSOR ANTONIO FLORÊNCIO DANTAS - 01/01/1907 a 31/12/1910

Antonio Lourenço Dantas, natural de Apodi, nascido em 13 de junho de 1861. Iniciou seus estudos nesta cidade. Aperfeiçoando-se em Natal. Casou-se com Maria Laura Dantas, de quem nasceram dois filhos: João Batista Dantas e Olga Laura Dantas, ambos também ligados ao magistério, com excelentes serviços à causa escolar do Rio Grande do Norte. Em 1887, o professor Antonio Dantas submeteu-se aos exames obrigatórios, em Natal, para exercer o cargo de Professor, conseguindo plena aprovação. Pertenceu à escola antiga, tradicional, rigorosamente disciplinada, no tempo em que o castigo físico para o aluno era uma providência normal, na sua maioria recomendada pelos próprios pais.
Durante suas atividades de mestre-escola, Antonio Dantas peregrinou por diversas cidades potiguares, sempre preferido e convocado pelas comunidades, sabedoras do seu talento e de sua abgnenação aos misteres da instrução. Apodi, Alexandria, Luís Gomes, Pau dos Ferros, Caraúbas, Mossoró e Itaú, foram cidades onde a juventude recebeu os sábios ensinamentos do dedicado mestre. Aposentou-se em 1908.
Em Apodi, o velho professor Antonio Dantas desenvolveu, também, atividades de natureza política, ao lado do Coronel Ferreira Pinto, tradicional chefe político, filiado ao Partido Conservador. Prestigiado pelo amigo e contando com a simpatia e apoio dos conterrâneos, foi eleito presidente da Intendência Municipal, governando o município de Apodi, no período de 1º de janeiro de 1907 até 31 de dezembro de 1910.
Homem inteligente admirável, possuidor de bons conhecimentos literários, o professor Antonio Dantas dedicou-se durante algum tempo, a atividades jornalísticas, publicando trabalhos em diversos jornais, principalmente sobre assuntos ligados a região de Apodi, de cujos problemas era profundo conhecedor.
O Apodi, reconhecendo seu valor, como cidadão de bons predicados morais e homem com serviços prestados à sua região, deram o seu nome ao principal estabelecimento de ensino de Apodi: Escola Estadual, ensino fundamental e médio, criada pelo Decreto Estadual nº. 4.478, de 9 de junho de 1965, assinado pelo então governador Aluízio Alves. Justa homenagem a um dos mais dedicados educadores do Apodi. Faleceu em sua terra natal no dia 10 de junho de 1940.
# FRANCISCO DIÓGENES PAES BOTÃO – 2ª VEZ - 01/01/1911 a 25/8/1914 – renunciou
# ELÍSIO FERREIRA PINTO - 28/8/1914 ª 31/12/1921
ELISIO FERREIRA PINTO, natural de Apodi-RN, filho do Coronel Antonio Ferreira Pinto e de Claudina Maria de Oliveira Neves. Casou-se em 22 de dezembro de 1910, com MARIA RÉGIS DA SILVEIRA, natural de Apodi, filha João Régis Cavalcante e Maria Luiza da Silveira. No dia 19 de outubro de 1914, Elísio foi eleito presidente da Intendência Municipal de Apodi, para ocupar a vaga aberta com a renúncia de seu cunhado, na pessoa de FRANCISCO DIÓGENES PAES BOTÃO, cuja renúncia se deu em 25 de agosto de 1914, por motivo de doença, o qual governou até 1º de janeiro de 1921, quando passou o cargo para seu substituto legal, na pessoa do professor Antonio Dantas.
# JOÃO JAZIMO DE 0LIVEIRA PINTO - 01/01/1922 a 31/12/1922 – natural de Apodi, nascido 26 de agosto de 1855 e faleceu em sua terra natal no dia 30 de março de 1926, filho de Sebastião Celino de Oliveira Pinto, este foi deputado provincial no período monárquico e de Dona Josephina Zenóbia de Oliveira. Casou-se com uma enteada de seu genitor, a senhora Isabel Sabina Filha, conhecida como Bebela. Era irmão de dona Claudina Pinto, esta esposa do Coronel Antonio Ferreira Pinto.
Era respeitável chefe político situacionista de Apodi, seguindo sempre as lideranças de Juvenal Lamartine e José Augusto de Medeiros.
Fazendeiro e homem público, gozava de estima de seus concidadãos e era conhecido como chefe de moderadas atitudes políticas. Esse desenhasse arrebatou da comunidade dos vivos um exemplar cidadão
# CEL FRANCISCO FERREIRA PINTO - 01/01/1923 a 31/12/1925
# CEL FRANCISCO FERREIRA PINTO – REELEITO - 01/01/1926 a 31/12/1928

PREFEITO CONSTITUCIONAL

0bs.: O cargo de prefeito constitucional foi criado com a reforma da Constitucional de 4/8/1926. No dia 2/9/1928 houve eleições em todo o Estado do Rio Grande do Norte. Em Apodi, foi eleito o coronel Francisco Ferreira, que já exercia a função de presidente da Intendência Municipal. O companheiro de chapa de Ferreira Pinto foi o senhor Luiz Sulpino da Silveira Júnior, os quais tomaram posses em 01/01/1929 e governaram até o dia 9/10/1930, quando aconteceu o Golpe de Estado, tendo sido nomeado para governar o município, o senhor Cosmo Lemos.
F R A N C I S C O F E R R E I R A P I N T O - 29/01/1929 a 09/10/1930
Natural de Apodi-RN, nascido a 17 de abril de 1895, filho de CASSIMIRO FERREIRA PINTO e de VICENCIA GOMES DE OLIVEIRA. Foi o mais habilidoso Político do Apodi em todos os tempos. Foi eleito várias vezes deputado estadual e presidente da Intendência Municipal. Foi eleito o primeiro prefeito Constitucional de Apodi, no dia 2 de setembro de 1928, vencendo seu opositor na pessoa do Coronel Tilon Gurgel do Amaral, obtendo a consagradora votação sob o total de 694 votos. Tomou posse no dia lº de janeiro de l929, cujo mandato foi Interrompido em 9 de outubro de l930, devido A resolução de 1930.No ano de 1927 foi preso, por um grupo de Cangaceiros que veio ao Apodi com finalidade de Assassina-lo, por questões de ordem Política surgidas pela passagem da eleição do Primeiro prefeito apodiense,no mês de julho de l933 foi Intimado a comparecer à presença do REPRESENTANTE do Interventor MÁRIO CÂMARA, em APODI, BENEDITO SALDANHA para justificar supostas críticas por ele feitas, ao sistema de Governo que estava sendo adotado no Estado,ficando Preso numa das celas da cadeia pública de Apodi. Casou-se em 20 de setembro de 1913 com MARIA SOLOME DIÓGENES PINTO, filha do Major Francisco Diógenes Paes Botão e Antonia Zenóbia Ferreira Pinto, a qual foi a primeira eleitora apodiense, inscrita em 1928 e residia na Rua Nossa Senhora da Conceição, na casa próximo a Casa Paroquial
No dia 2 de maio de 1934, foi assassinado no seu próprio lar, quando se recolhia para dormir.
VICE PREFEITO – LUIZ SULPINO DA SILVEIRA JÚNIOR
LUIZ SULPINO DA SILVEIRA JÚNIOR, natural de Apodi, filho de Luiz Sulpino da Silveira, este filho de José Sulpino Paes Botão ; e de Maria Luiza da Silveira, filha de Luiz Soares da Silveira e de Maria Benedicta Beltrão da Silveira.
P R E F E I T O S N O M E A D O S
COSME CORSINO LEMOS - 9/10/1930 a 29/10/1930
Cosme Lemos de Souza, natural de Martins-RN, nascido a 4/2/1904, filho de Alfredo de Souza Lemos e de Ana Vidal Lemos. Casou-se em Apodi-RN, em 9/5/1928, com Hilda Lopes de 0liveira, filha de Antonio Lopes Correia Pinto e de Maria 0limpia de oliveira. Deputado à Constituinte Estadual em 1947.
CORONEL TILON GURGEL DO AMARAL- 30/10/1930 a 5/5/1931
TILON GURGEL DO AMARAL, natural de Apodi, nascido em 7 de janeiro de 1881, filho do coronel Tiburcio Valeriano Gurgel do Amaral e de Caetana Jusemira de Oliveira. Tilon Gurgel no início do século XX construiu um grande casarão as margens esquerda do Rio Mossoró/Apodi, atual Rua Tilon Gurgel, na cidade Baixa – Felipe Guerra, dando assim o marco inicial da cidade de Felipe Guerra que hoje tem. Portanto, Tilon Gurgel foi o fundador do município de Felipe Guerra. Porém, queremos ressaltar que o povoado de Pedra de Abelhas teve início no dia 24 de outubro de 1818 quando teve como primeiro proprietário o senhor Vicente Ferreira Pinto (23/7/1787 – 15/6/1847). Tilon Gurgel era casado com Josefa Dalila Gurgel, com os seguintes filhos: RAIMUNDO GURGEL DA NÓBREGA (22/8/1906 – 26/07/1957) e Dr. AILSON GURGEL DO AMARAL (faleceu em 11/11/2007, com 71 anos de idade), primeiro prefeito constitucional de Felipe Guerra, eleito em 25 de janeiro de 1965, tomou posse em 31 de janeiro daquele ano e administrou até 31 de janeiro de 1970, quando passou o cargo para seu substituto, na pessoa de Francisco Chagas da Silva. Foi o candidato derrotado na primeira pleito municipal de 2 de setembro de 1928, quando foi derrotado por Francisco Ferreira Pinto. No dia 30 de setembro de 1975 o prefeito Luiz Gurgel do Amaral inaugurou um grupo escolar situado no povoado de Poço de Tilon, cujo grupo teve o nome de Tilon Gurgel. Foi prefeito nomeado de Apodi, no período de 1930/31.
Tilon Gurgel faleceu no dia 23 de julho de 1968.
TENENTE PM SOLON ANDRADE DE ARAÚJO - 6/5/1931 a 26/9/1932
TENENTE SOLON ANDRADE DE ARAÚJO, natural de Natal, antigo oficial da Polícia Militar do Rio Grande do Norte. Poeta e um “soldado perfeito, coronel Sólon Andrade era estimado na caserna, pois com os superiores e subalternos sabia viver, pondo em linhas paralelas a disciplina militar e o sentido humano que deve estar presente em todos os atos da vida”. Faleceu no dia 16 de março de 1956.
SEBASTIÃO SIZENANDO SENA E SILVA - 26/9/1932 a 10/1/1933
SEBASTIÃO SIZENANDO, vulgo Sebastião de Dino, natural de Apodi, nascido em 27 de maio de 1883 e falecido em 23 de abril de 1942, filho de Bernardino Sizenando Aires de Sena e Lima, este filho de Agostinho Joaquim de Lima e de Maria Martins do Nascimento; e de Inocência Felicia da Conceição, conhecida popularmente conhecida pela alcunha de MAEZINHA, esta filha de Manoel Jácome Cavalcante e de Felicia Maria da Conceição. Era casado com Odília Amélia de Sena e Silva, com os seguintes filhos: JOSÉ SIZENANDO DE SENA E SILVA, nascido em 26 de julho de 1908 e falecido em 7 de setembro de 2001, casado com Raimunda Maria Nunes de Sena, natural de Apodi, nascida em 24 de setembro de 1937, filha de Francisco das Chagas Fernandes e de Amanda Celestina Pinheiro, com os seguintes filhos: Luiz Nunes Sizenando, vulgo “MILONGA”, nascido em 14 de março de 1959, casado com Antonia Brotas Pinheiro Sizenando, natural de Taboleiro do Norte-CE, nascida em 8 de setembro de 1968, filha de Joaquim Pinheiro Chaves e de Auta Rosendo Chaves, com 4 filhos: Pio Giannotty Pinheiro Sizenando, nascido em 27 de novembro de 1985, Bem-hur Pinheiro Sizenando, nascido em 21 de julho de 1988, Judah Pinheiro Sizenando, nascido em 5 de maio de 1994, Judah Pinheiro Sizenando, nascido em 5 de maio de 1994, e Sadrak Pinheiro Sizenando, nascido em 3 de agosto de 1996; Maria Nunes da Conceição, vulgo “JUREMA”, nascida em 15 de novembro de 1962; Sebastião Paulo Neto, nascido em 19/01/64, casado com Damiana Vieira da Costa Sizenando, natural de Apodi, nascida a 7 de setembro de 1964, filha de Manuel EVANGELISTA DA COSTA (BURECO) e de Raimunda Maria dos Santos, com dois filhos: JOSÉ SIZENANDO DE SENA E SILVA NETO (31/3/1989) e Paulo Henrique Vieira Sizenando (11/9/1993); Maria Nunes de Sena, nascida em 15 de novembro de 1962, e Francisco Nunes Sizenando, nascido em 6 de janeiro de 1968. JOSUÉ SIZENANDO DE SENA E SILVA, nascido em 8 de maio de 1913 e falecido em 30 de maio de 1993, casou-se em 26 de dezembro de 1956, com Margarida Dantas Mulatino,natural de Apodi, nascida em 14 de janeiro de 1930, filha de João Ferreira Mulatino e de Inez Gentil Dantas, com três filhos: INES ODÍVIA NETA, nascida em 10 de setembro de 1957, casou-se em primeiras núpcias com JOSÉ MAIA DA SILVA (03/05/1948 – 24/8/2004), filho de João Custodio da Silva e de Expedita Ferreira Maia, com os seguintes filhos: Josimés Maria Sizenando Maia Custódio Dantas, nascida em 8 de março de 1988.; Aghatâgela Guilherme Silva Dantas Vieira da Costa, nascida em 10 de junho de 1996; e Margarida Virgínia Silva Dantas Vieira da Costa, nascida em 22 de março de 200. Em segundas núpcias com Manoel Genilson Vieira da Costa, natural de Apodi, nascido em 26 de novembro de 1968, filho de Manoel Evangelista da Costa (Bureco) e de Raimunda Viera da Costa; APARECIDO DANTAS DE FREITAS, nascido em 24 de agosto de 1958, casado com Maria das Graças Carlos Freitas, natural de Apodi, nascida em 2 de novembro de 1955, filha de Clemente Carlos Marinho e Antonia Marinho Carlos, com três filhos: Izaac Carlos de Freitas, Ítalo Romeu Carlos de Freitas e Josué Sizenando de Sena e Silva Neto; AGLATÂNGELO DANTAS DE FREITAS (16/03/1964 – 1//11/1975); ANTONIO AUGUSTO DANTAS, nascido em 8 de fevereiro de 1966; IARA DANTAS DE FREITAS BERNARDES, nascida em 23 de julho de 1967, casada com Algenor Bernandes Filho, com uma filha: Sara Arielly Sizenando Dantas Bernandes, nascida em 22 de agosto de 1888. Josué Sizenando exerceu a função de oficial de justiça por mais de 30 anos, começando no ano de 1952, substituindo o velho oficial Manuel Raimundo Dantas. MARIA DE LOURDES DE SENA E SIZENANDO, nascida em 26 de agosto de 1918, casada com o soldado PM Raimundo Justino de Oliveira, natural de Apodi, natural de Apodi, nascido em 3 de março de 1918 e falecido em 27 de março de 2007, filho de Francisco Justino de Oliveira e de Antonia Justina de Oliveira; RAIMUNDO SENA, INOCÊNCIA SIZENANDO, AMELIA SIZENANDO, natural de Apodi, nascida em 26 de julho de 1907; ILAURA SIZENANDO DE SENA, casada com Euzébio Alves Pinto; MARIA SIZENANDO, nascida em 26 de julho de 1906; MANOEL CÍCERO DE LIMA, natural de Apodi, nascido em 1901 e falecido em 1976, casado com Maria Pereira Torres, com os seguintes filhos: FRANCISCO CHAVES SIZENANDO, nascido em 8 de agosto de 1934, casado em primeiras núpcias com Raimunda Gomes de Oliveira, natural de Apodi, nascida em 19 de setembro de 1938 e falecida em 14 de abril de 2003, filha do saudoso prefeito Izauro Camilo de Oliveira e Maria Gomes de Oliveira, com os seguintes filhos: FRANCISCO CHAVES SIZENANDO FILHO, natural de Apodi, nascido em 4 de março de 1963 e faleceu em sua residência a 2 de junho de 2008. Casou-se em primeiras núpcias, com Evania Marinho de Paiva Sizenando, natural de Apodi, nascida em 20 de fevereiro de 1961, filha de Altino Dias de Paiva e Anita Marinho de Paiva, com um filho: ROGER ILLAMISEN CHAVES SIZENANDO, nascido em 26 de novembro de 1977, e em segundas núpcias com EVILMAR MAIA DIÓGENES, nascida em 8 de abril de 1961, esta filha de Wilson Custódio Diógenes, nascido em 10 de abril de 1930, filho de Valdemiro Custódio da Silva e Cecília Joaquina Diógenes (17/5/1905 – 22/01/1977) e Maria da Conceição Maia Custódio. Filhos: THIAGO STUART MAIA CHAVES SIZENANDO, nascido em 16 de maio de 1983 e THAYS JANAINA MAIA CHAVES SIZENANANDO, nascida em 25 de setembro de 1984. E em segundas núpcias com MARIA ZÉLIA MOREIRA GURGEL SIZENANDO, natural de Iracema, nascida em 12 de junho de 1955, sem descendência. MARIA DO SOCORRO SIZENANDO, nascida em 1º de agosto de 1938; MARIA DO CARMO SIZENANDO; MARIA EUDETE SIZENANDO, MARIA IDEUSA SIZENANDO, Nascida em 25 de dezembro de 1945; MARIA DAS GRAÇAS SIZENANDO, FRANCISCO ARI SIZENANDO, nascido em 18 de março de 1957; ARI AIRES SIZENANDO; e MARIA DA SALETE SIZENANDO, nascida em 7 de janeiro de 1947. Sebastião Sizenando foi um dos homens apodienses mais inteligentes de sua época. Foi delegado de polícia, juiz de paz, político e prefeito de sua terra natal.
BENEDITO VERAS SALDANHA - 10/1/1933 a 24/7/1933
Benedito Saldanha, natural de Brejo do Cruz-PB a 5 de outubro de 1898 e faleceu em Caraúbas-RN em 17 de dezembro de 1961, filho de Joaquim da Silva Saldanha (Quinca Saldanha), natural de Catolé do Rocha-PB, nascido a 14//11/1872 e faleceu em Caraúbas a 11/06/1936) e Joaquina Veras Saldanha. Era casado com Helena Veras Saldanha, pai dos seguintes filhos: Newton, Antonio, Sebastião, Joaquim, Maria do Socorro, Maria Auxiliadora e Francisca Saldanha. Grande fazendeiro e criador, com propriedades nos municípios de Caraúbas e Campo Grande. Beni Saldanha, como era mais conhecido, no dia 18 de abril de 1933, na condição de prefeito do Apodi, determinou que dois de seus capangas trouxessem coercitivamente, o coronel Lucas Pinto até sua presença, mas precisamente no 1º andar do prédio da Prefeitura Municipal. Com a chegada do Coronel Lucas Pinto, Benedito Saldanha de posse de um exemplar de um jornal e, o enrolado em forma de bola, disse que iria fazê-lo engolir a seco as denúncias contra ele, Benedito Saldanha, contidas naquele jornal. De imediato, ouve-se uma voz advinda da escada que dava acesso ao pavimento superior, cujo eco era de autoria da pessoa conhecida popularmente “DECA DE CAVACO”, colocando medo no valentão Benedito Saldanha, ao ver surgir aquela pessoa, este havia sido avisado por um popular. Ao chegar no salão da prefeitura, Deca Cavaco foi logo derrubando com uma rasteira a dois capangas que tentaram impedir seu acesso ao gabinete do prefeito. Ele antes de tal coragem já tinha bebido um copo de cachaça, fato acontecido na bodega de um senhor conhecido pela alcunha de ‘CHICO CEGO”.
Já no interior da Prefeitura Deca Cavaco de posse de belo punhal que conduzia à cinta e, sem meias palavras o cravou sobre a mesa, afirmando que: “Meu padrinho Luquinha, se o senhor tiver de comer este jornal, você – Benedito Saldanha, também terá de comer outro. Nesse ínterim, o Coronel Benedito Saldanha estava acompanhado de seguranças, na época chamados de jagunços ou capangas. O valentão Benedito Saldanha verificando a grande firmeza de Deca não teve outra solução, ou seja, a de desistir de sua louca vontade e, covardemente ou reconhecedor, convidou-o para posteriormente, beberem e jogarem baralho, tendo Deca respondido-lhe que não bebia nem jogava com bandido. Retirando do recito, com cuidado, acompanhado de Lucas Pinto. De acordo com o senhor Alaires Dias
de Freitas, o conhecidíssimo “VELHO LALÁ”, natural de Apodi, nascido a 13 de novembro de 1934, filho de DOMINGOS FREIRE DE FREITAS, natural de Apodi, nascido em 15/9/1899 e falecido em 7/6/1989, filho de Pedro Advincula Freire Silveira e de Querobinda Balbina de Freitas; e de Dona ADOLPHINA CÂNDIDA DIAS, natural de Apodi, nascida em 18/10/1903 e falecida em 27/4/1997, filha de Hermínio Tolentino Alves de Oliveira e de Petronila Pastora do Patrocínio, disse-me que o Deca Cavaco era um tipo leopardo na agilidade e um lobo na agressividade.
Obs.: No livro “APODI, SUA HISTÓRIA”, de autoria do saudoso Valter de Brito Guerra (12/08/1923 – 11/09/2002), página Nº. 57, cita BENEDITO DANTAS SALDANHA, porém, acho que não existe essa pessoa, pode existir, porém, o pesquisador deveria ter mencionado BENEDITO VERAS SALDANHA. Pesquisei bastante em Campo Grande, Caraúbas, Apodi e Mossoró e não encontrei esse Benedito Dantas Saldanha. Portanto, o nome certo deve ser mesmo BENEDITO VERAS SALDANHA. Em Mossoró tem uma rua com o nome BENEDITO SALDANHA DA SILVA. Atenção!!! Pesquisador Marcos Pinto, tente elucidar esse equivoco ou certeza provocado pelos antigos pesquisadores apodienses. Talvez, Vossa Excelência tenha a biografia de BENEDITO DANTAS DALDANHA. Com certeza existe uma controvérsia já que o livro do saudoso Valter Guerra no que diz respeito, de grafar BENEDITO DANTAS SALDANHA, e sim BENEDITO VERAS SALDANHA.
# LUIZ FERREIRA LEITE - 24/7/1933 a 17/7/1934
LUIZ FERREIRA LEITE, natural de Apodi, nascido em 24/7/1924, filho do coronel João Ferreira Leite e Cristina Veras Leite, casado com Josetina Leite Pinto, filha de Miguel Ferreira Pinto e de Isabel Zenobia Pinto. Sua nomeação devera-se ao seu irmão, o coronel João Ferreira Leite (25/2/1878 – 5/3/49), comerciante e radicado em Mossoró e que era um dos 86 liberais que sufragaram o nome de Getúlio Vargas, na eleição de 1930. Além de que o mesmo João Leite tinha uma filha casada com o irmão de Mário Câmara, chefe de gabinete de Getúlio Vargas. Protegido por Mário Câmara, ele manteve-se atrelado ao cargo de prefeito até 16 de julho de 1934. Sua gestão administrativa não passou de atos de rotina. Ele foi o mandante da morte do prefeito Francisco Ferreira Pinto.
# TENENTE PM ABÍLIO CAMPOS - 17/7/1934 a 12/11/1935
# ADRIÃO BEZERRA DE MENEZES - 12/11/1935 a 2/2/1936

ADRIÃO BEZERRA DE MENEZES, nascido na povoação de Malhada Vermelha no dia 15 de outubro de 1863, filho de Joaquim Bezerra de Menezes e de Maria 0límpia de 0liveira. Era casado com Francisca Noronha. Ele ocupou vários cargos eletivos, dentre os quais o de antigo Intendente Municipal em várias vezes legislaturas, no município de Apodi, como também exerceu o cargo de prefeito nomeado de Apodi, governando de 12 de novembro de 1935 a 2 de fevereiro de 1936, por ato governamental assinado pelo governador Rafael Gurjão Fernandes (24/10/1891 – 11/6/1952). Foi delegado de polícia no município de Apodi no período de 1933 a 1935. Era genitor de Elisa Menezes, primeira professora de Malhada Vermelha no ano de 1928.
Adrião Bezerra faleceu na noite do dia 12 de outubro de 1955, com 92 anos de idade.
CEL LUCAS PINTO - 2/2/1936 a 01/8/1937
Natural de Apodi-RN, nascido a 11 de outubro de 1899 e faleceu em sua terra natal, no dia 6 de fevereiro de 1981, com 82 anos de idade. Filho de CASSIMIRO FERREIRA PINTO e de VICENCIA GOMES DE OLIVEIRA. Foi um dos primeiros estudantes do Grupo Escolar Ferreira Pinto, através do professor Antônio Lourêncio Dantas. Casou-se em 9 de novembro de 1924, com ADALGISA PINTO DA SILVEIRA, natural de Apodi-RN, filha de Lucas Soares da Silveira e de Zulmira Ferreira Pinto, no Cartório de Apodi.
Teve três filhos: JULIETTA, que faleceu na infância; NEWTON PINTO (04/02/1926 – 18/03/2002), foi Juiz de Direito, Desembargador, chegando a presidência do Tribunal de Justiça, tomando posse em 21 de março de 1975; deputado estadual em várias legislaturas. Casado com NAIR MONTE, com dois filhos: MARCOS AGOSTINHO DO MONTE PINTO (09/08/1963), casado com Paula Consuello de Araújo Arcoverde Pinto, nascida a 29 de abril de 1968, filha de José Wellington e Paula Francinete de Araújo e o Dr. GUILHERME NEWTON DO MONTE PINTO; e O Dr. JOSÉ DA SILVEIRA PINTO, formado em medicina, foi prefeito do Apodi, no período de 31 de março de 1958 a 31 de março de 1958. Depois se elegeu deputado estadual.
Na infância e juventude Lucas Pinto dedicou-se à agricultura, plantando algodão, feijão e milho nas terras do sítio Pequé, ajudando os pais, a quem dedicava extremada afeição.
Da agricultura enveredou para as atividades comerciais, colocando-se na firma JAZIMO E PINTO, onde se tornou sócio tempo depois. Em 1927, estabeleceu-se por conta própria com loja de tecidos. Daí em diante tornou-se fácil a tarefa de enriquecimento. Instalou novos negócios, inclusive um beneficiamento (descaroçador) de algodão, passando a ser o maior exportador desse produto agrícola e de cera de carnaúba de Apodi e região.
Foi considerada uma das maiores fortunas individuais do Oeste Potiguar, possuidor de muitos bens e muito dinheiro. Durante anos foi uma espécie de banco. Emprestando dinheiro a juros aos agricultores, criadores, comerciantes. Chegou a possuir 40 propriedades rurais, as quais eram entregues aos moradores que as exploravam sem pagar nenhuma renda. Este fato causava admiração a muita gente, pois seu Luquinha era considerado por muitos como um homem mesquinho.
Uma de suas características marcantes, muito propalada, era a rigorosidade no limite dos seus gastos pessoais. E zelo extremado por tudo que lhe pertencia. Desde muito jovem nunca gastava mais do que o que ganhava. Era um poupador por convicção.
Trabalhava dezesseis horas por dia. Às duas da madrugada já estava de pé, acordando empregados e operários. Costume que não falhava, era sair de casa com um farol aceso na mão, naquela hora, dirigindo-se ao seu escritório, onde dava ordens aos seus funcionários.
Nos negócios comerciais e financeiros era rigoroso e exigente. Não gostava de dispensar nada. Para os amigos fiéis, entretanto, facilitava o que fosse possível.
Lucas Pinto usava um tratamento bastante curioso para se comunicar com as pessoas. Para dar ordens, tratar de assuntos comerciais e outros. “Meu Caboclo” era a frase usada com freqüência pelo incansável comerciante. Falando de eleição costumava dizer: “o nosso candidato está eleito, meu caboclo”. Chamando a atenção de empregados, quando estavam errados em suas obrigações era comum usar, rigorosamente o tratamento “meu cabloco” no lugar do nome. Um velho hábito de Lucas Pinto
“O MAIS PRESTIGIOSO POLÍTICO DE TODOS OS TEMPOS DE APODI E REGIÃO’. PREFEITO NOMEADO EM QUATRO PERÍODOS”. A FAMÍLIA PINTO QUE COMANDOU A POLÍTICA POR VÁRIOS ANOS, INTERROMPIDA EM 18 DE FEVEREIRO DE 1963, COM A CASSAÇÃO DO PREFEITO JOÃO PINTO, RETORNA AO COMANDO NOVAMENTE DA POLÍTICA APODIENSE COM GORETE PINTO, QUE APESAR DE NÃO SER PINTO, E SIM, SILVEIRA, É CASADA COM O DR. KLINGER PINTO, TENDO EM VISTA QUE A MESMA FOI CANDIDATA A PREFEITO PELO PMDB. SE A MESMA E FOIA VITORIOSA NO PLEITO ELEITORAL DO DIA 5 DE OUTUBRO, COMO A PRIMEIRA MULHER APODIENSE A SER PREFEITA”.
#CEL LUCAS PINTO - 01/8/1937 a 27/12/1937
# CEL LUCAS PINRO - 27/12/1937 a 23/9/1940
PADRE 0RÍGEM MONTE - De 23/9/1940 a 25/3/1944
Origem Monte, natural de Natal, filho de Pedro Alexandre do Monte e de Belarmina Sobral do Monte. Ordenou-se sacerdote já sexagenário, depois de enviuvar. Era irmão do Cônego Luiz Gonzaga do Monte, nascido em 3 de janeiro de 1905 e falecido em 18 de fevereiro de 1944 e de DOM NIVALDO MONTE, nascido em 15 de março de 1918 e falecido em 10 de novembro de 2006, o qual havia celebrado sua primeira missa no dia 14 de maio de 1940.
# MAJOR PM JOAQUIM TEIXEIRA DE MOURA - De 25/3/1944 a 27/5/1945
Coronel Joaquim TEIXEIRA, nasceu para ser soldado. Policial Militar da gloriosa Polícia Militar do Estado do Rio Grande do Norte, rigoroso no garbo, quase perverso por obrigação do ofício. Valente e rigorosíssimo no cumprimento dos deveres e das ordens que recebia. De cultura elementar, a prática ensinou-o a completar- para o que a vida lhe dera: ser policia militar.
LUIZ SULPINO DA SILVEIRA JÚNIOR - 27/5/1945 a 28/11/1945
DR. JOSÉ MOZART MENESCAL- 28/11/1945 a 19/3/1946
Dr. Mozart, natural de Mossoró, nascido em 26 de maio de 1908 e falecido em 22 de maio de 1984. Bacharel em direito pela Faculdade de Recife, turma de 1940. Foi Juiz de Direito e professor.
# CEL LUCAS PINTO – (19/3/1946 a 22/4/1948)

PREFEITOS CONSTITUCIONAIS

01 – FRANCISCO HOLANDA CAVALCANTE
08/11/1918 – 11/05/2008)
FRANCISCO DE HOLANDA CAVALCANTE, vulgo ‘NENEM HOLANDA’, nasceu no casarão da Fazenda Passagem Limpa, à época no município de Apodi, hoje no de Severiano Melo, nascido em 8 de novembro de 1918, filho de Laurindo Holanda Cavalcante e de Laurida Holanda Cavalcante. Casou-se em 31 de outubro de 1954, com Maria do Carmo Holanda, natural de Apodi, nascida em 21 de julho de 1927, filha de Inácio Gabriel Maia e de Alzira Magna Maia, com os seguintes filhos: Dra. MARIA APARECIDA MAIA HOLANDA TARZIS, nascida a 14/8/1956; Dra. MARISE MARIA HOLANDA DE MELO, nascida 2/8/1960, casada com Pedro Terceiro de Melo, natural de Apodi, nascido a 25/7/1956; e ÂNGELA MARIA DE MELO FREIRE, nascida a 6/9/1963, casada com Dr. Ivo, natural de Apodi, nascido em 21/5/1953, filho de FRANCISCO PAULO FREIRE (18/01/1927), filho de Francisco Eduardo Freire e de Francisca Cristina Freire; e de BENEDITA FERREIRA FREIRE, natural de Catolé do Rocha-PB, nascida a 8 de março de 1933, filha de Miguel Ferreira de Araújo e de Maria Antonia, com uma filha de nome: IVNA CRISTINA DE MELO FREIRE. Foi o segundo prefeito constitucional de Apodi, eleito em 21 de março de 1948 e tomou posse em 31 de abril de 1948, juntamente com seu companheiro de chapa, na pessoa de Antonio Lopes Filho, que governaram o Apodi até 31 de março de l953. Foi o primeiro prefeito constitucional, eleito em 3 de outubro de 1954, juntamente com seu companheiro de chapa o saudoso Rui Bessa Nunes.
Neném Holanda era abaixo de Deus, no Apodi e região, não tinha outro, ele salvava. Essa é uma frase corriqueira na camada mais humildes da população apodiense, que define muito bem o que bem o farmacêutico Francisco Holanda Cavalcante representava para o povo de Apodi. Ele foi um dos poucos exemplos de que o poder nem sempre é capaz de transformar as pessoas. Neném Holanda também foi candidato a deputado estadual, fato que poucos apodienses, itauenses e severianenses sabem, tamanha era a sua descrição. Faleceu em sua residência em Apodi no dia 11 de maio de 2008, aos 90 anos de idade
Eleito em 21/3/1948 - Posse em 22/4/1948 - Governou até 31/3/1953
VICE PREFEITO
ANTONIO LOPÉS FILHO, natural de Apodi, nascido a 10 de maio de 1890 e faleceu em 2 de março de 1955, filho de Antonio Lopes Correia Pinto (9/10/1846 – 19/10/1919) e Maria Olímpia de Oliveira. Casou-se em 27 de julho de 1914, com Armandina de Góis Nogueira, filha de Aristeu de Góis Nogueira e Cassimira Leite, com os seguintes filhos: 1 - ROBSON LOPES, nascido a 28 de agosto de 1927 e falecido a 28 de dezembro de 1991, casou-se em 12 de abril de 1953, com FRANCISCO PAIVA MELO LOPES, natural de Apodi, nascida a 28 de julho de 1937 e falecida a 5 de maio de 2004, filha de RAIMUNDO RÉGIS MELO, filho de Severiano Régis de Melo e Joana Maria Regis de Melo; e de FRANCISCA AUGUSTA, com os seguintes filhos: DR. AMÍLCAR VARO LOPES DE GÓES MELO, nascido a 7 de fevereiro de 1956, casado com MARIA VANDA LOPES PINTO, natural de Apodi, nascida a 7 de fevereiro de 1956, filho de Raimundo Valcides Pinto, natural de Apodi, nascido a 25 de fevereiro de 1936, filho de Euzébio Alves Pinto e Laura Sizenando de Sena; e Maria de Lourdes Bezerra Cavalcante, com os seguintes filhos: LEILA NATALY LOPES PINTO, nascida a 8 de junho de 1975, ADRIANO RAXAEL LOPES PINTO, nascido a 28 de fevereiro de 1977 e ALINE MIRIELLY PINTO LOPES, nascida a10 de agosto de 1978; ANTONIO CLAUDIUS APHIGENIUS AUGUSTO DE PAIVA MELO LOPES DE GÓES, nascido a 9 de maio de 1963, casou-se com MARTA MOREIRA GURGEL, natural de Apodi, nascida a 21 de dezembro de 1962, com dois filhos: IGOR GURGEL LOPES, nascido a 29 de março de 1989 e MONALISIA GURGEL LOPES, nascida a 14 de março de 1994, e atualmente convive com FRANCISCA IVANILDES, nascida 29 DE JANEIRO DE 1975; NADJA CATHERINE PIETROWSTA AUGUSTO DE PAIVA LOPES DE GÓES, nascida a 20 de junho de 1959, foi casada com o professor João Manuel de Souza, natural de Apodi-RN, nascido a 26 de junho de 1969, filho de Manuel Antonio de Souza e de Maria Açucena de Souza, com dois filhos: KENIA CRISTINA CRISTIANA LOPES SOUZA, nascida a 13 de janeiro de 1976 e ÂNGELO EMANUEL LOPES SOUZA, nascido a 30 de março de 1980; ROXANA NICAULIS PAULOVLA AUGUSTO DE PAIVA MELO LOPES DE GÓES, nascida 6 de julho de 1964, casada com Francisco Aniceto de Oliveira Neto, natural de Apodi, nascido a 9 de outubro de 1963, filho de Inácio Pereira Torres e Raimunda Eufrásio de Oliveira, com dois filhos: FERNANDA RAVENA LOPES DE OLIVEIRA e HERODES RODRIGO LOPES DE OLIVEIRA e Jocasta Alessandra Cibele Augusto de Paiva Melo Lopes de Góes, casada com Francisco Viana de Paiva, com dois filhos: Isabele Virginia Lopes Paiva e Ivana Cibele Lopes de Paiva 2 - ANTONIA NAIR LOPES, casou-se em 28 de maio de 1944, com Valter de Brito Guerra, nascido a 12 de agosto de 1923 e faleceu a 11 de setembro de 2002, filho de Carlos Barromeu de Brito Guerra e de Maria Bezerra Guerra, com os seguintes filhos: GERSON LOPES GUERRA, nascido a 22 de dezembro de 1946 e faleceu a 30 de outubro de 1980; JOSÉ NARCISIO GUERRA, falecido a 23 de junho de 2003; Dr. WILLIAM LOPES GUERRA, nascido a21 de agosto de 1951; NILSON LOPES GUERRA, Dra. INEZ VÃNIA LOPES GUERRA SOUZA, nascida a 17 de agosto de 1952; LIGIA LOPES GUERRA SOUZA, SERGIO LOPES GUERRA, SORAIA LOPES GUERRA, RILDO LOPES GUERRA. 3 FRANCISCO LOPES. 4 – RAIMUNDA LOPES GUERRA. 5 – HELLEN LOPES GUERRA DE CARVALHO. 6 – MARIA LOPES GUERRA LOPES.

02 – Dr. JOSÉ DA SILVEIRA PINTO
Eleito em 7/12/195 - Posse em 31/3/1953 - Governou até 31/3/1958
RESULTADO:
Dr. José Pinto (PSD) - 2579
Vice – Júlio Marinho (PSD) – 2549
Raimundo G. da Nóbrega (PR) – 1.871
Vice – Luís Sulpino da Silveira Júnior – 1888
Maioria em prol do vitorioso foi de 708 votos
JOSÉ DA SILVEIRA PINTO, formado em medicina, foi prefeito do Apodi, no período de 31 de março de 1958 a 31 de março de 1958. Depois se elegeu deputado estadual. Filho do saudoso Coronel Lucas Pinto e de Adalgisa Pinto da Silveira. Encerrou sua carreira política em 15 de novembro de 1968, quando naquele pleito eleitoral municipal tentou retornar a Prefeitura, porém, foi derrotado por Valdomiro Pedro Viana, candidato da ARENA 1, com os seguintes resultados: Valdemiro obteve 2.985 e Dr. José Pinto, com 2.446, com uma maioria 538 sufrágios em prol de Valdomiro. O vice do candidato vitorioso foi Julio Marinho, enquanto, a do derrotado foi Maria Romana Leite, natural de Apodi, nascida 22 de abril de 1925, atualmente com 83 anos de idade, residente em Apodi, à Rua Nossa Senhora da Conceição – Centro, filha de Luiz Victor de Barros e Abília Romana Leite. Era casado com MARIA ZILAR HOLANDA PINTO, pai de um filho: FLÁVIO HOLANDA PINTO (07/6/1962)
VICE PREFEITO
VICE – Júlio Marinho de Oliveira – 1ª vez
JÚLIO MARINHO DE OLIVEIRA, natural de APODI, nascido a de novembro de 1911 e falecido em 5 de novembro de 1992, filho de Braz Marinho de 0liveira (02/02/1879 – 22/04/1943) e de Francisca Antonia da Mota.Casou-se com ABÍLIA Marinho de 0liveira, nascida em 9 de abril de 1911, faleceu em sua residência, na Rua Sebastião Sizenando, em Apodi, a 9 de junho de 2008, com quase um século de vida, filha de Manuel Marinho de Oliveira (5/01/1898 – 05/06/1939) e de Antonia Rufina de Oliveira, desse casamento houve 10 filhos: CELSO MARINHO DE OLIVEIRA, nascido em 25 de outubro de 1936 e falecido em 21 de agosto de 1995, casado com Maria Diógenes de Oliveira, nascida em 14 de dezembro de 1931, filha de Valdemiro Custódio de Oliveira e de Cecília Diógenes de Carvalho, com os seguintes filhos: Francisco Eliesio Marinho, Francisco Erivan Marinho, Celso Marinho Júnior, Carlos Kleber Marinho, Enay Marinho de Oliveira, Heloizer Marinho de Oliveira, Antonia Edna de Oliveira e Edneide Marinho De Oliveira; CLETON MARINHO DE OLIVEIRA; CELCINA MARINHO DA SILVEIRA, CELESTINA MARINHO DE OLIVEIRA, EUGÊNIO MARINHO DE OLIVEIRA, CLEODON MARINHO DE OLIVEIRA, casado com Antonia Alvaci Gama Marinho, natural de Apodi, filha Francisco de Paulo Gama e de Adelice Avelina Bezerra, com dois filhos: FRANCISCO CLEANO GAMA MARINHO, nascido em 27 de janeiro de 1975 e CLEBER GAMA MARINHO, nascido em 24 de agosto de 1978; CLIDENOR MARINHO DE OLIVEIRA, nascido em 4 de agosto de 1947, casado com Maria de Lourdes Viana Marinho, nascida em 14 de maio de 1961, filha de José Valdevino de Oliveira e Terezinha Viana de Oliveira, com dois filhos: ROBERTO VIANA MARINHO, nascido em 9 de janeiro de 1998 e RICARDO VIANA MARINHO, nascido em 5 de abril de 2003; JOSÉ MARINHO DE OLIVEIRA ,solteiro, nascido em 27 de maio de 1948; FRANCISCO JÚLIO MARINHO, nascido em 20 de julho de 1951, casado com Maria Lucineide Nogueira Marinho; e JÚLIO MARINHO FILHO, nascido em 6 de janeiro de 1953 casado com Maria Fernandes; JULIO MARINHO DE OLIVEIRA, nascido a 6 de janeiro de 1953, casado com MARIA DA SAÚDE PINTO MARINHO, nascida em 4 de setembro de 1956, filha de Sebastião Paulo Ferreira Pinto (14/11/1888 – 01/10/1974, filho de Sebastião Paulo Alves e Maria Januária Bezerra Cavalcante (30/11/1861 – 19/06/1949); e de Maria de Oliveira Pinto, filha de Sebastião Gurgel Pinto e Maria Alkves Ferreira, com os seguintes filhos: Dr. EUGENIO MARINHO DE OLIVEIRA, nascido em 15 de abril de 1975, formado em medicina; ÉRICA PINTO MARINHO (23/12/1976), formada em Farmácia; EURIVEK ÉRIKO PINTO MARINHO (13/12/1979), ELISANGELA PINTO MARINHO (12/5/1980), formada em medicina, esta foi a primeira apodiense formada em doutorado em Química Industrial, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, turma de 2004; e EDRINE PINTO MARINHO (21/2/82), formada em Direito (16/09/1950). MARIA DAS GRAÇAS PINTO e MARIA DA PAZ PINTO; MARIA GORETE MARINHO, nascida em 6 de março de 1955, casada com ANTONIO FLORÊNCIO NETO, natural de Apodi, nascido em 11 de fevereiro de 1950, filho de Raimundo Cabral dos Santos ( 25/12/1925 – 13/7/2005), filho de Joaquim Cabral de Oliveira; e de Raimunda Martinha do Carmo, natural de Apodi, nascida em 25 de novembro de 1925 e falecida em 7 de maio de 2007, filha de Antonio Oliveira e de Carmina Caetano de Oliveira, com os seguintes filhos: Manoel Claiton Cabral dos Santos, nascido em 11 de novembro de 1973, Maria Cláudia.
Foi um dos apodienses mais ricos, começando de agricultor, comerciante e empresário. Além de ter sido um político forte, o qual se envolveu em todas as lutas políticas, desde 1934, ao lado do Coronel Lucas Pinto. Em 1948, foi eleito vereador pelo PSD e em 1952, elegeu-se vice-prefeito com o Dr. JOSÉ DA SILVEITA PINTO. .Faleceu em Apodi em 5 de novembro de 1992.
03 – JOÃO DA SILVEIRA PINTO
JOÃO DA SILVEIRA PINTO – Eleito em 7/12/1958 - Posse em 31/3/1958 - Governou até 18/02/1963
RESULTADO DO PLEITO ELEITORAL:
João PINTO PSD) - 1.709
Vice – Isauro Camilo – 2.019
Custádio Dantas da Silva (UDN) – 1.090
Vice – João de Deus Ferreira Pinto 775
Maioria em prol do vitorioso foi de 619 votos
Dr. João Pinto, natural de Apodi-RN, em 26/10/1918 e falecido em Mossoró-RN, em 21/01/2003, filho do Coronel Francisco Ferreira Pinto e de Maria Salomé Diógenes Pinto(primeira eleitora apodiense, em 1928). Era casado com Cesarina de 0liveira Pinto (26/03/1921 – 24/07/1998).
OBS.: João Pinto, faltando menos de dois meses para terminar seu mandato, mas precisamente em 18 de fevereiro de 1963, foi cassado pela Câmara Municipal, que tinha como presidente o senhor Izauro Camillo, vice-prefeito e como primeiro presidente, o vereador Pedro Valdomiro Viana,. Quem assumiu a prefeitura foi o vereador Valdomiro Pedro Viana, o qual foi o responsável pela transição, passando o cargo para o prefeito Izauro Camilo de Oliveira. Portanto, João Pinto foi o único prefeito de Apodi cassado.
Vice – Izauro Camilo de 0liveira.
1 – Dr. FRANCISCO ALCIVAN PINTO, nascido a 7 de setembro de 1938 e faleceu em 6 de agosto de 1996, casado com 2 – ANTONIA PINTO GADELHA 3 – JOSÉ AURIVAN PINTO 4 - JOÃO PINTO FILHO; 5 – LÁZARO DE OLIVEIRA PINTO
6 – LUZIA DE OLIVEIRA PINTO
7 – CÉSAR DE OLIVEIRA PINTO;
8 – TARCÍSIO DE OLIVEIRA PINTO;
9 – MARIA DAS GRAÇAS PINTO
10 – FRANCISCO PINTO NETO
11 – MARIA DA CONCEIÇÃO PINTO DIÓGENES, casada com José Vandilson Diógenes, com os seguintes filhos: SILVANIA PINTO DIÓGENES PINTO (09/8/1964) E MAX WENDER PINTO (20/03/1963)
04 – VALDEMIRO PEDRO VIANA = 1ª VEZ
Na condição de 1º Vice-presidente da Câmara Municipal de Apodi, tomou posse em 18 de fevereiro de 1963 e administrou o Poder Executivo apodiense até 31 de março de 1963, em virtude do afastamento do prefeito João Pinto. O vice-prefeito, na pessoa de Izauro Camilo não assumiu a titularidade, tendo em vista que, o mesmo havia sido eleito prefeito
05 – IZAURO CAMILO DE OLIVEIRA
05 – IZAURO CAMILO DE OLIVEIRA – Eleito em 7/10/1962 - Posse em 31 de março de 1963 e governou até 31 de março de 1969
RESULTADO:
Isauro Camilo (UDN) – 2.096
VICE – Manoel Antonio de Souza – 2.011
Dr. Newton Pinto (PSD) – 1.932
VICE – Júlio Marinho 1.758
Maioria em prol do vitorioso foi de 164 votos

ISAURO CAMILO, natural de Apodi, nascido em 5 de julho de 1906 e falecido em 25 de fevereiro de 1990, filho de Raimundo Casado de Oliveira e Francisco Maria da Conceição. Casou-se em 20 de maio de 1935, com Maria Gomes de Oliveira, conhecida popularmente por Dona MARICA nascida a 12 de dezembro de 1912 e falecida em 5 de maio de 2005, com quem teve três filhos: RAIMUNDA GOMES DE OLIVEIRA (19/9/1938 – 14/4/2003), Dona Mundinha, casada com Francisco Chaves Sizenando, natural de Apodi, nascido em 8 de agosto de 1934, filho de Manuel Cícero de Lima e Maria Pereira Torres ; RAIMUNDO GOMES DE OLIVEIRA (PRETO), nascido em 27 de março de 1941; e JOÃO GOMES DE OLIVEIRA (DANDINHO).
VICE-PREFEITO
Manoel Antonio de Souza – (01/10/1906 – 24/07/1969)
MANOEL ANTONIO DE SOUZA, natural de Apodi, nascido a 1º de outubro de 1906 e falecido em 24 de julho de 1969. Casado com MARIA ACUCENA DE SOUZA, natural de Apodi, filha de Sebastião Gomes de Oliveira e de Isabel Aprigida de Carvalho, não havendo descendência, mais esse casal criaram dois primos: JOÃO MANUEL DE SOUZA. Nascido a 26 de junho de 1969, casado em primeiras núpcias com NADJA CATHERINE PIETROWSTA AUGUSTO DE PAIVA MELO DE GOES, natural de Apodi, nascida a 20 de junho de 1959, filha de Robson Lopes e Francisca Paiva Melo Lopes, com dois filhos: KENIA CRISTIANA LOPES SOUZA (13/1/1976) e ÂNGELO EMANUEL LOPES SOUZA (30/03/1980) e em segundas núpcias com ANTONIA DE FÁTIMA DE SOUZA PINHEIRO, natural de Apodi, nascida a 13 de março de 1970, filha de França Pinheiro e Adalgisa Maria Pinheiro de Souza, com dois filhos: MANOEL ANTONIO DE SOUZA NETO e SONIA VICTORIA DE SOUZA. E Maria da Saúde Souza Silva, casada com Zé Patu. Foi vice-prefeito na chapa de Isauro Camilo de Oliveira, eleito em 7 de outubro de 1962, tomou posse como vice-prefeito e Presidente da Câmara Municipal em 31 de março de 1963 e administrou até 31 de março de 1969, quando passou o cargo para Julio Marinho de Oliveira. É patrono da Câmara Municipal de Apodi, situada na Rua São João, nº 27.
SECRETÁRIOS
EDUCAÇÃO - RAIMUNDA GOMES DE OLIVEIRA, Dona Mundinha, nascida a 19 de setembro de 1938 e faleceu a 14 de abril de 2003, filha de Isauro Camilo de Oliveira e de Maria Gomes de Oliveira (12/12/1912 – 05/05/2005). Casada com Francisco Chaves Sizenando, natural de Apodi, nascido em 8 de agosto de 1934, filho de Manuel Cícero de Lima e Maria Pereira Torres.
FINANÇAS – FRANCISCO CHAVES SIZENANDO, natural de Apodi, nascido a 8 de agosto de 1934, filho de Manoel Cícero de Lima, natural de Apodi, nascido em 1901 e falecido em 1976; e de Maria Pereira Torres. Casado em primeiras núpcias com Raimunda Gomes de Oliveira, filha do saudoso prefeito Isauro Camilo de Oliveira.
TESOUREIRO: ANTONIO FRANCISCO DE MORAIS, conhecido popularmente por “TOINHO MORAIS” natural de Apodi-RN, nascido em 4 de outubro de 1934, filho de Luiz Nogueira de Oliveira (02/08/1902 – 04/06/1988), filho de Vicente Balbino Nogueira e de Maria Tereza de Oliveira; e de Maria Carmelita de Oliveira, filha de Francisco Solano Magno. Casado com Antonia Raimunda de Morais, natural de Apodi, nascida a 4 de outubro de 1939, filha de José Tito de Oliveira e de Benedita Ferreira de Lima. Pai dos seguintes filhos: EDNA MARIA DE CARVALHO, casado com Milton Ferreira Sales, natural de Apodi, nascido a 6 de junho de 1955. Filho de Francisco Joaquim de Sales (23/11/1914 – 7/12/1987, filho de Manoel Galvão Neto e de Maria da Conceição; e de Raimunda Ferreira Sales (01/05/1918 ), filha de Damião Ferreira Cavalcante e de Mônica Ferreira Cavalcante; Francisco Boanerges Carvalho de Morais; Maria Elizete de Morais; Maria Edijaneide de Morais; Geovane Carvalho de Morais; Francisco Boanerges de Morais; Maria Lucineide de Morais; e Maria Eriene de Carvalho Morais. Ingressou na Prefeitura Municipal de Apodi no dia 3 de novembro de 1954, na administração do Prefeito José da Silveira Pinto, permanecendo por 39 anos e seis meses, ou seja, foi transferido para inatividade em março de 1996. Na primeira administração de Isauro Camilo seu Toinho Morais passou a exerceu a função de Tesoureiro da Prefeitura de Apodi, passando pelas administrações de Valdemiro Pedro Viana, em dois mandatos, a segunda vez de Isauro Camilo; Hélio Morais Marinho e Simão Nogueira Neto, totalizando assim 30 anos.
CONTADOR – LUÍS JÁCOME06 – VALDEMIRO PEDRO VIANA
VALDEMIRO PEDRO VIANA – Eleito em 15/11/1968 - Posse em 31/3/1969 - Governou até 31/01/1973. RESULTADO: Valdomiro 4.064 votos; José Pinheiro Bezerra 2.289. Maioria em prol de Valdemiro foi de 776 sufrágios. O candidato à vice do derrotado foi Geraldo de Freitas Rêgo
VALDOMIRO PEDRO VIANA, Natural de Apodi, nascido em 17 de maio de 1925 e falecido em 2 de junho de 2001, filho de Manoel Pedro Joaquim Viana e de Francisca Antonia de Oliveira. Casado com MARIA FERNANDES DE SOUZA, natural de Apodi, nascida em 25 de dezembro de 1932, filha de Manuel Francisco de Souza Filho e de Sebastiana Gurgel Fernandes, com os seguintes filhos: GILVAN VIANA DE SOUZA, nascido em 2 de agosto de 1956; SEBASTIANA VIANA DE SOUZA BEZERRA, nascida em 4 de maio de 1953 e falecida em 20 de novembro de 2006, casada com NIGÉRIO ALVES BARBOSA, natural de Nova Cruz-RN, com um filho – FRANCISCO IVANILSON VIANA BARBOSA, nascido a 7 de janeiro de 1975, casado com Aldivanisa da Costa Gomes Viana, natural de Apodi, nascida a 22 de março de 1975, filha de Antonio Gomes e Aldeísa da Costa Gomes, com três filhos: SAMUEL GOMES VIANA (02/09/1991), ANA PAULA GOMES VIANA (22/03/1993) e ANA CRISTINE GOMES VIANA (22/12/1994); RITA VIANA; MARIA VILMACY VIANA DOS SANTOS, nascida em 11 de maio de 1962, PEDRO VALDOMIRO FILHO, nascido em 26 de setembro de 1964; MARIA DILMA VIANA E CASTRO, nascida em 29 de março de 1969, era casada com o saudoso JOÃO ALVES DE CASTRO, natural de Alexandria-RN, filho de Francisco Curioso de Castro e Valda Alves de Oliveira ANTONIO VIANA DE SOUZA, nascido em 13 de julho de 1963; e VANUSA VIANA DE SOUZA, nascida em 15 de dezembro de 1968.
Por duas vezes prefeito de Apodi
Valdomiro antes de ingressar na política, pela mão do inseparável amigo, Isauro Camilo de Oliveira, foi pedreiro, oleiro, marceneiro, barbeiro, improvisador de versos, acima de tudo agricultor e comerciante. Mas destacou-se mesmo, até ingressar no mundo conturbado das tramas eleitorais, como feitor de potes, panelas e outros objetos de barro, profissão herdada de seu pai. E, quando Isauro Camilo, certo dia, precisou de um candidato para sucedê-lo no comando da prefeitura, foi encontrá-lo amassando barro no Sitio Santa Rosa. Contudo, Valdomiro Pedro Viana, ainda teve acentuada atuação como líder comunitário, tendo sido fundador do Centro Social do Sítio Água Fria e do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Apodi,
Para causa de sua atuação como líder, demais profissões, veio a ser eleito, antes do posto de prefeito, vereador, tendo chegado a exercer a vice-presidência do Legislativo apodiense, e nesse posto chegou ao Poder Executivo, tomando posse no dia 18 de fevereiro de 1963 e administrou até 31 de março de 1963, em virtude do afastamento do prefeito João Pinto.
Casou em 1952, depois de construir ele próprio sua casa de morada, com MARIA FERNANDES DE SOUZA, dona Mocinha, de cujo casamento originou-se 10 filhos, os quais lhe deram 18 netos e três bisnetos,
Pai exemplar, bom esposo e, sobretudo, bom filho, Valdemiro Pedro Viana ficou conhecido em todos os recantos do Apodi como homem íntegro, austero administrador e amigo em todas as horas, principalmente nas mais difíceis. Um pobre não batia a sua porta para precisar de um sem que fosse atendido, a qualquer dia e qualquer hora. Deixou sua marca por seus dez anos passados como prefeito do Apodi: energia elétrica de Paulo Afonso, instalação do abastecimento d’água; sistema telefônico da TELERN,, atual TELEMAR, dentre outras obras de inestimável valor para o desenvolvimento do município de Apodi. Foi o idealizador da construção do Hospital Regional “Helio Morais Marinho”, quando começou a edificá-lo com recursos próprios da prefeitura no ano de 1978. Sou testemunha dessa idéia, no ano de 1979 trabalhei na EIL, na construção da Br 404, trecho Mossoró/Apodi e presencie o alicerce dessa obra.
Correligionário fiel, sempre apoiou Jerônimo Vingt Rosado Maia e Dalton Cunha para deputado federal e deputado estadual respectivamente em campanhas memoráveis num passado recente. Mesmo depois de deixar a prefeitura pela segunda vez, Valdemiro continuou na militância política, emprestando seu prestígio em prol de algum candidato que merecesse como foi o caso de 1986, ele apoiou Flávio Rocha, para a Câmara Federal. Homem de luta. Bravo trabalhador, incansável desenvolvimentista rural, pois até poucos dias antes de cair enfermo, ainda labutava na agricultura, cultivando a terra, criando algumas cabeças de gado, administrando uma Cerâmica no fabrício de telhas e tijolos, a Santa Rosa, situada no sítio do mesmo nome, em Apodi.
Conversador, bom orador, apesar da pouca escolaridade, pois sempre estudou com dificuldades quando criança, pois tinha que ajudar o pai no roçado e, mais tarde, empreendedor de seu próprio negócio, constituiu família muito cedo, o trabalho teve que ser redobrado, mas sem jamais esquecer os estudos, os ensinamentos de mestres e do mestre maior, seu pai que lhe mostrava os exemplos na vida cotidiana.
Valdemiro Pedro Viana, o povo do Apodi lembra sua grande obra que foi de um lutador em prol de sua terra natal.
Quando atuava como político e líder maior do Apodi, manteve encontros importantes em busca de melhores condições para o Apodi. Dentre muitos se pode citar: ministro Mário Andreazza, governador Cortez pereira, Tarcísio Maia, LAVOISIER MAIA SOBRINHO e o presidente João Baptista Figueiredo. Buscou recursos na SUDENE, órgãos federais em Brasília e outros, ganhando com isso o nome de “prefeito pidão”, ma sem jamais desisti por algum percalço ou mesmo algum não.
No pleito eleitoral municipal realizado em 15 de novembro de 1988, Valdomiro Pedro Viana foi o candidato derrotado a vice-prefeito na chapa encabeçada pelo Dr. José Pinheiro, perdendo para a professora Zuleide Marinho. Em 1992 Valdemiro foi candidato a prefeito pela legenda do PTB, obtendo apenas 50 votos.
Faleceu às 20h45min do dia 1º de julho de 2001, aos 76 anos de idade, não resistindo à doença que já lhe definhava há cinco anos. Assim, no seu sepultamento, após ser velado em sua residência, na Rua Padre Menezes, Apodi, recebeu homenagem no salão nobre da Câmara Municipal em sessão solene. Presentes ao ato estiveram os prefeitos José Pinheiro Bezerra, de Apodi; e Hulgo Costa, de Felipe Guerra; deputados federais Carlos Alberto de Souza Rosado – “BETINHO ROSADO” e Laire Rosado Filho, deputada estadual Sandra Rosado e mais a prefeita de Mossoró, a Médica Rosalba Ciarline Rosado, atual senadora da República e seu esposo, o ex-deputado estadual Carlos Augusto Rosado, os quais compareceram prestando solidariedade à família, além de vereadores de outros municípios.
Valdomiro foi um exemplo de vida, que certamente deve ser seguido, justamente quando se busca p lado humano, o trabalhador, o político honesto. Amigo incondicional dos amigos, deixou uma lacuna no cenário político-social do município de Apodi difícil de ser preenchida, principalmente, por nossos atuais políticos que são igualzinho a “maxixe”, quanto mais velho, ruim fica.
Vice – Júlio Marinho de 0liveira – 2ª vez

07 – IZAURO CAMILO DE 0LIVEIRA – 2º mandato –
Eleito em 15/11/1972 - Posse em 31/1/1973 - Governou até 31/1/1977
RESULTADO:
Isauro Camilo (ARENA 1) - 3.283
VICE – Bevenuto José de Paiva
FRANCISCO PAULO FREIRE (ARENA 2) – 2.446
VICE – Celso Marinho de Oliveira
Maioria em prol do vitorioso foi de 837 votos

VICE-PREFEITO
Vice - BEVENUTO JOSÉ DE PAIVA- (30/09/1927 – 19/04/2006)
JOSÉ BEVENUTO DE PAIVA, natural de Apodi, nascido em 30 de setembro de 1927, filho de José Alexandre de Paiva Filho, natural de Portalegre-RN, nascido em 2 de fevereiro de 1896, filho de José Alexandre de Paiva e de Maria Mafalda de Paiva; e de Josefa Etelvina de Paiva (1887 ), filha de Bevenuto José de Paiva e de Inocência de Souza. Casou-se em 30 de janeiro de 1954, com dona Aldenora Viana de Paiva (17/01/1937 – 20/07/1988), com os seguintes filhos: ANTONIO VIANA DE PAIVA, nascido a 11 de dezembro de 1959, casado com Maria Oneide Paiva Costa (13/6/60); JOSÉ ALEXANDRE SOBRINHO (11/12/1954), casado com Salizete Alves de Morais Alexandre, natural de Apodi, nascida em 01 de setembro de 1959, filha de Sebastião Alves Fernandes e de Sebastiana Batista de Morais; NILSON VIANA DE PAIVA (12/12/1968), RAIMUNDO NONATO DE PAIVA (10/6/1971) RITA DE CASSIA PAIVA, nascida em 20 de janeiro de 1974. José Bevenuto Faleceu em 19 de abril de 2006. Brevemente o jornalista JOSÉ REBOUÇAS DE PAIVA – “Jota Paiva” (17/6/1982) estará lançando o livro contendo a biografia de Bevenuto.

08 – VALDEMIRO PEDRO VIANA – 3ª vez
- Eleito em 15/11/1976- -Posse em 31/1/1977 - Governou até 31/1/1983,
RESULTADO:
Valdemiro Viana (ARENA 1) – 4.046
VICE – Hélio Morais Marinho
Dr. José Pinheiro Bezerra (ARENA 2) – 3.289
VICE – Geraldo de Freitas Rego
Maioria em prol do vitorioso foi de 757 votos
Vice – Hélio Morais Marinho
SECRETÁRIOS:

EDUCAÇÃO: ROBSON LOPES - nascido a 28 de agosto de 1927, FILHO DE Antonio Lopes Filho e de Armandina de Góis Nogueira. Casou-se em 12 de abril de 1953, com FRANCISCO PAIVA MELO LOPES, natural de Apodi, nascida a 28 de julho de 1937 e falecida a 5 de maio de 2004, filha de RAIMUNDO RÉGIS MELO, filho de Severiano Régis de Melo e Joana Maria Regis de Melo; e de FRANCISCA AUGUSTA, com os seguintes filhos: DR. AMÍLCAR VARO LOPES DE GÓES MELO, nascido a 7 de fevereiro de 1956, casado com MARIA VANDA LOPES PINTO, natural de Apodi, nascida a 7 de fevereiro de 1956, filho de Raimundo Valcides Pinto, natural de Apodi, nascido a 25 de fevereiro de 1936, filho de Euzébio Alves Pinto e Laura Sizenando de Sena; e Maria de Lourdes Bezerra Cavalcante, com os seguintes filhos: LEILA NATALY LOPES PINTO, nascida a 8 de junho de 1975, ADRIANO RAXAEL LOPES PINTO, nascido a 28 de fevereiro de 1977 e ALINE MIRIELLY PINTO LOPES, nascida a10 de agosto de 1978; ANTONIO CLAUDIUS APHIGENIUS AUGUSTO DE PAIVA MELO LOPES DE GÓES, nascido a 9 de maio de 1963, casou-se com MARTA MOREIRA GURGEL, natural de Apodi, nascida a 21 de dezembro de 1962, com dois filhos: IGOR GURGEL LOPES, nascido a 29 de março de 1989 e MONALISIA GURGEL LOPES, nascida a 14 de março de 1994, e atualmente convive com FRANCISCA IVANILDES, nascida 29 DE JANEIRO DE 1975; NADJA CATHERINE PIETROWSTA AUGUSTO DE PAIVA LOPES DE GÓES, nascida a 20 de junho de 1959, foi casada com o professor João Manuel de Souza, natural de Apodi-RN, nascido a 26 de junho de 1969, filho de Manuel Antonio de Souza e de Maria Açucena de Souza, com dois filhos: KENIA CRISTINA CRISTIANA LOPES SOUZA, nascida a 13 de janeiro de 1976 e ÂNGELO EMANUEL LOPES SOUZA, nascido a 30 de março de 1980; ROXANA NICAULIS PAULOVLA AUGUSTO DE PAIVA MELO LOPES DE GÓES, nascida 6 de julho de 1964, casada com Francisco Aniceto de Oliveira Neto, natural de Apodi, nascido a 9 de outubro de 1963, filho de Inácio Pereira Torres e Raimunda Eufrásio de Oliveira, com dois filhos: FERNANDA RAVENA LOPES DE OLIVEIRA e HERODES RODRIGO LOPES DE OLIVEIRA e Jocasta Alessandra Cibele Augusto de Paiva Melo Lopes de Góes, casada com Francisco Viana de Paiva, com dois filhos: Isabele Virginia Lopes Paiva e Ivana Cibele Lopes de Paiva.
Era um profundo conhecedor de inglês, sobre cujo idioma escreveu um livro. Foi também grande desportista, sendo fundador do primeiro time de futebol registrado APODI, estou me referindo ao CENTRO ESPORTIVO APODIENSE, fundado em 1952. Bacharel em direito, pela UFPB, Núcleo de Sousa, turma de 1976. No dia 28.12.1991, deixava de existir ROBSON LOPES, o intelectual e filósofo. Em 14 de julho de 1952 fundou em Apodi a primeira equipe de futebol, o Centro Esportivo Apodiense.
ADMINISTRAÇÃO - Gilvan Alves de Souza, natural de Apodi, nascido a 2 de agosto de 1956, filho de Valdomiro Pedro Viana e Maria Fernandes de Souza.
FINANÇAS – FRANCISCO CHAVES SIZENANDO
SAÚDE – RITA VIANA
TESOUREIRO: Antonio Francisco de Morais
CONTADOR – Luís Jácome.


10 – HÉLIO MORAIS MARINHO
HÉLIO MORAIS MARINHO - Eleito em 15/11/1982 - Posse em 31/1/1983, governou até 21/03/1985.
RESULTADO:
HÉLIO MORAIS – 4.885 votos
VICE – Dr. Ivo Freire de Araújo
BENEDITO BEZERRA DE MORAIS – 1.759 VOTOS
VICE – Manoel Antonio de Souza
PEDRO TERCEIRO DE MELO – 1225 votos
VICE - Manoel Mendes Freitas
EDMILSON LOPES (PT), 23 votos
VICE – NATALÍCIO JORGE DA SILVA

Maioria do primeiro sobre o 2º colocado foi de 3.126 votos
Hélio Morais com mandato até 1/1/1989, porém, seu mandato foi interrompido em 21/3/1985, data de seu falecimento.
Ele era natural de Apodi-RN, nascido a 8 de março de 1938 e faleceu em Natal a 21 de março de 1985. Filho de Braz Marinho Sobrinho e Zulmira Bezerra de Morais. Casou-se em 21 de julho de 1964, com a professora Maria Zuleide Marinho, natural de Apodi-RN, nascida em 26 de setembro de 1944, filha de Antonio Francisco de Lima e de Julia Senhorinha de Lima, natural de Apodi, nascida a 19 de junho de 1913, filha de Manoel Domingos do Rosário e Ana Senhorinha de Lima. Foi agricultor, comerciante de cera de carnaúba, agropecuarista. Foi vereador em três mandatos: eleito em 7 de outubro de 1962, tomou posse em 31 de janeiro de 1963; reeleito em 15 de novembro de 1968, tomou posse em 25 de janeiro de 1969; e em 15 de novembro de 1972 foi eleito pela terceira vez, tomando posse em 25 de janeiro de 1973. No período de 25 de janeiro de 1973 a 31 de dezembro de 1974 exerceu a presidência da Câmara Municipal. Em 15 de novembro de 1976 foi eleito vice-prefeito, na chapa encabeçada por Valdemiro Pedro Viana, com 4.046 votos, vencendo seu opositor na pessoa do senhor Geraldo de Freitas Rego, que obteve 3.289 votos. Tomou posse em 31 de janeiro de 1977. Em 15 de novembro de 1982 foi eleito prefeito de sua terra Natal, com 4.885 votos, vencendo seus concorrentes: Benedito José de Morais, que obteve 1.759 votos e Pedro Terceiro de Melo que obteve 1.225 votos, cujas maiorias foram: sobre Benedito foi de 3.126 votos e sobre TERCEIRO foi de 3.660, já a maioria sobre os dois adversários foi de 1901 votos. Em 21 de março de 1985 foi acometido de uma parada cardíaca fulminante quando estava em Natal. Foi corpo foi transladado para o Apodi e o sepultamento aconteceu no dia seguinte no Cemitério Público São João, com um grande acompanhamento de apodienses e de várias autoridades políticas da Região Oeste. Foi o maior sepultamento já registrado na história do Apodi, primeiro, no funeral em sua Residência na Rua Joaquim Teixeira de Moura, e posteriormente, na Igreja Matriz do Apodi. Foi necessário que a Polícia Militar organizar filas para que as pessoas dessem o último a Deus ao grande administrador
Na rápida passagem que teve à frente do Poder Executivo de Apodi, ou seja, 779 dias – 2 anos, um mês e 21 dias, ele deu início aos projetos da Rodoviária “JOSÉ FERREIRA LEITE - “Derim Leite” (30/12/1918 – 05/11/1982), inaugurada em 1987; Hospital Regional, inaugurado em 19 de agosto de 1987, pelo seu sucessor, Dr. Ivo de Araújo, com a denominação de Hospital Regional “Helio Morais Marinho”; Iluminação Pública da Avenida Marechal Floriano; além de ter perfurado vinte e dois poços tubulares. Porém, sua maior foi a cordialidade que ele tinha com seus munícipes, atendendo-os em qualquer local público, diferentemente dos nossos atuais administradores que para atender a uma pobre pessoa tem que esperar horas e horas.




Hélio Morais foi escolhido através de uma enquete feita pelo blog WEST NEWS como o melhor prefeito do Apodi, com 19 votos, equivalente a 51% dos internautas. Confira abaixo o resultado dessa enquete:




Francisco Ferreira Pinto
0 (0%)
Francisco Holanda Cavalcante
0 (0%)
José da Silveira Pinto
0 (0%)
João da Silveira Pinto
0 (0%)
Izauro Camilo de Oliveira
1 (2%)

Valdemiro Pedro Viana
0 (0%)
Hélio Morais Marinho
19 (51%)


Dr. Ivo Freire de Araújo
1 (2%)

Simão Nogueira Neto
2 (5%)

Evandro Marinho de Paiva
10 (27%)

Dr. José Pinheiro Bezerra
4 (10%)

Votos até o momento: 37 Enquete encerrada
Vice – DR. IVO FREIRE DE ARAÚJO.
SECRETÁRIOS:
EDUCAÇÃO E CULTURA – Maria Coeli Magno Dantas, Natural de Apodi, nascida em 16 de julho de 1935, filha de Eudoxio Magno de Oliveira Pinto e de Anatildes Dantas
ADMINISTRAÇÃO – LUIZ GONZAGA FREIRE
FINANÇAS - FRANCISCO CHAVES SIZENANDO, nascido em 8 de agosto de 1934, casado em primeiras núpcias com Raimunda Gomes de Oliveira, natural de Apodi, nascida em 19 de setembro de 1938 e falecida em 14 de abril de 2003, filha do saudoso prefeito Izauro Camilo de Oliveira e Maria Gomes de Oliveira, com os seguintes filhos: FRANCISCO CHAVES SIZENANDO FILHO, natural de Apodi, nascido em 4 de março de 1963.
SAÚDE – ERINEIDE MARINHO
TESOUREIRO
- ANTONIO FRANCISCO DE MORAIS
COORDENADORA – FRANCISCA IDEUZA GURGEL DE ASSIS, natural de Apodi, nascida a 28 de julho de 1953, filha de Raimundo Magno Gurgel e Doralice Alves de Oliveira. Foi diretora do Caic e da Escola Estadual
Professora Alvani de Freitas, situada na Rua Francisco Virginio de Oliveira, s/nº, nesta cidade de Apodi
CONTADOR
– Luís Jácome 10 – Dr. IVO FREIRE DE ARAÚJO
Dr. IVO FREIRE DE ARAÚJO – (2105/1953) - Eleito em 15/11/1982, como vice-prefeito - Tomou posse como vice em 31/1/1983 - Tomou posse como prefeito em 21/03/1985 - Governou até 1/1/1989.
Dr. Ivo, natural de Apodi, nascido em 21/5/1953, filho de FRANCISCO PAULO FREIRE (18/01/1927), filho de Francisco Eduardo Freire e de Francisca Cristina Freire; e de BENEDITA FERREIRA FREIRE, natural de Catolé do Rocha-PB, nascida a 8 de março de 1933, filha de Miguel Ferreira de Araújo e de MARIA ANTONIA. Foi um dos prefeitos mais jovens do Rio Grande do Norte. Iniciou seus estudos no Grupo Escolar Ferreira Pinto, em Apodi, fez o ginásio no Ginásio na Escola Ginasial Professor Antonio Dantas, em Apodi, o científico no Colégio Estadual Rui Barbosa, em Fortaleza e concluiu a Faculdade de Medicina Veterinária de Patos-Paraíba. É casado com Ângela Maria de Melo Freire, natural de Apodi, nascida 6 de setembro de 1963, filha de Francisco Holanda Cavalcante e de Maria do Carmo Maia Holanda e pai de Ivna Cristina de Melo Freire.
SECRETÁRIOS:
ADMINISTRAÇÃO
– LUIZ GONZAGA FREIRE
EDUCAÇÃO – MARIA COELI MAGNO DANTAS
FINANÇAS – FRANCISCO CHAVES SIZENANDO
SAÚDE – Dra. Maria Solange Noronha
TESOUREIRO – ANTONIO FRANCISCO DE MORAIS
CONTADOR – LUÍS JÁCOME
11 – SIMÃO NOGUEIRA NETO
SIMÃO NOGUEIRA NETO – (07/09/1951) - Eleito em 15/11/1988 - Posse em 1/01/1989 - Governou até 1/1/1993. RESULTADO: Simão com 6.804 votos; José Pinheiro obteve 6.281 sufrágios. Maioria em prol de Simão foi de 523 votos. O vice do Dr. Pinheiro foi o ex-prefeito Valdemiro Pedro Viana
SIMÃO, natural de Apodi, nascido em 7 de setembro de 1951, filho de Antonio dos Reis Magnos da Costa e de Francisca Albina da Conceição(12/03/2008), casado com Maria Gorete Gurgel Nogueira, natural de Apodi, nascida em 4 de junho de 1952, filha de Manoel Gurgel de Brito e de Cleonice Morais,com os seguintes filhos: SALOMÃO GURGEL NOGUEIRA, nascido a 18 de abril de 1971 SIMONE GURGEL NOGUEIRA DE SOUZA, nascida em 14 de maio de 1972 e SUZANA GURGEL NOGUEIRA E SOUZA, nascida em 1º de junho de 1974. Ele no pleito eleitoral municipal realizado em 3 de outubro de 2004 foi o candidato derrotado a vice-prefeito, na chapa encabeçada por na chapa Evandro Marinho, que perdeu para Maria Gorete da Silveira Pinto.
VICE-PREFEITA PROFESSORAMARIA ZULEIDE MARINHO– 1ª mulher apodiense vice-prefeita, nascida em 26 de setembro de 1944, filha de Antonio Francisco de Lima e de Julia Senhorinha de Lima, natural de Apodi, nascida a 19 de junho de 1913, filha de Manoel Domingos do Rosário e Ana Senhorinha de Lima. Casou-se em 21 de julho de 1964, com Hélio Morais Marinho (08/03/1938 – 21/3/1985), filho de Braz Marinho Sobrinho e Zulmira Bezerra de Morais, com os seguintes filhos: ANTONIO FILHO NETO (11/11/1966 – 05/09/1986), com uma filha: JULIANA POLLYANA TORRES SILVA, nascida a 8 de outubro de 1985, com ÂNGELA MARIA TORRES SILVA, nascida a 30 de dezembro de 1965, filha de Pedro Torres e Sebastiana Marinho Torres; MARIA ELIOMAR MARINHO, nascido a 16 de março de 1969, MARCOS MARCONES MARINHO, nascido a 6 de julho de 1970; MARIA GECINA MARINHO, nascida a 24 de junho de 1967, casada com Tibúrcio Marinho da Costa, nascido a 9 de março de 1960, filho de Cássio Tiburcio Marinho e Zélia Morais Marinho, HÉLIO MORAIS MARINHO FILHO e MARCELO MARINHO: MARIA ELIOMAR MARINHO. Estudou no Colégio Sagrado Coração de Maria, em Mossoró e concluiu o Projeto Logos II em Apodi. Foi minha professora na Escola Estadual Ferreira Pinto, em Apodi, no período de 1983 a 1985. No período de 1983 a 1986, exerceu o cargo de Secretaria Municipal do Bem Estar Social e Primeira Dama de Apodi. Em 15 de novembro de 1988 foi eleita a primeira vice-prefeira de Apodi,
SECRETÁRIOS MUNICIPAIS:
CHEFE DE GABINETE – Antonio Olimpio Dantas
ADMINISTRAÇÃO – Dr. LUIZÃO GONZAGA FREIRE, natural de Apodi, nascido em 21 de junho de 1956, filho de Francisco Paulo Freire, natural de Apodi, nascido em 18 de janeiro de 1927, filho de Francisco Eduardo Freire e de Francisca Cristina Freire; e de Benedita Ferreira Freire, natural de Catolé do Rocha-PB, nascida em 8 de março de 1933, filha de Miguel Ferreira de Araújo e Maria Antônia. Inscrito na OAB sob o nº. 1393. É casado com Inalda Maria da Silva Freire.
FINANÇAS – ANTONIO FRANCISCO DUARTE - “FANFANTA”, natural de Apodi, nascido a 6/6/1962, filho de Antonio Duarte de Morais, natural de Apodi, nascido em 4 de agosto de 1919, filho de José Gomes de Morais e de Izalina Mira Soares e de Mara Lizete Marinho Duarte.
IRRIGAÇÃO – TARCÍSIO PAULO FREIRE, natural de Apodi-RN, nascido a 17 de agosto de 1959, filho de FRANCISCO PAULO FREIRE (18/01/1927) e de BENEDITA FERREIRA FREIRE (08/03/1933). Casado com RAIMUNDA FERREIRA FREIRE, natural de Apodi, nascida a 5 de outubro de 1962, filha de Francisco Joaquim de Sales e Raimunda Ferreira da Silva.
SAÚDE – Dra. Maria Solange Noronha de S. Freire., natural de Apodi, nascida a 3 de janeiro de 1960, filha de Luiz Antonio de Souza e de Maria Necy Noronha, formada em medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, turma de 1987. No ano de 1996 ingressou na política como vice-prefeita, na chapa encabeçada por Fábio Soares, a qual foi derrotado pelo companheiro de Evandro Marinho de Paiva, Dr. Klinger Pinto, com uma maioria de 2.127 votos. Em 2000 tenta novamente ser candidata a vice-prefeita, desta vez na chapa encabeçada por Simão Nogueira Neto, sendo novamente derrotada pelo companheiro de Dr. Pinheiro, primeiro, porque a Assessoria do prefeito impugnou sua candidatura, sendo substituída por JAIME HINDE NEBERGUE FERREIRA DE SOUZA, conhecido popularmente por “INDINHA DA POLÍCIA FEDERAL”, natural de Apodi, nascido a 27 de janeiro de 1955, filho de Bethemburgo Ferreira de Souza e Adevinas Ferreira de Souza, que perdeu para Tibúrcio Marinho da Costa com uma pequena diferença de votos, ou seja, 99 sufrágios..
Com trabalho na área de saúde, prestando assistência às camadas mais carentes da população apodiense, severianense e rodolfense. Doutora Solange tornou popular a ponto de ter seu projeto político respaldado por parte dos apodienses. Na periferia da cidade, a médica experimenta os maiores índices de popularidade. È diretora do Hospital Regional “Helio Morais Marinho” (19/08/1987), em Apodi, desde 2003, começando no primeiro mandato da governadora Vilma de Faria, a qual foi nomeada em 13 de fevereiro, e continuando até o presente momento.
È casada com Francisco Paulo Freire Filho, o Chicão, natural de Apodi, de filho de FRANCISCO PAULO FREIRE (18/01/1927), e de BENEDITA FERREIRA FREIRE.
URBANISMO E OBRAS – Luiz Sales da Costa, natural de Apodi-RN, filho de Antonio dos Reis Magnos da Costa e de Francisca Albina da Conceição. Atual Diretor da Central do Cidadão de Apodi.

ASSESSOR JURIDICO – Dr. JOSÉ DE ALBUQUERQUE REGO, natural de Apodi, nascido em 3 de janeiro de 1952, filho de João Albuquerque Rego e de Guiomar Albuquerque Rego. Iniciou seus estudos na Escola Batista de Apodi, passou pelo colégio Antonio Dantas, e terminou o ensino médio no Colégio Winston Churchil, em Natal. Cursou Direito na Universidade Federal da Paraíba, com curso de Cincias Jurídicas.
Na Administração de Simão Nogueira Neto (1989-1992), exerceu a função de Assessor Jurídico da Prefeitura. Nos governos de Hélio Morais e de Ivo Freire foi a função de Secretário de Educação. Também foi diretor sócio da ACDA e presidente do Grêmio Estudantil Padre Pedro Neef; sócio fundador da Fundevap e diretor da ARFA.
Casou-se em primeiras núpcias com Marilene Ferreira de Sales, natural de Apodi, filha de Francisco Joaquim de Sales e de Raimunda Ferreira de Sales, com os seguintes filhos: Max Wenzel Albuquerque Ferreira Sales Rego,nascido em 19 de dezembro de 1975; Merzia Walbia Albuquerque Ferreira Sales Rego, nascida em 13 de março de 1978. Em segundas núpcias com Albaniza de Lene Araújo Rego, tendo os filhos: Maria Wembia, Seani Araújo de Albuquerque e Tavani Araújo de Albuquerque Rego.
Com sua cultura e pessoa humana, simples, humilde, sonhador e com talento literário, grande sensibilidade, com acervo respeitável de poemas e contos, que acreditamos logo serão publicados. Revelando mais um poeta apodiense.
ASSESSOR DE COMUNICAÇÃO – Maria Ieda da Silva
ASSISTÊNCIA DE IMPRENSA - Dr. WILLIAM LOPES GUERRA, natural de Apodi, nascido em 21 de agosto de 1950, filho de Walter Guerra de Brito (12/8/1923 - 11/09/2002), filho de Carlos Barromeu de Brito Guerra e Maria Bezerra Guerra e de Antonio Nair Lopes, filha de Antonio Lopes Filho e Armandina Lopes de Góes. Casado com ANTONIA JUCILENE DE PAIVA, natural de Apodi, nascida a 25 de agosto de 1968, filha de Francisco de Assis Paiva e de Maria do Carmo Alves de Paiva, com dois filhos: LAKUSSON WILLIAM LOPES DE PAIVA GUERRA, nascido a 1º de fevereiro de 1993 e JEFFERSON WILLIAM LOPES PAIVA GUERRA, nascido a 4 de setembro de 1999.
ESPORTE E LAZER – ALDECI BEZERRA JÚNIOR, natural de Apodi, nascido em 4 de agosto de 1953, filho de Aldeci Bezerra de Morais, natural de Apodi, nascido em 3 de março de 1922, filho de Manaces Batista de Morais e de Martinha Bezerra de Morais; e de Celina Alves de Morais. Casado com Fábia Rejane de Medeiros Bezerra. Filha – Fabiana Cely Medeiros Bezerra, nascida em 6 de janeiro de 1983...
ASSISTÊNCIA ESPECIAL – JOSÉ ALEXANDRE SOBRINHO, natural de Apodi, nascido em 11 de dezembro de 1954, filho de Bevenuto Bevenuto de Paiva e de Aldenora Viana, casado com Salizete Alves de Morais Alexandre, natural de Apodi, nascida em 01 de setembro de 1959, filha de Sebastião Alves Fernandes e de Sebastiana Batista de Morais.
José Alexandre Sobrinho, natural de Apodi-RN, filho de Bevenuto José de Paiva e de e Aldenora Viana da Costa
TESOUREIRO – ANTONIO FRANCISCO DE MORAIS
CONTADOR – Luiz Jácome, natural de Campo Grande-RN. Casado com Severina Carlos da Silva Jácome, com os seguintes filhos FRANCISCO CANINDÉ JÁCOME DA SILVA (10/10/1953), casado com Rita de Cássia Moura Jácome, residente em Caraúbas, atual Secretário da Vara da Comarca de Caraúbas; FRANCISCO ISMAEL JÁCOME NETO (14/2/1961 – 13/12/2007); FRANCISCO SALES DA SILVA JÁCOME (16/03/1968). FRANCISCO DAS CHAGAS DA SILVA JÁCOME.
12 – DR. JOSÉ PINHEIRO BEZERRA – 1º mandato
Eleito em 15/11/1992 - Posse em 1/1/1993 - Governou até 1/1/1997.
RESULTADO:
Dr. José Pinheiro (PMDB) - 8.894
VICE – Evandro Marinho de Paiva
Dr. Ivo Freire de Araújo (PFL) – 6.450
Vice – Francisco Júlio Marinho
MANOEL GEORGINO DO CARMO (PT) – 142
VICE – EDMILSON LOPES
VALDEMIRO PEDRO VIANA (PTB) – 50

Maioria do 1º sobre o 2º colocado foi de 2.444 votos
VICE – EVANDRO MARINHO DE PAIVA

14 – DR. JOSÉ PINHEIRO BEZERRA – 2º mandato - Eleito em 6/10/2001 - Governou até 1/1/2005
SECRETÁRIOS MUNICIPAIS NAS DUAS PRIMEIRAS ADMINISTRAÇÕES DO DR. PINHEIRO:
CHEFE DE GABINETE – Wander Magno da Costa
FINANÇAS – FRANCISCO DE SOUZA GURGEL, natural de Apodi, nascido a 5 de janeiro de 1954. Técnico em Agropecuária e comerciante no setor de peças de veículos, motos e bicicletas. Casado com Eliane Maria da Conceição Souza, natural de Apodi, nascida a 7 de dezembro de 1962.
SAÚDE – Dr. Klinger Péricles Pinto Diniz
PROMOÇÃO E BEM ESTAR SOCIAL – Antonio de Souza Maia Júnior
OBRAS E URBANISMO – Marcus Agostinho do Monte Pinto
OBRAS E URBANISMO - MARCUS AGOSTINHO DO MONTE PINTO, natural de Apodi, nascido em 9 de agosto de 1963, filho do desembargador Newton Pinto e de Nair do Monte Pinto, casado com PAULA CONSUELO DE ARAÚJO ARCOVERDE PINTO, nascida em 29 de abril de 1968, filha de José Wellington e Paula Franssinete de Araújo. Exerceu a função de presidente do Diretório Municipal do Apodi. Em 1º de março de 2008 passou para seu substituto legal, na pessoa do Dr Klinger Péricles Pinto Diniz.
ASSESSOR POLÍTICO – Francisco Chaves Sizenando
URBANISMO – Tibúrcio Marinho da Costa
BEM ESTAR SOCIAL – Maria do Céu Maia Pereira, natural de Apodi, nascida em 24 de junho de 1951, filha de Francisco Pereira Maia e de Maria Pereira
SAÚDE - Dr. Klinger Péricles Pinto Diniz
GABINETE – MARIA DA CONCEIÇÃO MARINHO
EDUCAÇÃO –Mara Marlizete Duarte Marinho de Paiva, natural de Apodi, nascida a 29/8/1963, filha de Antonio Augusto Duarte e de Mara Lizete Marinho Duarte
TURISMO –José Eudes de Souza, natural de Apodi, nascido em 18 de novembro de 1960, filho de Manoel Antonio de Souza e de Francisca dos Santos Souza, casado com Joana Darc Benevides.
com três filhos: KLEBER SMITH DA SILVA PINTO, nascido em 13 de maio de 1982, ALAN JEFFERSON DA SILVEIRA PINTO, nascido em 11 de dezembro de 1986; e KLEITON HALLYSSON DA SILVEIRA PINTO, nascido em 20 de agosto de 1993..

AGRICULTURA - Dr. ANTONIO VIANA DE SOUZA, natural de Apodi, nascido em 13 de julho de 1963, filho de VALDEMIRO PEDRO VIANA, nasceu no sítio Santa Rosa, município de Apodi, nascido em 17 de maio de 1925 e faleceu no dia 01 de junho de 2001, filho de Manoel Pedro Viana e de Francisca Antonia de Oliveira e de Maria Fernandes de Souza, natural de Apodi, nascida a 25 de dezembro de 1932, filha de Manuel Francisco de Souza Filho e de Sebastiana Gurgel Fernandes. Exerceu o mandato de vereador em duas legislaturas e foi também Secretário Municipal de Agricultura.
AGRICULTURA – Wander Magno da Costa, natural de Apodi, nascido a 30 de outubro de 1960, filho de José Ferreira da Costa (Zé Bolacha), natural de Apodi, nascido em 18 de março de 1935, filho de Domingos Deodato da Costa e de Eulália Ferreira da Costa; e de MARIA DO SOCORRO MAGNO DA COSTA, natural de Apodi, nascida a..........., com dois filhos: LIZANDRA e LUMA. Vander em 2 de abril de 1994 fundou em Apodi o Muralhas Club, o maior espaço festivo privado do Apodi
AGRICULTURA - JOÃO LEITE
ADMINISTRAÇÃO – Maria Auxiliadora
ASSESSOR DE COMUNICAÇÃO - MARIA IEDA DA SILVA, natural de Apodi, nascido a 16 de março de 1964, filha de Hildo Francisco da Silva e de Antonia Gomes Viana. Formou-se em jornalismo, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em Natal. Fez pos graduação na Faculdade de Filosofia de Ciências e Letras de Belo Horizonte - MG, no ano de 1987. Em 1985, ela fundou o jornal mensal denominado de “CORREIO APODIENSE”, o qual teve vida curta, chegando apenas no número 8. 11 anos depois, mais precisamente no dia 1º de julho de 1997. Ieda criou o jornal mensal “O OESTANO”, com grande aceitação juntos aos leitores apodienses, porém, também teve pequena duração.
Ieda Silva a primeira mulher apodiense graduada em Comunicação Social. Estudou nas escolas Ferreira Pinto, Antonio Dantas e Colégio Diocesano de Mossoró. É professora da rede estadual de ensino. Ela lecionou as disciplinas de Química, Matemática, História, Ensino Religioso, Educação Física e Literatura Infantil. Exerceu a função de diretora da ACDA-Associação Cultural e Desportiva Apodiense. Assumiu a Assessoria de Imprensa dos seguintes prefeitos: Ivo Freire, Simão Nogueira Neto, José Pinheiro Bezerra e Evandro Marinho de Paiva. Organizou e fundou vários times de handboll: Café Pécten, Fogo Assanha e Cabrocha. Ieda é um exemplo de mulher dinâmica e trabalhadora. Já foi colunista do jornal O Mossoroense, editado em Mossoró. É membro da cadeira nº 26 da Academia Apodiense de Letras de Apodi, que tem como patrona.........
DEPARTAMENTO DE CULTURA, ESPORTE E LAZER – Gilberto Silva
ASSESSOR JÚRICO – DR. AMÍLCAR VARO LOPES DE GÓES MELO, nascido a 7 de fevereiro de 1956, casado com MARIA VANDA LOPES PINTO (separado judicialmente), natural de Apodi, nascida a 7 de fevereiro de 1956, filho de Raimundo Valcides Pinto, natural de Apodi, nascido a 25 de fevereiro de 1936, filho de Euzébio Alves Pinto e Laura Sizenando de Sena; e Maria de Lourdes Bezerra Cavalcante, com os seguintes filhos: LEILA NATALY LOPES PINTO, nascida a 8 de junho de 1975, ADRIANO RAXAEL LOPES PINTO, nascido a 28 de fevereiro de 1977 e ALINE MIRIELLY PINTO LOPES, nascida a10 de agosto de 1978.
13 – EVANDRO MARINHO DE PAIVA
EVANDRO MARINHO DE PAIVA – (08/08/1962) - Eleito em 6/10/1996 - Posse em 1/1/1997 - Governou até 1/1/2001.
RESULTADO:
Vandinho (PDT) - 9.665
Vice – Dr. Klinger Pinto
FÁBIO SOARES LINS (PL) – 7.528
VICE – MARIA SOLANEGE NORONHA DA SILVEIRA FREIRE
PEDRO TERCEIRO DE MELO (PSDB) – 149
JOÃO BOSCO GOMES (PT)
Maioria em prol do vitorioso foi de 2.440 votos. O candidato a vice-prefeito da oposição foi a Dra. Maria Solange Noronha.

EVANDRO MARINHO, natural de Apodi, nascido a 8/8/1962, filho de Altino Dias de Paiva e de Anita Marinho de Paiva. Casado com Mara Marlizete Duarte Marinho de Paiva, natural de Apodi, nascida a 29/8/1963, filha de Antonio Augusto Duarte e de Mara Lizete Marinho Duarte, com dois filhos. Evando Marinho é empresário do setor de cal, nunca havia disputado qualquer cargo político, até ser convidado para ser vice-prefeito ma chapa do Dr. José Pinheiro Bezerra, em 1992. A partir daí, despontou uma vocação política inerente à família Marinho, que teve um representante em todas as campanhas eleitorais do município de Apodi, desde 1952, seja como prefeito ou como vice.
Vandinho, como é mais conhecido foi prefeito eleito em 6 de outubro de 1996, apesar de nunca ter demonstrado qualquer desejo de disputar cargos eletivos, sempre foi um político nato, pela maneira como lida com as pessoas, revelando um empenho de lideranaça inconstestável. Chamado parra compor a chapa do médico José Pinheiro, que antes fizera duas tentativas para chegar à prefeitura, sem êxito, Vandinho, juntamente com a família, foi peça fundamental para a vitória de Dr. Pinheiro.
Após várias pesquisas realizadas, onde seu nome sempre esteve em primeiro lugar, Vandinho foi escolhido a candidato do povo, com uma condição, de no pleito eleitoral municipal vir apoiar a candidatura de José Pinheiro. Vandinho elegeu-se prefeito, tendo como companheiro de Chapa o Dr. Klinger Péricles, obtendo nas urnas a confirmação do que parte dos eleitores já sabia. Dos 17.193 votos válidos, ele obteve 9.962, consagrando uma maioria de 2.737 votos, contra o candidato oposicionista Fábio Soares Lins e sua companheira de chapa, a médica Solange Noronha, fato inédito no município, acostumado a campanhas acirradas.
Assim que assumiu a prefeitura, Vandinho procurou desenvolver um trabalho voltado para o crescimento do município, o que aconteceria com a concretização de obras importantes e que dependiam apenas da coragem e de pulso firme de uma administração preocupada com a melhoria da qualidade de vida. No último ano de sua administração ele concorreu à reeleição, cujo desejo sem o apoio do Dr. Pinheiro que devido um acordo feito por ambos dele vir apoiar a candidatura do ex-prefeito. O acordo não foi concretizado, Dr. Pinheiro candidatou-se ao retorno ao Palácio Francisco Pinto, mesmo sem o apoio de prefeito, Dr. Pinheiro escolheu um membro da família marinho para ser seu vice, na pessoa de Tibúrcio Marinho. Vandinho foi o único prefeito do Brasil que não teve direito à sua reeleição e apoiou o candidato oposicionista, na pessoa do ex-prefeito Simão Nogueira, que teve como companheira de chapa a médica Solange, ambos foram derrotados. No pleito eleitoral de 2004 Vandinho tentou retornar à prefeitura de Apodi, candidantando-se ao cargo de prefeito, juntamente com o ex-prefeito Simão Nogueira, e novamente foi derrotado nas urnas.
Dr. Klinger Péricles Pinto Diniz, natural de Apodi, nascido a 15/5/1959, filho de Sebastião Pinto Neto e de Maria de Lourdes Pinto. Casado com atual vice-prefeita, dona MARIA GORETE DA SILVEIRA PINTO natural de Apodi, nascida a 14/04/1956, filha do ex-vereador Francisco Silveira, conhecido popularmente pela alcunha de “MANU” DE “CABOCLO” (8/5/1926), filho de Manoel Coriolano de Melo e de Izaura da Silveira; e de Izaura Plácida da Silveira (19/1/1926 – 20/7/1974), filha de João Batista Cascudo e de Etefânia Alice da Silveira, com três filhos: KLEBER SMITH DA SILVA PINTO, nascido em 13 de maio de 1982, ALAN JEFFERSON DA SILVEIRA PINTO, nascido em 11 de dezembro de 1986; e KLEITON HALLYSSON DA SILVEIRA PINTO, nascido em 20 de agosto de 1993..
14 – Dr. JOSÉ PINHEIRO BEZERRA = 2º mandato
Eleito em 01/10/2000, tomou posse em 01 de janeiro de 2001 e governou até 31 de dezembro de 2004.
RESULTADO:
Dr. Pinheiro com 9 338
VICE – TIBÚRCIO MARINHO DA COSTA
Simão Nogueira Neto 9.239
VICE- JAIME HINDEBERGUE FERREIRA DE SOUZA
JOSÉ EVANGELISTA GOMES (PT) – 175

Maioria em prol de Dr. Pinheiro foi de apenas 99 votos
Vice – Tibúrcio Marinho da Costa
, natural de Apodi, nascido em 9 de março de 1960, filho de Cássio Tibúrcio da Costa e de Zélia Moraes Marinho, casado com Celcina Marinho da Costa, filha de Hélio Morais Marinho e de Zuleide Marinho. Em 4 de fevereiro de 2003 Tibúrcio Marinho assumiu a chefia do Baginete Civil da Prefeitura Municipal de Apodi, que substituiu o senhor José Wilson Araruna que foi designado para ocupar um outro setor da administração municipal. Tibúrcio Marinho conta com vasta experiência administrativa, tendo em vista que o mesmo já ocupou as secretarias de Obras, Urbanismo, Finanças em outras administrações e também foi coordenador regional da Visão Mundial, como também atua como articulador político na coordenação do marqueting da municipalidade ao lado do assessor de comunicação de comunicação: Márcio Morais e Leila Carla. Foi diretor da Escola Municipal Maria de Lourdes Mota
SECRETÁRIOS MUNICIPAIS:
EDUCAÇÃO – Maria Salete
OBRAS – Tibúrcio Marinho e Aureliano Fernandes de Morais

URBANISMO – Francisco Júlio Marinho, natural de Apodi, nascido a 20 de julho de 1951, filho de Julio Marinho de Oliveira e de Abília Marinho de Oliveira. Casado com Maria Lucineide Nogueira, com os seguintes filhos: LISSA LIDIANE NOGUEIRA, nascida a 28 de dezembro de 1981; LILIANE CRISTINA e LILIAN CABRAL. Iniciou o ensino fundamental, com sete anos de idade, no Grupo Escolar Ferreira Pinto, em Apodi. Concluiu o ensino médio na Escola Estadual “Professor Antonio Dantas”, È técnico Agrícola, cujo curso foi concluído no Centro de Integração Professor Elizeu Viana, na cidade de Mossoró.
Por muitos anos exerceu a profissão de comerciante de cereais em geral e cera de carnaúbas e hoje se encontra no ramo de farmácia, com seu estabelecimento na Rua Margarida de Freitas, Centro, Apodi. Para ingressar nesse ramo, primeiramente fez o curso técnico em farmácia, no SENAC DE MOSSORÓ. Em 1º de agosto de 1994 foi nomeado Secretário Municipal de Urbanismo e Transportes, permanecendo no cargo até 1º de janeiro de 1997, na administração de Vandinho. Em 1º de janeiro de 2001, na gestão do Prefeito José Pinheiro Bezerra, em sua 2ª gestão, assumiu a mesma secretaria, continuando na função até 9 de abril de 2002, passando a ser Secretário de Obras, permanecendo até o ano de 2005. No pleito eleitoral municial realizado em 3 de outubro de 1992, ele foi o candidato a vice-prefeito na chapa encabeçada pelo Dr. Ivo Freire de Araújo. Ambos foram derrotados para seus concorrentes: José Pinheiro e Evandro Marinho, com uma maioria de 2.440 votos. Foi o primeiro presidente da Liga Desportiva Apodiense, fundada em 10 de setembro de 1985.
ADMINISTRAÇÃO – Maria Auxiliadora
AGRICULTURAMOZART FERREIRA DE SALES, nascido em 25 de outubro de 1960, filho de Francisco Joaquim de Sales, natural de Apodi, nascido em 23 de novembro de 1914 e falecido em 7 de dezembro de 1987, filho de Manoel Galvão Neto e de Maria da Conceição; e de dona Raimunda Ferreira de Sales, natural de Apodi, nascida em 1 de maio de 1918, filha de Damião Ferreira Cavalcante e de Mônica Ferreira Cavalcante. casou-se em 6 de setembro de 1983, com Maria Edna Holanda Sales, natural de Apodi, nascida a 18 de fevereiro de 1957, filha de José Holanda Filho e de Elita Alves Holanda, pai de dois filhos: ANA CLARICE HOLANDA SALES, nascida a 17 de fevereiro de 1986 e ANA CLARA HOLANDA SALES, nascida a 11 de outubro de 1989
SAÚDE – Dr. José Pinheiro Bezerra e posteriormente, Ivanildo de 0liveira.
IVONILDO OLIVEIRA DE LIMA, natural de Apodi, nascido a 21 de agosto de 1973, filho de Carlixto Amâncio de Oliveira e Francisca Cecília de Lima Oliveira.
Formado em Farmácia e habilitado em Análises Clínicas, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
Profundo conhecedor das necessidades e problemas da saúde pública em sua terra natal, desdobrava-se para atender com eficácia, pelo menos os menos favorecidos.
URBANISMO E TRANSPORTES - AURELIANO FERNANDES DE MORAIS, conhecido popularmente por “CASTELO MORAIS”, natural de Apodi-RN, nascido a 3 de maio de 1966, filho de Zacarias Fernandes de Morais e Rita Neuza de Morais. Realizou seus estudos, ensino médio e magistério em Apodi. Atuou no ramo farmacêutico com sua Farmácia na Rua Nossa Senhora da Conceição, no antigo prédio onde funcionou a TELERN, hoje pertencente ao pastor José Maria da Silva. É locutor, trabalhando nas FM’s CIDADE, fundada em 25 de novembro de 1998, de Fábio Soares; e Lagoas, fundada em 23 de agosto de 1998, de Tibúrcio Marinho..É casado com Maria Divonete P. de Morais, com os seguintes filhos: Aurélia Daniela e Monique Graciela. É evangélico, membro da Igreja de Cristo de Apodi.
FINANÇAS – FRANCISCO NILSON FERNANDES DE LIMA¸ natural de Apodi, nascido em 16 de abril de 1962, filho de João Lucas de Lima e de Neuza Augusto Pamplona. Casado com Eleusa Moreira Gurgel, natural de Caraúbas-RN, nascida em 12 de maio de 1964, filha de Altamiro Moreira do Nascimento e de Maria de Lourdes do Nascimento.
ASSISTÊNCIA POLÍTICA – Vilcimar Duarte de Morais, natural de Apodi, nascido a 26 de setembro de 1953, filho de BENEDITO JOSÉ DE MORAIS, natural de Apodi, nascido em 23 de março de 1923, filho de José Gomes de Morais, este filho de José Severo de Morais e de Caçula Cordeiro da Conceição e de Isolina Maria Soares, esta filha de Delfino Duarte e de América Gomes Duarte e de Iracina de Oliveira Rodrigues; e de FRANCISCA MARIA DE MORAIS. Casado com os seguintes filhos: e tem dois filhos extra casamento com ANTONIA... natural de Apodi, filha de Antonio Caetano de Oliveira e Maria das Graças Barbosa Caetano
COMUNICAÇÃO – Márcio Carlos de Morais, natural de Apodi-RN, nascido em 25 de janeiro de 1978, filho de Francisco Morais de Assis e de Maria Gorete Carmo Morais. Ex-assessor de Comunicação da Prefeitura Municipal de Apodi, na 2ª administração do prefeito José Pinheiro Bezerra. È o fundador do Jornal mensal “O VALE DO APODI”.
AÇÃO SOCIAL – Maria de Lourdes da Silveira Bezerra - A médica Maria de Lourdes da Silveira, natural de Natal, nascida em 1º de fevereiro de 1942, filha de Severino Edisio da Silveira e de Catarina da Silveira, surgiu na vida de José Pinheiro na faculdade de medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, namoraram um ano e se casaram logo ao concluírem o curso de medicina. Do casamento de José Pinheiro com Maria de Lourdes, nasceram duas filhas: LILIAM DA SILVEIRA BEZERRA, a primogênita, com duas formaturas: bacharela em Direito pela UFRN e em Odontologia, casada com Adriano, mãe de dois filhos: RODRIGO e TARSILA; e LUCIANA DA SILVEIRA BEZERRA, natural de Natal, nascida em 12 de outubro de 1971, formada em Direito pela UnP-Universidade Potiguar. Casou-se em primeiras núpcias com o Dr. Guilherme do Monte Pinto, natural de Apodi, filho de Newton Pinto e de Nair do Monte Pinto. Em segundas núpcias com o natalense, o advogado Kels de Oliveira Lima, filho de Juraci Antunes de Lima e Rosa Núbia de Oliveira, mãe de dois filhos: LUCAS e THAIS
CHEFE DE GABINETE – José Wilson Câmara Araruna, natural de Caraúbas, nascido em 24 de janeiro de 1955, filho de José Araruna Figueiredo e de Mara da Consuelo Carmo. Foi casado com Maria Neusa Fernandes, nascida em 2 de maio de 1952, filha de João Lucas de Lima e de Maria Augusta Pamplona.
GEILSON JOSÉ DE MORAIS, natural de Apodi-RN, nascido a 21 de setembro de 1957, filho de José Avelino de Morais e Francisca Caetano de Morais. Ele em 2004 foi candidato a vereador pela legenda do PMDB, com o número 15.622, sem êxito. Geilson Morais é um político originário humilde e tradicional com forte participação no cenário político apodiense, é irmão dos ex-vereadores Valdir Morais (28/4/1958), casado com Dona Maria José de Farias Morais e José Dionísio de Morais (16/04/1948 – 16/04/1988), que era casado com Dona Maria Irenilda da Cruz de Morais, ambos com relevante história política marcada por trabalho e dedicação ao município e ao povo de Apodi.
Na administração municipal Geilson já ocupou importantes cargos na Secretaria de Obras e Urbanismo e foi assessor direto do prefeito José Pinheiro no Gabinete Civil onde conquistou a simpatia de milhares apodeinse pela sua forma gentil e atenciosa de tratar as pessoas com o maior respeito possível.
No campo comercial Também se destaca como sendo um dos empresários com boa atuação no mercado apodiense e lá fora.
Duas vezes o título de melhor gerente administrativo FORD da América latina e por seis anos o melhor vendedor FORD do Brasil.
Em 2004 pela primeira vez ele buscou um mandato na Câmara Municipal de Apodi, sem êxito, e em 2008 pela segunda vez buscará uma cadeira no legislativo apodiense. Com certeza deverá ser um bom edil. Apodi precisa renovar seus vereadores, escolhendo pessoas com visão, que seja inteligente que principalmente goste de ler, não livros didáticos e sim, todos, revistas e jornais. Geilson Morais é evangélico, divorciado com 3 filhos do primeiro casamento e atualmente é casado com a empresária bem sucedida Iranilva Betania
TURISMO, ESPORTE E LAZER – José Eudes de Souza, natural de Apodi, nascido em 18 de novembro de 1960, filho de Manoel Antonio de Souza e de Francisca dos Santos Souza, casado com Joana Darc Benevides.
Dr. JOSÉ PINHEIRO, PRIMEIRO PREFEITO DE APODI REELEITO E COM 3 MANDATOS PELO VOTO POPULAR

15 – Dr. JOSÉ PINHEIRO BEZERRA – 3º MANDATO - Eleito em 6/10/2004 - Posse em 1/1/2005 - Com mandato até 1/1/2009.
RESULTADO:
Dr. Pinheiro 10.825
VICE – Maria Gorete da Silveira Pinto
Evandro Marinho (PSB) 9.828
VICE – SIMÃO NOGUEIRA NETO
GILBERTO VERISSIMO TORRES (PT) – 377
VICE – Antonio Florêncio Neto – ANTONIO CABRAL
.Maioria em prol de Dr. Pinheiro foi de 997 votos.

A infância
As dificuldades na Fazenda Serra Branca
Com uma infância marcada por muitas dificuldades e sofrimento na fazenda serra branca, localizada no município de Santa Cruz-RN, onde nasceu em 13 de dezembro de 1935, filho de SEVERINO BEZERRA CAVALCANTI (06/02/1907 – 26/02/1968), filho de Manoel Severino Cavalcanti e Benedita Leopoldina Bezerra de Menezes; e de Auta Pinheiro Bezerra (13/01/1914 – 01/11/2004), filha de João Batista Borges e Joana Pereira da Rocha. Iniciou muito sedo sua trajetória de trabalho pesado na agricultura para manter o seu próprio sustento ao lado dos seus familiares.
A falta de condições financeiras da família Bezerra obrigava José Pinheiro e os seus irmãos a acordar às 4 horas para trabalhar na roça junto com seu pai Severino Bezerra. Ao meio-dia-dia, eles retornavam para casa para o almoço preparado com muito carinho por dona Alta Pinheiro e voltavam às 13 horas, ficando no roçado até às 18horas trabalhando em variados serviços, como a preparação de terras para o plantio, colheita e até arrancando toco.
Mesmo com toda essa jornada de trabalho, aos 12 anos José Pinheiro conseguiu concluir o primário em uma escola isolada na fazenda Serra Branca e depois foi estudar em Santa Cruz, onde iniciou a 3ª série e estudou até a 5ª série. Mas, devido às dificuldades financeiras dos seus familiares, que não tinham condições de manter seus estudos em Natal, onde tinha um estudo mais avançado, José Pinheiro, em 1950, foi obrigado a voltar para o trabalho na fazenda, onde passou três anos sem estudar.
Com o passar dos anos, as coisas foram melhorando na fazenda Serra Branca, e um certo dia o agricultor Severino Bezerra, que no passado não tinha condições financeiras para manter os quatro filhos estudando em Natal, reuniu-os e perguntou quem estava disposto a voltar a estudar.
O jovem José Pinheiro, que sempre gostou de estudar, foi objetivo e respondeu que queria voltar a Natal para estudar e o seu pai lhe internou no Colégio 7 de Setembro e no Marista, onde concluiu seus estudos e partiu para o vestibular. As dificuldades eram tão grandes que Pinheiro já dizia que nunca mais teria o gosto de voltar a estudar.
Apesar de bastante estudioso, José Pinheiro ainda não tinha parado para escolher um curso para o qual prestaria vestibular. Mas no apartamento onde morava, viviam dois jovens que faziam Medicina e que todos os dias comentavam muitos sobre a faculdade. No início, o assunto irritava Pinheiro, mas ele foi se apaixonando e resolveu prestar vestibular para Medicina. Estudou um ano em cursinho e foi aprovado em primeiro lugar no vestibular para Medicina da UFRN-Univeridade Federal do Rio Grande do Norte e em 1966 estava se formando como clínico-geral.
De agricultor a médico
As dificuldades da família Bezerra não impediram que José Pinheiro viesse a ser médico.
Logo quando se formou em 1966, José Pinheiro foi convidado para ser preceptor, professor que levava os alunos do 6º ano para o programa Crutac, que era um Projeto da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em Santa Cruz, que tinha como objetivo ensinar medicina no interior do Estado. Mas o convite não foi aceito, e José Pinheiro começou a trabalhar no seu primeiro emprego como médico na Maternidade Januário Cicco (12/10/1950) em Natal, onde trabalhou durante um ano.
Na Maternidade Januário Cicco, o jovem médico conheceu um colega médico do município de Patu, que convidou para trabalhar em um hospital da APAMI que estava sendo inaugurado na cidade. Ele aceitou o convite de imediato. Mas, devido na época a região ser muito violenta, passou em Patu apenas seis meses.
Com o surgimento de uma vaga em um centro de saúde em Assu, comandado pelo SESP, José Pinheiro foi contratado e passou dois anos trabalhando no mesmo. Em dezembro de 1969, foi convidado pelo saudoso Jerônimo Dix-huit Rosado Maia (21/05/1912 – 23/10/1996) para trabalhar em Apodi na Maternidade Claudina Pinto.
Chegando na Maternidade, José Pinheiro encontrou um ambiente sem estrutura e sem as mínimas condições de trabalho. Na época, a cidade estava com 10 anos sem médico residente no município, com isso a população enfrentava muita dificuldade para ser atendida.
Voltando para Mossoró, contou o problema da falta de estrutura da maternidade para Dix-huit Rosado, que, com a promessa de que em um ano o substituiria por outro médico, convenceu-o a ficar em Apodi. Passado um ano, Dix-huit Rosado Mandou buscar José Pinheiro e perguntou se ele estava satisfeito coou se queria ir embora, Pinheiro respondeu que se ele tivesse um lugar para ele trabalhar em Mossoró gostaria de sair de Apodi. Dix-huit então pediu que ele continuasse mais um no município e José Pinheiro concordou. Depois desses dois Anos, Dix-huit, mais uma vez, perguntou a José Pinheiro se ele ficava ou não em Apodi, José Pinheiro respondeu de imediato “de Apodi agora só saio morto”. Atualmente seu slogan e: "DAQUI NÃO SAU, DAQUI NINGUÉM ME TIRA”.
Ao tomar gosto pela cidade e pelo povo apodiense, José Pinheiro foi organizando a Maternidade Claudina Pinto e hoje ela é considerada uma das mais importantes e equipadas do interior do Estado do Rio Grande do Norte.
Um homem de família
José Pinheiro conheceu Maria de Lourdes durante o curso na UFRN com se casou e constituiu sua família.
A médica Maria de Lourdes da Silveira, natural de Natal, nascida em 1º de fevereiro de 1942, filha de Severino Edisio da Silveira e de Catarina da Silveira, surgiu na vida de José Pinheiro na faculdade de medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, namoraram um ano e se casaram logo ao concluírem o curso de medicina.
Do casamento de José Pinheiro com Maria de Lourdes, nasceram duas filhas: LILIAM DA SILVEIRA BEZERRA, a primogênita, com duas formaturas: bacharela em Direito pela UFRN e em Odontologia e LUCIANA DA SILVEIRA BEZERRA, natural de Natal, nascida em 12 de outubro de 1971, formada em Direito pela UnP-Universidade Potiguar. Casou-se em primeiras núpcias com o Dr. Guilherme do Monte Pinto, natural de Apodi, filho de Newton Pinto e de Nair do Monte Pinto. Em segundas núpcias com o natalense, o advogado Kels de Oliveira Lima, filho de Juraci Antunes de Lima e Rosa Núbia de Oliveira. Considerado um pai muito dedicado aos filhos, José Pinheiro acompanhou o crescimento das filhas até os 10 anos de idade dando total atenção. De acordo com as revelações das próprias filhas e de sua esposa Maria de Lourdes, Pinheiro chegou a atuar como babá, trocando fraldas, dando a mamadeira e botando as meninas para dormir todas as noites.
O surgimento da política
Depois de cinco anos residindo e trabalhando em Apodi, José Pinheiro foi convidado pelo então governador Tarcísio Maia para entrar na política.
Sem ter o mínimo interesse de ocupar qualquer cargo político, José Pinheiro, depois de cinco anos residindo em Apodi, foi convidado pelo saudoso governador Tarcísio de Vasconcelos Maia (26/8/1919 – 10/04/1998) para ser candidato a prefeito do município.
Na época, Pinheiro era muito ligado à família “Freire”, que era liderada por Francisco Paulo Freire, “CHICO PAULO”(18/01/1927), com quem José Pinheiro tinha um forte laço de amizade. Certo dia, Chico Paulo chegou para Pinheiro e disse que o governador Tarcísio Maia estava querendo falar com ele. Pinheiro, espantado, perguntou o que o governador, que ele nem sequer o conhecia, queria lhe dizer.
O encontro aconteceu durante uma reunião das lideranças políticas de Apodi que faziam parte do bloco de Chico Paulo e na época davam sustentação política ao Governo do Estado. Ao chegar na reunião, José Pinheiro, completamente alheio ao assunto, pois nada sabia sobre política, logo foi recebido por Chico Paulo, pelo governador Tarcísio Maia e por outras lideranças políticas.
O então governador iniciou logo dizendo: “Oi colega, tudo bem? Eu estou precisando de um candidato a prefeito para Apodi e Chico Paulo me apresentou o seu nome como um dos melhores para ser o nosso candidato em Apodi”. Pinheiro ficou gelado, mas teve força para responder de imediato. “Mas governador eu não entendo nada desse negócio de política e isso não da certo de jeito nenhum”, disse o médico.
Chico Paulo vai lhe ajudar por lá e eu conheço o seu trabalho. O povo gosta muito de você”, rebateu Tarcísio Maia. “Se você não for meu candidato, não lhe ajudo mais na maternidade”, ameaçou o governador. Diante disso, José Pinheiro aceitou o desafio, juntamente com seu companheiro de chapa, na pessoa de Geraldo de Freitas Rego, mas perdeu a campanha, cuja eleição ocorreu em 15 de novembro de 1976, para Valdemiro Pedro Viana (17/5/1925 – 26/05/2001) com uma maioria de 757 votos, ou seja, Valdemiro Viana, candidato da ARENA 1 obteve 4.046 votos, enquanto, Dr. Pinheiro, candidato da ARENA 2, obteve 3.289 sufrágios.
O médico tomou gosto pela política e nas eleições de 15 de novembro de 1988 disputou novamente a Prefeitura de Apodi, como candidato do PMDB, juntamente com o seu vice, na pessoa de Valdemiro Pedro Viana (PTB), enfrentando Simão Nogueira Neto (PL) e a professora Maria Zuleide Marinho (PDT), quando foi derrotado pela segunda vez, dessa vez com uma maioria de 523 votos, menos 234 do pleito eleitoral de 1976.
Do primeiro ao terceiro mandato
Depois de duas derrotas, finalmente veio à primeira vitória em 1992, vencendo um ex-prefeito, Dr. Ivo Freire, filho do seu ex-aliado, Chico Paulo. Em seguida vieram a segunda e a terceira.
Em 15 de novembro de 1992, pela terceira vez, Dr. José Pinheiro concorreu à Prefeitura, juntamente com seu companheiro de chapa, na pessoa de Evandro Marinho de Paiva, ambos enfrentaram Ivo Freire de Araújo e Francisco Júlio Marinho e ganharam a eleição com uma maioria histórica, jamais vista em Apodi, com 2.444 votos. Em 3 de outubro de 1996, Dr. Pinheiro faz seu sucessor, na pessoa de seu vice-prefeito Evandro Marinho, que enfrentou seus opositores: Fabio Soares Lins e a médica Maria Solange Noronha, com uma maioria de 2.127 votos.
Em 1º de outubro de 2000, Dr. José Pinheiro, juntamente com seu companheiro de chapa, Tibúrcio Marinho, e sem a presença em seu bloco político, do vice-prefeito Evandro Marinho, que passara para a oposição, disputando a vice-prefeitura, Dr. Pinheiro disputou mais uma vez o comando municipal apodiense e derrotou Simão Nogueira Neto, com apenas 99 votos de maioria.
Em 3 de outubro de 2004, José Pinheiro se tornou a primeira pessoa a ser reeleito prefeito do município de Apodi, disputou à reeleição com dois ex-prefeitos: Evandro Marinho de Paiva e Simão Nogueira Neto, vencendo com uma maioria de 997 votos, ou seja: Dr. José Pinheiro com 10.825 votos e Evandro Marinho com 9.828 votos. O vice de José Pinheiro em seu terceiro mandato é Maria Gorete da Silveira Pinto
Santa-cruzense de nascimento e apodiense de coração.
Apesar de não ter nascido em solo apodiense, José Pinheiro se considera filho da terra. “Moro aqui há quase quatro décadas e já sou filho de Apodi”. O principal sonho de José Pinheiro é não deixar Apodi regredir politicamente.
Presidente da Amos
Em 12 de abril de 2003(sábado), Dr. José Pinheiro tomou posse como presidente da AMOS-Associação dos Municípios da Região de Mossoró e Médio Oeste Potiguar, cujo vice-presidente foi JOSÉ BRUNO FILHO (11/07/1958), prefeito do município de Areia Branca. Ele foi eleito de forma consensual para a presidência da Amos, durante o pleito ocorrido no dia 30 de março de 2003. Na oportunidade, três prefeitos postulavam a presidência da entidade, mas os associados chegaram a um consenso pelo nome do prefeito de Apodi. José Pinheiro recebeu o comando da entidade por intermédio do prefeito Hulgo Costa, que havia presidido a Amos por duas vezes.

A solenidade de posse com a presença de 14 prefeitos filiados à entidade, além de parlamentares representando a Assembléia Legislativa do Estado, vereadores e secretários municipais de Apodi e região do Médio Oeste, assim como representantes de vários seguimentos da sociedade local que prestigiaram o evento ocorrido pela manga na ACDA-Associação Cultural e Desportiva Apodiense.
Terceiro Mandato
José Pinheiro atualmente encontra-se exercendo seu terceiro mandato de prefeito do Apodi, tendo tido o primeiro a conquistar através do voto direto e secreto três mandatos de prefeito, além de ter sido também o primeiro prefeito apodiense a ser reeleito.
Dr. José Ponheiro derrota na justiça seus ex-aliados e inimigos políticos
No dia 8 de janeiro de 2008 o Dr. Luiz Felipe Lück Marroquim, Juiz Eleitoral da 35ª Zona Eleitoral da Comarca de Apodi, extinguiu o processo de ação de impugnação de mandato eletivo em desfavor do prefeito José Pinheiro Bezerra e da vice Maria Gorete Silveira Pinto, alegando irregularidade, no caso das passagens distribuídas durante a eleição de 2004.
Parece mentira, mas é verdade, Dr. Pinheiro deixa de ser bacurau
Em política tudo pode o que parecia difícil de acontecer, aconteceu, Dr. José Pinheiro deixa seus aliados bacuraus e se junta aos seus opositores, deixando de ser bacurau e apelido de BICURAU, uma mistura de Bicudo e Bacurau, porém, mas bicudo do bacurau, tendo em vista a maioria dos bacuraus, principalmente, aqueles mais velhos optaram por Gorete Pinto, enquanto, a maioria dos bicudos, especialmente, aqueles menos radicais hoje já são capazes de carregar o velho adversário nas costas.
Dr. Pinheiro deixa de ser bacurau para ser bicudo, no mês de setembro de 2007 desligou oficialmente do PMDB e filiou-se ao partido do deputado federal João Maia, cuja agremiação é de sustentação a base da Governadora Vilma de Faria.

Último carnaval do Dr. Pinheiro
No período de 1º a 5 de fevereiro Dr. Pinheiro realizou seu último carnaval como prefeito denominado de “PINHEIRÃO”, com um custo de 750 mil reais. Foram 12 carnavais realizados pelo prefeito José Pinheiro
Sucessão 2008
Em março de 2008 Dr. José Pinheiro apresenta aos eleitores apodienses seu sucessor, tratava-se de seu secretário municipal, Célio Martins, porém. O mesmo não decolou nas pesquisas e no dia 19 de junho de 2008 o prefeito através de uma entrevista concedida aos repórteres Jairo César e Fernando Magalhães no Programa Panorama Político da Rádio Vale do Apodi declarou apoio a Dra. Solange de Noronha, posteriormente o nome de Solange foi queimado, ficando o mesmo em neutro, liberando seus eleitores para apoiar quem quisesse, porém, no final da campanha passa a apoiar o candidato Flaviano Monteiro, o qual foi derrotado por Gorete Pinto
Vice – MARIA GORETE DA SILVA PINTO – 2ª mulher vice-prefeita de Apodi.
VICE-PREFEIRA
MARIA GORETE DA SILVEIRA PINTO
natural de Apodi, nascida a 14/04/1956, filha do ex-vereador Francisco Silveira, conhecido popularmente pela alcunha de “MANU” DE “CABOCLO” (8/5/1926), filho de Manoel Coriolano de Melo e de Izaura da Silveira; e de Izaura Plácida da Silveira (19/1/1926 – 20/7/1974), filha de João Batista Cascudo e de Etefânia Alice da Silveira. Casada com o Dr. Klinger Péricles Pinto Diniz, natural de Apodi, nascido a 15/5/1959, filho de Sebastião Pinto Neto e de Maria de Lourdes Pinto.
SECRETÁRIOS MUNICIPAIS
ADMINISTRAÇÃO
: Maria Auxiliadora da Silva Maia, natural de Apodi, nascida a 4/1/1951, filha de Sebastião Lúcio da Silva (9/1/1914 – 4/12/1991), filho de Agostinho Lúcio da Silva e de Maria Petronila; e de Eugênia Pereira da Silva (12/12/1912 – 12/5/1992), filha de Anastácio 0limpio Pereira (1/5/1880 – 28/4/1981) e Francisca Anastácio Pereira. Casada com João Pereira Maia, natural de Apodi, nascido a 21/4/1947, filho de João 0limpio Pereira e de Francisca 0zelita Maia.
FINANÇAS: Marlice Lopes de 0liveira, natural de Apodi, nascida a 10/11/1966, filha de Jonas Lopes de 0liveira e de Maria Anália de 0liveira, casada com Paulo Mavignier Fernandes Pinto, natural de Apodi, nascido a 25/9/1977, filho de Paulo Maia Pinto e de Célia Maria Fernandes Pinto,natural de Apodi, nascido a 21/4/1947, filho de João 0limpio Pereira e de Francisca 0zelita Maia.

FINANÇAS: FRANCISCO ROBERTO CARLOS MORAIS, natural de Apodi/RN, nascido em 24/07/1967, filho de Francisco Bezerra de Morais e Francisca das Chagas Morais, casado com Alana Sonara Alves Ferreira, filha de José Ferreira Neto e Francisca Alves de Oliveira Neta, Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual do Rio Grande do Norte.
PROMOÇÃO E BEM-ESTAR SOCIAL – Antonio de Souza Maia Júnior – 1.123 votos ANTONIO DE SOUZA MAIA JÚNIOR, nascido em 24 de abril de 1966, filho de ANTONIO DE SOUZA MAIA, nascido no sítio Poço Verde, município de Apodi, nascido em 19 de junho de 1934, filho de Joaquim Batista da Costa (nascido em 06/02/1901) e de Maria Casemira de Souza: e de ANTONIA ABGAIL BARRA DE SOUZA, natural de Apodi, nascida em 1º de abril de 1943, filha de Elias Monteiro Cavalcante (12/04/1912 – 24/11/1997) e de Francisca Diógenes de Oliveira, natural de Caraúbas (18/8/1918 – 07/12/1994), casado com Maria Aparecida de Oliveira Morais Souza, natural de Apodi, nascida em 28 de agosto de 1969. Proprietário da Rádio comunitária, a FM LUTA, fundada em 23 de março de 1996, atual EDUCATIVA LUTA, desde 11 de outubro de 2006. Foi Secretário municipal do Bem=Estar Social na terceira administração do Dr. Pinheiro Bezerra.
= Tibúrcio Marinho, desde 16/08/2006 - Tibúrcio Marinho da Costa – 1.221 votos – Natural de Apodi, nascido a 9 de março de 1960, filho de Cássio Tiburcio da Costa e Zélia Morais Marinho, casado com Gecina Marinho, filha do saudoso Hélio Morais Marinho e Maria Zuleide Marinho.
CHEFE DE GABINETE - LUCIANA DA SILVEIRA BEZERRA, natural de Natal, nascida em 12 de outubro de 1971, formada em Direito pela UnP-Universidade Potiguar. Casou-se em primeiras núpcias com o Dr. Guilherme do Monte Pinto, natural de Apodi, filho de Newton Pinto e de Nair do Monte Pinto. Em segundas núpcias com o natalense, o advogado Keps de Oliveira Lima, filho de Juraci Antunes de Lima e Rosa Núbia de Oliveira
SÔNIA MAIA TENÓRIO
SAÚDE: ANA PAULA FERREIRA DE SOUZA. Natural de Apodi, filha de Paulo Néri de Souza, natural de Apodi, nascido em 19 de dezembro de 1949, filho de Felipe Néri de Souza e de Francisca Dantas de Souza; e de Maura Ferreira de Sales e Souza, natural Apodi, nascida em 4 de maio de 1947, filha de Francisco Joaquim de Sales e de Raimunda Ferreira de Sales. Casada com Erlon César de Oliveira, natural de Caraúbas-RN, filho de José Wilson Câmara e de Maria Neuza Fernandes. Graduada em Enfermagem pela Universidade Estadual do Rio Grande do Norte.
JUVENTUDE, ESPORTE E LAZER: Keiber Roberto Maia 0liveira, natural de Apodi, nascido a 13/3/1971, filho de Francisco Alves de 0liveira e de Maria do Socorro Maia de 0liveira, casado com Ariana Karla Morais de Lima Maia, natural de Apodi, nascida a 2/4/1979, filha de Francisco Eci de Lima e de Aldicrli Maria de Lima.
Obras - Célio Martins Tavares, natural de Apodi, nascido a 19/6/1968, filho de Francisco de Assis Mendonça Tavares e Maria de Jesus Martins Tavares, casado com Antonia Janicleide de Morais Soares Tavares, natural de Apodi, nascida a 30/9/1970, filha de Francisco Soares Freire e de Maria Zuleide Morais Freire.
Agricultura e Irrigação: FRANCISCO LIMA DE SOUZA, natural de Itaú, nascido a 14/3/1955, filho de Adonias Soares de Souza e de Francisca Lima de Aguiar, casado com Francisca Aíla Lopes de Souza, natural de Apodi, nascida a 6/6/1964, filha de Francisco Lopes e de Damiana de Freitas Lopes.
DAGMAR SUASSUNA DA SILVA
Dagmar Suassuna da Silva – 528 votos – Natural de Martins-RN, nascida em 8 de fevereiro de 1942, filha de Antônio Anacleto e de Maria Praxedes Suassuna. Casou-se com João Veríssimo Neto, nascido em 23 de junho de 1938, filho de João Veríssimo Filho e Maria Severina Verísssimo, com os seguintes filhos: JARIMAR SUASSUNA DE MEDEIROS, nascido em 6 de junho de 1972; JANETE SUASSUNA VERÍSSIMO, nascida em 24 de setembro de 1970; JEANE MARIA SUASSUNA VERÍSSIMO, nascida em 13 de maio de 1963; JULIANA SUASSUNA VERÍSSIMO; MARIA APARECIDA SUASSUNA VERÍSSIMO, nascida em 26 de setembro de 1978. A Vereadora Dagmar no dia 4 de outubro de 2007 deixou a Câmara Municipal para assumir a Secretaria de Urbanismo. Em sua vaga assumiu o suplente Carlos Antonio do Vale, conhecido popularmente por “TAIOCA”.
Educação: Maria Salete Nogueira Pinheiro, natural de Apodi, nascida a 30/8/1950,filha de João Epitácio Nogueira e de Sebastiana Duarte de Morais, casada com Eilson Pinheiro, natural de Itaú, nascido a 1/5/1963, filho de Francisco das Chagas Pinheiro e Maria da Conceição Pinheiro.
Promoção e Bem-Estar Social: TIBÚRCIO MARINHO, desde 16/08/2006
URBANISMO: De 01/01/2001 a 2/01/2006 – JOÃO JACINTO DE SOUZA, vulgo ‘JOÃO FISCAL’, natural de São José de Mipibu-RN, nascido em 18 de junho de 1944, filho de Ângelo Jacinto de Souza e de Maria Paiva de Souza, casado com Maria Dalvani Cavalcante de Souza, natural de Felipe Guerra, nascida em 5 de fevereiro de 1946, filha de Júlio Cavalcante de Souza e de Alice Ezilda de Góis. Faceleu em 2 de janeiro de 2006. Com o falecimento de João Fiscal, quem assumiu interinamente essa secretaria foi Vilcimar Duarte de Morais, que permaneceu no cargo até 4 de maio de 2006, quando foi substituído pelo suplente de vereador ANTONIO
LAERTE DE OLIVEIRA DE SOUZA.
VILCIMAR DUARTE DE MORAIS
– 03/01/2006 a 04/05/2006
desde 4/5/2006 até a presente data – 23/03/2008
ANTONIO LAERTE DE OLIVEIRA DE SOUZA, nascido no sítio Santo Rosa, neste município, em 22 de agosto de 1967, filho de Lafaete Aristides de Oliveira e de Nailde de Souza Oliveira. Laete ingressou na política no ano de 1996, se elegendo vereador, com 451 votos e reeleito em 2000. No pleito de 6 de outubro de 2004 conquistou 905 votos, ficando na primeira suplência da coligação Avança Apodi. Em 1º de janeiro de 2005 assume a cadeira de vereador na vaga de Júnior Souza, deslocado para a Secretara do Bem Social. Em 4 de maio deste ano o mesmo deixa o legislativo e passa para o executivo assumindo a referida secretaria municipal, sendo em seu lugar tomou posse o 2º suplente Eilson Holanda Targino, que na última eleição obteve 768 sufrágios.
Turismo e Meio Ambiente: Erlon César de 0liveira, natural de Caraúbas, filho de José Wilson Câmara Araruna (24/1/1955), filho de José Araruna Figueiredo e Maria Consuelo Carmo; e de Maria Neuza Fernandes (2/5/1952), filha de João Lucas de Lima e de Maria Augusta Pamplona. Casado com a enfermeira Ana Paula Ferreira de Souza, natural de Apodi, filha de Paulo Néri de Souza e Maura Ferreira de Sales.
INTERINO: Keiber Roberto Maia Oliveira
JOÃO EVANGELISTA DE MENEZES FILHO, natural de Apodi, nascido no ano de 1974, filho de João Evangelista de Menezes e de Maria Celeste Torres. Assumiu a pasta desta Secretaria em janeiro de 2008, substituindo o interino Keiber Roberto. É presidente do maior bloco carnavalesco de Apodi, o Xoxoteiro, com quase cinco mil componentes.
Assessor de Comunicação: Leila Karla Dantas Sena, natural de Apodi, nascida em 16/2/1977, filha de Luzimar Praxedes de Sena (12/6/1939) e de Maria da Conceição Dantas de Sena (12/7/1936 – 21/11/2001). Casada com Roberto Leite Gama, natural de Apodi, nascido a 6/3/1974, filho de Raimundo Ferreira Gama ‘RAIMUNDO DE RODOLFO’ (16/12/1944 – 7/2/2006) e de Maria Vanda Leite Gurgel. Leila Carla é colunista social do jornal Gazeta do Oeste, desde 23/5/2000-terça-feira.
ASSESSOR DE COMUNICAÇÃO: Sérgio Levy Pessoa da Silva, natural de Recife - PE, nascido a 30 de Novembro de 1964, filho de Levy Costa da Silva, natural de Cabo - PE, nascido a 27 de Outubro de 1934 e de Maria Salete Pessoa da Silva, natural de Macaíba - RN, nascida a 01 de Setembro de 1934. Casou-se em 18 de ju­nho de 1988, com Francisca Erinaide Freitas Ne­greiros Pessoa, natural de Rodolfo Fernandes - RN, nascida a 16 de abril de 1963, filha de Raimun­do Nonato da Silva, natural de Potiretama – CE, nascido a 12 de maio de 1918 e falecido em 20 de fevereiro de 2002 e de Maria Inácia Negreiros, natural de Iracema - CE, nascida a 21 de dezembro de 1921 e falecida em 04 de maio de 2000.
Assessor Jurídico: Dr. Sávio José da Silva.
Dr. SÁVIO JOSÉ DA SILVA, natural de Apodi, nascido a 19 de agosto de 1964, filho de José Francisco de Oliveira (Zé Maçado) e Maria Joana de Freitas Oliveira. Casou-se em 29 de outubro de 1987, com ROSE MEIRE RODRIGUES DE PAIVA OLIVEIRA, natural de Apodi, nascida a 23 de dezembro de 1963, filha de Aldeci Dias de Paiva e Antonia Rodrigues de Paiva, com três filhos: ALDECI RODRIGUES DE PAIVA OLIVEIRA, nascido a 12 de março de 1988; ANA SANZIA RODRIGUES DE PAIVA OLIVEIRA, nascida a 19 de outubro de 1997 e SAVIO JOSÉ DA SILVA FILHO, nascido a 29 de janeiro de 1994. Formado em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, com diplomado em 29 de janeiro de 1994.
ASSESSORIA DE POLÍTICA: José Maria da Silva, natural de Baraúna, nascido a 18/4/1967, filho de José Jerônimo da Silva, nascido em Mossoró a 20 de julho de 1940, filho de Camilo Rosa da Silva e Amélia Maria da Conceição; e de Margarida dos Santos Silva, casado com Naide Maria Ferreira França Silva, natural de Apodi, nascida em 27 de janeiro de 1962, filha de Raimundo Pinheiro de França e de Marinete Pinheiro de França,
TESOUREIRO - CHICÃO CABEÇÃO
ATUAL ADMINISTRAÇÃO GORETE PINTO 1ª APODIENSE A REPRESENTAR O SEU POVO COM UM MANDATO LEGISLATIVO E EXECUTIVO
MARIA GORETE DA SILVEIRA PINTO natural de Apodi, nascida a14 de abril de 1956, filha do ex-vereador Francisco Silveira, conhecido popularmente pela alcunha de “MANU” DE “CABOCLO” (8/5/1926) e de Alice da Silveira. Casada com o Dr. Klinger Péricles Pinto Diniz, é a nova responsável pelos destinos do município. A programação de posse da nova prefeita teve início às oito horas da manhã do dia primeiro de dezembro de 2009.com celebração de uma missão na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição. Às nove horas, os vereadores se reuniram no plenário da Câmara Municipal para empossar o poder executivo. Após cumprir o protocolo, o poder legislativo apodiense empossou a primeira mulher da história que irá governar o município. Em seguida, Gorete se dirigiu à prefeitura para, ao lado do seu vice, Evandro Marinho de Paiva (PRB), o Vandinho, receber as chaves da cidade. Às 10h30, ela fez o seu primeiro pronunciamento oficial. Gorete Pinto ingressou na política em 2000 quando foi eleita a primeira apodiense a representar o seu povo com um mandato eletivo, já que as duas últimas mulheres que exerceram o mandato de vereadora, a primeira foi Raimunda Alves da Costa assume que assumiu em abril de 1972, na condição de suplente, na vaga deixada pelo seu irmão Valdemiro Viana, eleito em 15 de novembro de 1968, que renunciou o cargo para se candidatar a prefeito; a segunda foi Maria de Fátima Gomes Nobre e Silva, porém, ela não nasceu em Apodi, e sim, em Tabuleiro Grande, daí, Gorete de fato e de direito é a primeira vereadora e prefeita apodiense.Em 01 de outubro de 2000 ela foi eleita com 1759 votos. Em 3 de outubro de 2004 elegeu-se vice-prefeita na chapa encabeçada pelo Dr. José Pinheiro Bezerra e em 5 de outubro de 2008 foi eleita prefeita
GORETE PINTO
VICE- EVANDRO MARINHO DE PAIVA
VER-SE RESUMO BIOGRÁFICO NO ÍTEM 13
SECRETÁRIOS:




GABINETE CIVIL - Klinger Pinto

ADMINISTRAÇÃO - Genilson Gurgel

AGRICULTURA - Eron Costa

Esporte/Juventude - Jairo César Freire de Araújo

AÇÃO SOCIAL - Laete Oliveira

OBRAS - Nilson Fernandes

URBANISMO/TRANSPORTE - Agostinho Pinto

EDUCAÇÃO - Mara Marlizete

SAÚDE - Ivanildo Lima


FINANÇAS- Marlice Lopes

DADOS BIOGRÁFICOS DÉ SECRETÁRIOS

MARCUS AGOSTINHO DO MONTE PINTO, natural de Apodi, nascido em 9 de agosto de 1963, filho do desembargador Newton Pinto e de Nair do Monte Pinto, casado com PAULA CONSUELO DE ARAÚJO ARCOVERDE PINTO, nascida em 29 de abril de 1968, filha de José Wellington e Paula Franssinete de Araújo FRANCISCO NILSON FERNANDES DE LIMA¸ natural de Apodi, nascido em 16 de abril de 1962, filho de João Lucas de Lima e de Neuza Augusto Pamplona. Casado com Eleusa Moreira Gurgel, natural de Caraúbas-RN, nascida em 12 de maio de 1964, filha de Altamiro Moreira do Nascimento e de Maria de Lourdes do Nascimento.Dr. Klinger Péricles Pinto Diniz, natural de Apodi, nascido a 15/5/1959, filho de Sebastião Pinto Neto e de Maria de Lourdes Pinto. Caado com a atual prefeita de Apodi, a professora MARIA GORETE DA SILVEIRA PINTO natural de Apodi, nascida a 14/04/1956, filha do ex-vereador Francisco Silveira, conhecido popularmente pela alcunha de “MANU” DE “CABOCLO” (8/5/1926), filho de Manoel Coriolano de Melo e de Izaura da Silveira; e de Izaura Plácida da Silveira (19/1/1926 – 20/7/1974), filha de João Batista Cascudo e de Etefânia Alice da Silveira. Casada com o Dr. Klinger Péricles Pinto Diniz, natural de Apodi, nascido a 15/5/1959, filho de Sebastião Pinto Neto e de Maria de Lourdes Pinto.

MARA MARLIZETE DUARTE MARINHO DE PAIVA, natural de Apodi, nascida a 29/8/1963, filha de Antonio Augusto Duarte e de Mara Lizete Marinho Duarte. Casada com EVANDRO MARINHO DE PAIVA, natural de Apodi, nascido a 8/8/1962, filho de Altino Dias de Paiva e de Anita Marinho de Paiva.


TIBÚRCIO MARINHO DA COSTA, natural de Apodi, nascido em 9 de março de 1960, filho de Cássio Tibúrcio da Costa e de Zélia Moarais Marinho, casado com Celcina Marinho
Finanças: Marlice Lopes de 0liveira, natural de Apodi, nascida a 10/11/1966, filha de Jonas Lopes de 0liveira e de Maria Anália de 0liveira, casada com Paulo Mavignier Fernandes Pinto, natural de Apodi, nascido a 25/9/1977, filho de Paulo Maia Pinto e de Célia Maria Fernandes Pinto,natural de Apodi, nascido a 21/4/1947, filho de João 0limpio Pereira e de Francisca 0zelita Maia.




ANTONIO LAERTE DE OLIVEIRA DE SOUZA, nascido no sítio Santo Rosa, neste município, em 22 de agosto de 1967, filho de Lafaete Aristides de Oliveira e de Nailde de Souza Oliveira. Laete ingressou na política no ano de 1996, se elegendo vereador, com 451 votos e reeleito em 2000. No pleito de 6 de outubro de 2004 conquistou 905 votos, ficando na primeira suplência da coligação Avança Apodi. Em 1º de janeiro de 2005 assume a cadeira de vereador na vaga de Júnior Souza, deslocado para a Secretara do Bem Social. Em 4 de maio DE 2008 o mesmo deixa o legislativo e passa para o executivo assumindo a referida secretaria municipal, sendo em seu lugar tomou posse o 2º suplente Eilson Holanda Targino, que na última eleição obteve 768 sufrágios. No último pleito eleitoral municipal, novamente não conseguiu retornar a Câmara Municipal, ficando na segunda suplência. Em 1º de janeiro de 2009 foi convocado para fazer parte do primeiro escalão da prefeita Gorete Pinto

JAIRO CESAR DE ARAÚJO FREIRE, natural de Apodi-RN, nascido a 16 de julhu de 1974, filho de FRANCISCO PAULO FREIRE (18/01/1927) e de BENEDITA FERREIRA FREIRE (08/03/1933). Casado com RAIMUNDA FERREIRA FREIRE, natural de Apodi, nascida a 5 de outubro de 1962, filha de Francisco Joaquim de Sales e Raimunda Ferreira da Silva. Nos primeiros dias enfrentou sua primeira e agguerrida batalha, pois fora acometido de uma séria e nefasta enfermemida, inclusive o diagnóstico do médico na época prenunciava a morte iminente, entretanto, como batalhador e guerreiro que se mostrou, venceu tão temerária luta, conseguindo sobreviver, sendo hoje, um bom radialista, trabalha na Rádio de Apodi e Secretário Municipal de Apodi. Por duas vezes: 2004 e 2008, tentou ser eleito eleito edil, porém, o povo de Apodi, infelizmente, deixou de ter um grande batalhador em prol do desenvolvimento apodiense, principalmente, no que diz respeito, a nossa pobre cultura

Marlice Lopes de 0liveira, natural de Apodi, nascida a 10/11/1966, filha de Jonas Lopes de 0liveira e de Maria Anália de 0liveira, casada com Paulo Mavignier Fernandes Pinto, natural de Apodi, nascido a 25/9/1977, filho de Paulo Maia Pinto e de Célia Maria Fernandes Pinto,natural de Apodi, nascido a 21/4/1947, filho de João 0limpio Pereira e de Francisca 0zelita Maia.


FRANCISOCO ERON DA COSTA













AOS APODIENSES





Este trabalho originou-se da continuação de uma longa pesquisa que este pesquisador está elaborando sobre a História do município de Apodi, contendo 35 capítulos, resgatando todos os fatos históricos e contemporâneos apodiense. Como se trata de uma grande obra, e por falta de condições financeiras para custearem as despesas com a pretendida edição, resolvi dividir esse projeto em várias etapas a primeira foi “COMARCA DE APODI EM REVISTA”, contendo 76 páginas, publicada em 17 de agosto de 2007, a segunda, foi “3ª CPM/2º BPM – BRAÇO ARMADO DA SOCIEDADE NA CHAPADA E VALE DO APODI”, contendo 96 páginas, publicada em 20/01/2008; e a terceira é esta intitulado de PODER EXECUTIVO, talvez, a quarta seja denominado de “PODER LEGISLATIVO” e a quinta – CULTURA APODIENSE, com a história da Academia Apodiense de Letras, Banda de Música Antonio de Pádua Leite, Biblioteca Pública Municipal “Valter de Brito Guerra” e Casa de Cultura Popular “Soledade”. Não estou prometendo nada, e sim, é apenas vontade deste pesquisador. Essas obras estão quase prontas, porém, falta o principal, estou me referindo à condição financeira. Como já publiquei três capítulos da História do Apodi, daí, acho que mesmo sem nenhum apoio do Poder Executivo Apodiense, vou publicá-las. Quem viver, verá. Eu sou eu e Jacaré é um bicho. Sou quero o apoio da população apodiense, principalmente, daqueles que gostam de ler e investir um pouquinho em cultura. A cultura faz parte de nossas vidas. AGUARDEM!!!
Trata-se de uma viagem mais do que sesquicentenária ( MDCCCXXXV / MMVIII) – 174 anos da emancipação política do município de Apodi, que aconteceu através da Lei Provincial n° 18, DE 23 DE MARÇO DE 1835 e instalado no dia 9 DE OUTUBRO DE 1935.
Depois que pesquisamos junto aos livros de atas do CONSELHO DE JURADOS de Apodi, de 1843 a 1892, instalado em 18 de setembro de 1843, onde nas atas contém os nomes dos presidentes da Câmara Municipal de Apodi; e de um documentos (talvez de autoria do grande pesquisador apodiense Raimundo Nonato Ferreira da Mota) , digo assim, já que posteriormente tentei ver esse documento e infelizmente a atendente do IHGRN não o encontrou, talvez tenha sido extraviado ou alguém o furtou, mas felizmente, tive o prazer de copiá-lo, com a devida permissão do presidente o advogado ENÉLIO LIMA PETROVICH, o qual é membro da cadeira Nº 04 da Academia Norte-rio-grandense de Letras, desde 7 de dezembro de 1973 – 35 anos), cujo patrono é o poeta Lourival Açucena) conseguido por este pesquisador no Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, contendo a relação dos administradores do Apodi, não completa, porém, ajudou bastante a este pesquisador a completar a lista (talvez), já que não temos a devida certeza que essa relação está totalmente completa, mas com certeza será de grande importância para a História política-administrativa apodiense já que nenhum outro pesquisador havia antes relacionado os nomes e períodos, juntamente com fotos, dados biográficos dos administradores do Apodi (PREFEITO, VICE-PREFEITO E SECRETÁRIO), e agora, graças ao Dr. Marcos Pinto que conseguiu esses livros de atas e desse documento conseguido no IHGRN, além de outras pesquisas feitas por mim junto a pessoas antigas, como também em outros livros de atas e de livros publicados: APODI, SUA HISTÓRIA, do saudoso Valter de Brito Guerra, Coleção Mossoroense 2000; “DATAS E NOTAS PARA HISTÓRIA DE APODY, do grande pesquisador MARCOS PINTO, Coleção Mossoroense, 2001, concluímos a relação dos administradores do Apodi, desde de sua fundação, passando pelos donatários, presidentes da Câmara Municipal, Presidentes da Intendência Municipal, Interventores Municipais e prefeitos constitucionais.
Nossa intenção era de ter conseguido todas as biografias de todos os administradores, porém, infelizmente, isto não foi possível, mas mesmo assim conseguimos muita coisa, com quase todos os dados biográficos dos prefeitos, vice-prefeitos e de vários secretários municipais, principalmente os das últimas administrações municipais.
Este trabalho é inédito tendo em vista que até o presente momento nenhum outro pesquisador apodiense havia dissecado tudo (quase) sobre os administradores de Apodi. Você pode pesquisar em todos os livros já publicados, no máximo que você vai encontrar é a relação dos prefeitos de 1929 até a data da publicação. Neste você vai conhecer todos os administradores, desde 1835 até 2008, com os respectivos períodos, com fotos e dados biográficos de vários prefeitos. Dos prefeitos constitucionais somente não encontramos as fotos de Adrião Bezerra, Major Joaquim Teixeira de Moura e o tenente Abílio Campos. Uma pena, principalmente, a do apodiense Adrião Bezerra.
Muitas gentes indagam-me no que diz respeito porque não mando publicar meus trabalhos . Garanto que essa é a minha imensa vontade, porém, um livro o custo é alto, já que a gráfica cobra por uma folha o seguinte: UM REAL para digitar; UM REAL para revisar; DOIS REAIS para diagramar; 30 CENTAVOS para publicar. Portanto, um livro com 300 páginas custa a importância superior a CINCO MIL REAIS; enquanto, como faço, quase artesanal, posso mandar fazer um, dois, dez ou mil, já o livro, a gráfica só pública no mínimo 300 exemplares. Desta forma o preço sai salgado. Quem não tem cachorro, caça com gato.
Apodi-RN, 23 de março de 2009, 508º do descobrimento do Brasil; 411º da fundação do Rio Grande do Norte; 398º da fundação desta terra; 187º da Independência; 174º da emancipação política; 133º da criação da Comarca; 122º de cidade; e 120º da República
.






ESPERO QUE OS ATUAIS ADMINISTRADORES DE APODI NÃO SEJAM IGUAIS AOS DO PASSADO, QUE NUNCA INVESTIRAM UM CENTAVO NA CULTURA APODIENSE. POR DIVERSAS VEZES APRESENTEI MEU PROJETO AO EX-PREFEITO JOSÉ PINHEIRO BEZERRA, SEMPRE SÓ PROMESSA E POR ÚLTIMO, NO FINAL DO ANO PRÓXIMO PASSADO, OUVI DELE O SEGUINTE - SE GASTASSE UM CENTAVO NO MEU TRABALHO ELE IRIA PARA A CADEIA. SERÁ QUE APODI NÃO É BRASIL, PORQUE TENHO CONHECIMENTO QUE EXISTE VERBA PARA INCENTIVAR A CULTURA. ATÉ MESMO PARA PRODUZIR UM FILME ATRAVÉS DE CECELUAR EXISTE DINHEIRO.





A CÂMARA MUNICIPAL DE APODI PRECISA CRIAR UMA LEI INCENTIVANDO A CULTURA LOCAL, A QUAL PODERIA SER DENOMINADO DE "VÁLTER GUERRA", NÃO CUMPLICADA COMO É A LEI 'CÂMARA CASCUDO' QUE SÓ BENEFICIA OS GRANDES, ENQUANTO, OS POBRES COITADO ASSIM COMO EU NÃO TEM COMO PUBLICAR UM LIVRO ATRAVÉS DESSA LEI, TAMANHO É A BOROCRACIA.






NÃO QUERO GANHAR DINHEIRO E SIM, APENAS MOSTRAR MEU TRABALHO ATRAVÉS DE UMA PUBLICAÇÃO. ESTE LINK É UMA PROVA QUE MEU TRABALHO NÃO É TÃO RUIM AO PONTO DE UM ADMINISTRADOR MUNICIPAL NÃO QUERER PUBULICÁ-LO. É PURA BURRICE, TENDO EM VISTA QUE NINGUÉM PASSARIA TANTO TEMPO PESQUISANDO A HISTÓRIA DE UM MUNICÍPIO E NÃO QUERER NADA EM TROCA, HAJA VISTA QUE ,SE A ATUAL PREFEITA DE APODI DESEJAR MANDAR PUBLICAR MEU TRABALHO, NÃO QUERO UM CENTAVO, E SIM, APENAS ALGUNS EXEMPLARES.





SE PORVENTURA, MEU TRABALHO NÃO É DIGNO, PERDOE-ME. RESTA TÃO SOMENTE, ESPERAR PELA VONTADE DE DEUS, AÍ SIM, PUBLICAREI, MESMO SABENDO QUE APENAS VAI SERVIR DE GOZAÇÃO, PORÉM, REALIZAREI MEU SONHO DE ESCREVER, ALIAS, PUBLICAR, JÁ QUE JÁ ESCREVI A HISTÓRIA DESTA QUERIDA E AMADA TERRA, TÃO RICA E BOA, MAS INFELIZMENTE FALTA O AMOR VERDADEIRO DE SEUS FILHOS, PRINCIPALMENTE, AQUELES QUE DE FATO E DE DIREITO SÃO OS RESPONSÁVEIS PELO PROGRESSO E O DESENVOLVIMENTO DA CIDADE, OS QUAIS, A MAIORIA, FALSAMENTE DIZ QUE AMA O APODI. DIZER É FÁCIL, AGORA MOSTRAR ESSE AMOR, AÍ SIM, É DIFÍCIL.





CASO NOSSOS ATUAIS POLÍTICOS NÃO ATENTAR PARA MUDAR DE COMPORTAMENTO, DEIXANDO A POLITICAGEM DE LADO E PASSAR A DESENVOLVER TÃO SOMENTE A POLÍTICA, APODI QUE HOJE É A QUINTA CIDADE DA REGIÃO OESTE, APESAR DE SER A TERCEIRA EM NÚMERO DE POPULAÇÃO, MAS QUANDO SE RETIRA AS PESSOAS RESIDENTES NA ZONA RURAL, APODI FICA NESSA POSIÇÃO, CORRE O RISCO DE DESAPARECER DO MAPA.Confira abaixo:





AS MAIORES ZONAS URBANAS DA REGIÃO OESTE
Com base no penúltimo Censo Demográfico do IBGE/1996, as 12 maiores cidades da Mesorregião Oeste do Rio Grande do Norte, são as seguintes:
TOTAL URBANA RURAL
1º - MOSSORÓ - 213.811 - 198.081 – 14.760
2º - ASSU – 47.904 –
34.645 – 13.259
3º - PAU DOS FERROS – 24.768- 22.311 – 2.447
4º - AREIA BRANCA – 22.630 – 17.661 – 4.609
5º - APODI- 34.174 – 16.353 – 17.821
6º - CARAÚBAS – 18.810 – 12.304 – 6.050
7º - SÃO MIGUEL – 20.124 – 11.655 – 8.969
8º - BARAÚNA – 18.322 – 11.405 – 6.657
9º - JUCURUTU – 17.319 – 10.338 - 6.934
11º - ALEXANDRIA – 13.772 – 8.890 – 4.892
10º - PATU – 11.171 – 8.848 - 2.223
12º - SERRA DO MEL – 8.237 – 8.203 - 37

PORTAL TERRAS POTIGUARES NEWS

PORTAL TERRAS POTIGUARES NEWS
O RN PASSA POR AQUI! - A MAIOR FONTE DE INFORMAÇÕES ANTIGAS E ATUAIS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, COM 20 BLOGS E 1780 LINKS (55 DO MUNICÍPIO DE APODI), CRIADO A 28 DE DEZEMBRO DE 2008, PELO STPM JOTA MARIA, COM A COLABORAÇÃO DE JOTAEMESHON WHAKYSHON, JULLYETTH BEZERRA E JOTA JÚNIOR.
VOCÊ APODIENSE TEM MOTIVOS, RAZÕES E CIRCUNSTÂNCIAS PARA ACESSAR O LINK “APODI”, PRINCIPALMENTE, SE ÉS INTELIGENTE E QUE REALMENTE, AMA DE VERDADE SUA TERRA NATAL. VOCÊ VAI ENCONTRAR A MAIOR FONTE DE PESQUISA REFERENTE AO MUNICÍPIO DE APODI

PERFIL

Minha foto
É o blog da cultura, política, economia, história e de muitas curiosidades regionais, nacionais e mundiais. Pesquisamos, selecionamos, organizamos e mostramos para você, fique atenado no Oeste News, aqui é cultura! SÃO 118 LINKS: SEU MUNICÍPIO - histórico dos 167 municípios potiguares; CONHECENDO O OESTE, MOSSORÓ, APODI - tudo sobre o município de Apodi, com fatos inéditos; MOSSORÓ - conheça a história de minha querida e amada cidade de Mossoró; SOU MOSSOROENSE DE NASCIMENTO e APODIENSE DE CORAÇÃO; JOTAEMESHON WHAKYSHON - curiosidades e assuntos diversos; JULLYETTH BEZERRA - FATOS SOCIAIS, contendo os aniversariantes do mês;JOTA JÚNIOR,contendo todos os governadores do Estado do Rio Grande do Norte, desde 1597 a 2009; CULTURA, POLICIAIS MILITARES, PM-RN, TÚNEL DO TEMPO, REGISTRO E ACONTECIMENTO - principais notícias do mês; MILITARISMO. OUTROS ASSUNTOS, COMO: BIOGRAFIA, ESPORTE, GENEALOGIA, CURIOSIDADES VOCÊ INTERNAUTA ENCONTRARÁ NO BLOG "WEST NEWS", SITE - JOTAMARIA.BLOGSPOT.COM OESTE NEWS - fundado a XXVII - II - MMIX - OESTENEWS.BLOGSPOT.COM - aqui você encontrará tudo (quase) referente a nossa querida e amada terra potiguar. CONFIRA...

ARQUIVO DO LINK APODI

MUSEU DE SOLEDADE

MUSEU DE SOLEDADE

DOCUMENTO

DOCUMENTO

SANTA LUZIA

SANTA LUZIA
NOSSA QUERIDA E AMADA SANTA

CLAUDINA PINTO

CLAUDINA PINTO

DONA MANA PINTO

DONA MANA PINTO
MARIA FRANCISCA PINTO GOMES E ARAÚJO. Conhecida popularmente por “MANA PINTO”, natural de Apodi, nascida a 21 de agosto de 1948, filha de João Gomes da Costa Letice Pinto Gomes. Professora. Faleceu no dia 13 de agosto de 2012

FÁTIMA NOBRE

FÁTIMA NOBRE
1ª VEREADORA APODIENSE

DONA CECÍLIA MARTINS

DONA CECÍLIA MARTINS

ZULEIDE MARINHO

ZULEIDE MARINHO
PRIMEIRA VICE-PREFEITA DE APODI

DRa. MARIA APARECIDA

DRa. MARIA APARECIDA
PRIMEIRA MÉDICA APODIENSE

DRa. MARIA NEIZE DE ANDRADE FERNANDES

DRa. MARIA NEIZE DE ANDRADE FERNANDES
1ª JUÍZA APODIENSE

DRa. MARIA AUXILIADORA DA SILVA MAIA

DRa. MARIA AUXILIADORA DA SILVA MAIA
1ª ADVOGADA APODIENSE

MAJOR JOSÉ GURGEL

MAJOR JOSÉ GURGEL
PRIMEIRO OFICIAL APODIENSE

JOSÉ FERREIRA LEITE

JOSÉ FERREIRA LEITE
DERIN LEITE, PRIMEIRO MOTORISTA DE APODI

CASA DE CULTURA

CASA DE CULTURA

SEBASTIÃO PAULO

SEBASTIÃO PAULO

ANTONIO BELCHIOR

ANTONIO BELCHIOR
SEGUNDO MOTORISTA DO APODI

ANTONIO DE PÁDUA

ANTONIO DE PÁDUA

BRASÃO DA CÂMARA MUNICIPAL

BRASÃO DA CÂMARA MUNICIPAL
APODI-RN

BRASÃO DO MUNICÍPIO DE APODI

BRASÃO DO MUNICÍPIO DE APODI

DOMINGOS FREIRE

DOMINGOS FREIRE

MANOEL ANTONIO

MANOEL ANTONIO

BRENO GALVÃO

BRENO GALVÃO

JÚLIO MARINHO

JÚLIO MARINHO

CAPITÃO LUÍS CARLOS

CAPITÃO LUÍS CARLOS

FERNANDO MAGALHÃES

FERNANDO MAGALHÃES

BARRAGEM ALUÍZIO ALVES

BARRAGEM ALUÍZIO ALVES
Sítio santa Cruz,Apodi-RN

MATRIZ DE APODI

MATRIZ DE APODI
N.S.DA CONCEIÇÃO e SÃO JOÃO

PALÁCIO FRANCISCO PINTO

PALÁCIO FRANCISCO PINTO
Sede do Poder executivo apodiense

DITO DE DOCA

DITO DE DOCA
GRANDE HOMEM APODIENSE

CÂMARA MUNICIPAL

CÂMARA MUNICIPAL
EX-PRESIDENTES DA CÂMARA MUNICIPAL DE APODI

MILTON SALES

MILTON SALES

BENEDITO MORAIS

BENEDITO MORAIS

3ª CPM/2º BPM

3ª CPM/2º BPM
NOSSA SEGURANÇA

16ª CIRETRAN

16ª CIRETRAN
APODI-RN

ADAILTON TARGINO

ADAILTON TARGINO

APODI ESPORTE CLUBE

APODI ESPORTE CLUBE

CDL DE APODI

CDL DE APODI

NÚCLEO DA UERN

NÚCLEO DA UERN
APODI

NOVA TIMBAUBA DO APODI

NOVA TIMBAUBA DO APODI

SINDICATO DOS TRABALHADORES RURAIS

SINDICATO DOS TRABALHADORES RURAIS